Caracterização, aptidão agrícola e capacidade de uso de um Argissolo Vermelho-Amarelo Eutrófico abrúptico: Estudo de caso em Itapetinga-BA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712222023329

Palavras-chave:

gênese do solo, classificação do solo, uso sustentável

Resumo

No município de Itapetinga, 90% das terras são ocupadas com pecuária e os Argissolos são os solos mais comuns. A pequena capacidade protetora das pastagens e também o adensamento dos rebanhos, tem causado severa compactação no solo, que se torna preocupante.  Diante disso, os objetivos da pesquisa foram: i) caracterizar morfológica, física e quimicamente um Argissolo Vermelho-Amarelo; ii) indicar a aptidão agrícola e capacidade de uso. Realizou-se a caracterização morfológica do solo e coletaram-se amostras dos horizontes para caracterização física e química. Fisicamente determinou-se a granulometria e argila dispersa em água (ADA). Quimicamente foram analisados os cátions trocáveis do complexo sortivo (Ca2+, Mg2+ Na+, K+, Al3+ e H+), pH, carbono, nitrogênio total e fósforo disponível, bem como, óxidos Al2O3 e Fe2O3 por ataque sulfúrico. Os sistemas de Avaliação de Aptidão Agrícola das Terras e de Capacidade de Uso foram as metodologias utilizadas para essas classificações. A descrição morfológica e dados analíticos permitiram classificar o solo como Argissolo Vermelho-Amarelo Eutrófico abrúptico. Quanto à aptidão agrícola e capacidade de uso, o solo foi classificado como 1abC e IV E-3, respectivamente. Conclui-se que o uso atual está inadequado, recomendando-se pastagens perenes associadas a práticas conservacionistas que evitem a erosão do solo. O caráter abrúptico, aliado à compactação provocada pela pecuária extensiva, agrava ainda mais a perda da capacidade produtiva desse solo, condição representativa para a microrregião de Itapetinga, onde a maior parte do seu território é coberto por Argissolos Vermelho-Amarelos Eutróficos, sendo cerca de 41%.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE ICM. 2018. Caracterização e evolução pedogeomorfológica de um sistema de transformação argissolo – espodossolo nos tabuleiros costeiros da Apa Litoral Norte do Estado da Bahia. Dissertação (Mestrado em Geografia). Salvador: UFBA. 127 p.

BARBOSA NETO MV et al. 2017. Zoneamento do potencial agrícola dos solos de uma área de cultivo na zona da Mata de Pernambuco. Sociedade e Natureza 29: 295-308.

CAMPOS MCC et al. 2012. Caracterização de Argissolos em diferentes segmentos de vertente na região de Jabuticabal, SP. Revista de Ciências Agrárias 55: 251-259.

CAPECHE CL. 2008. Noções sobre tipos de estrutura do solo e sua importância para o manejo conservacionista. Rio de Janeiro: EMBRAPA. 6 p. (Comunicado Técnico 51).

CLIMATE DATA. 2019. Clima de Itapetinga – Bahia – Brasil. Disponível em: < https://pt.climate-data.org/america-do-sul/brasil/bahia/itapetinga-1071/>. Acesso em: 4 mai. 2019.

COSTA EUC. 2012. Caracterização e gênese de Argissolos e Nitossolos na Bacia Cabo, Pernambuco. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo). Recife: UFRPE. 117p.

FAEB – FEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA. 2020. Forrageiras para o semiárido: Pecuária Sustentável. Bahia: FAEB. 20 p. (Boletim Técnico).

FREITAS RCA. 2011. Argila Dispersa em água determinada por agitação rápida, lenta e ultrassom. Dissertação (Mestrado em Ciência do Solo). Viçosa: UFV. 50p.

GUILHERME DF et al. 2016. Levantamento e classificação de solos da Serra do Espinho, Pilões/PB. In: Anais do Congresso de Gestão Ambiental e Sustentabilidade. João Pessoa: Congestasv. 13p.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 2015. Manual Técnico de Pedologia. 3 ed. Rio de Janeiro: IBGE.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 2019. Províncias estruturais, compartimentos de relevo, tipos de solos e regiões fitoecológicas. Rio de Janeiro: IBGE.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. 2021. Pesquisa da Pecuária Municipal. Bahia: IBGE. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/agricultura-e-pecuaria/9107-producao-da-pecuaria-municipal.html>. Acesso em: 20 dez. 2022

LEPSCH IF et al. 2015. Manual para levantamento utilitário e classificação de terras no sistema de capacidade de uso. 1 ed. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. 170 p.

LOSS A et al. 2009. Atributos químicos e físicos de um Argissolo Vermelho-Amarelo em sistemas integrados de produção agroecológica. Pesquisa Agropecuária Brasileira 44: 68-75.

LUNARDI NETO A & ALMEIDA JA. 2013a. Características morfológicas e química de Argissolos com horizontes subuperficiais escurecidos em Santa Catarina. Revista de Ciências Agroveterinárias 12: 294-303.

LUNARDI NETO A & ALMEIDA JA. 2013b. Mineralogia das frações silte e argila em Argissolos com horizontes subuperficiais escurecidos em Santa Catarina. Revista de Ciências Agroveterinárias 12: 282-293.

MAIA MR et al. 2011. O uso do solo e a questão ambiental na região sudoeste da Bahia – Brasil. Revista Geográfica da América Central. Nº Especial. 15p.

