Influência da interação entre genótipos de feijoeiro e rizóbios na nodulação e fixação de nitrogênio

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712112022008

Palavras-chave:