MARQUES FA et al. 2014 Solos do Nordeste. Rio de Janeiro: EMBRAPA Solos, 8p. Disponível em: < https://www.embrapa.br/en/busca-de-publicacoes/-/publicacao/1003864/solos-do-nordeste>. Acesso: 03 mar. 2022.

MENEZES BS. 2020. Gênese e mineralogia de solos com horizonte B textural do estado de Sergipe. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Engenharia Agronômica). Nossa Senhora da Glória: UFS. 46f.

MIRANDA MC et al. 2019. Solos coesos com diferentes cores no litoral norte da Bahia. In: SEABRA G. Terra – Habitats Urbanos e Rurais. Ituiutaba: Barlavento. p.158 -169.

NACIF PGS. 2000. Ambientes naturais da Bacia Hidrográfica do Rio Cachoeira, com ênfase aos domínios pedológicos. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas). Viçosa: UFV. 119 p.

OLIVEIRA LB. 2007. Mineralogia, micromorfologia, gênese e classificação de Luvissolos e Planossolos desenvolvidos de rochas metamórficas no semiárido do Nordeste Brasileiro. Tese (Doutorado em Solos e Nutrição de Plantas). Viçosa: UFV. 169p.

PEDRON FA et al. 2012. Variação das características pedológicas e classificação taxonômica de Argissolos derivados de rochas sedimentares. Revista Brasileira de Ciência do Solo 36: 1-9.

PEREIRA LC & LOMBARDI NETO F. 2004. Avaliação da aptidão agrícola das terras: proposta metodológica. Jaguariúna: EMBRAPA Meio Ambiente.

QUEIROZ KB et al. 2022. Potencial natural de erosão e limite de tolerância de perdas de solo em Bacia Hidrográfica na região do Brejo Paraibano. Revista GEMA, Scientific Journal of environmental Sciences and Biotechnology 8: 33-42.

RAMALHO FILHO A & BEEK KJ. 1995. Sistema de avaliação da aptidão agrícola das terras. 3.ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA-CNPS.

SANTANA SO et al. 2002. Solos da região Sudeste da Bahia – Atualização da legenda de acordo com o Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Ilhéus: CEPLAC. Rio de Janeiro: Embrapa Solos. 93p. (Boletim de Pesquisa e desenvolvimento 16).

SANTOS AC et al. 2010. Gênese e Classificação de Solos numa Topossequência no Ambiente de Mar de Morros do Mèdio Vale do do Paraíba do Sul, RJ. Revista Brasileira de Ciência do Solo 34: 1297-1314.

SANTOS HG et al. 2018. Sistema brasileiro de classificação de solos. 5.ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA-SPI.

SANTOS RD et al. 2015. Manual de Descrição e Coleta de Solo no Campo. 7.ed. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo.

SILVA AB et al. 2012. Identificação e caracterização dos principais solos do município de Coruripe, Alagoas. Pesquisa agropecuária pernamb 17: 59-65.

SILVA GA. 2018. Caracterização e aptidão agrícola de solos representativos do agropólo Mossoró-Assu. Dissertação (Mestrado em Manejo do solo e da água). Mossoró: UFRSA. 74p.

SILVA IB & MENDES LMS. 2019. Mapeamento de áreas susceptíveis à erosão laminar no alto curso do Rio Banabuiú-CE. Revista Geoaraguaia 9: 48-64.

SILVA IP & BARBOSA NETO MV. 2020. Aptidão agrícola dos solos da área da Bacia Hidrográfica do Rio Goiana no estado de Pernambuco. ACTA Geográfica 14: 78-99.

SILVA RC et al. 2007. Alterações nas propriedades químicas e físicas de um Chernossolo com diferentes coberturas vegetais. Revista Brasileira de Ciência do Solo 31: 101-107.

SILVA TC et al. 2020. Atributos químicos e atividade microbiológica em Argissolo Vermelho-Amarelo sob diferentes sistemas de manejo com e sem queima em condições de semiárido. Revista Brasileira Gestão Ambiental e Sustentabilidade 7:575-588.

SIQUEIRA PGS et al. 2018. Avaliação da resistência à penetração em um Argissolo Vermelho distrófico. Revista da Universidade Estadual de Alagoas 2: 1-15.

SOARES SC et al. 2019. Atributos químicos de um Argissolo Vermelho-Amarelo influenciado pela queimada após nove anos de pousio no nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável 9: 9-17.

SPERA ST et al. 2008. Dispersão de argila em microagregados de solo incubado com calcário. Revista Brasileira de Ciência do Solo 32: 2613-2620.

TEIXEIRA PC et al. 2017. Manual de Métodos de Análises de Solos. 3.ed. Brasília: EMBRAPA.

VEIGA AJP et al. 2020. Análise do uso e cobertura da terra em Itapetinga no estado da Bahia, Brasil, com uso de Sensoriamento Remoto e SIG. Brazilian Journal of Development 6: 73928-73947.

Downloads

Publicado

2023-05-31

Como Citar

OLIVEIRA, Raul Silva; MOREAU, Ana Maria Souza dos Santos; REIS, Amanda Dias dos; TOMAZ, Aline Roma. Caracterização, aptidão agrícola e capacidade de uso de um Argissolo Vermelho-Amarelo Eutrófico abrúptico: Estudo de caso em Itapetinga-BA. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 22, n. 2, p. 329–338, 2023. DOI: 10.5965/223811712222023329. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/22568. Acesso em: 1 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Multiseções e Áreas Correlatas

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.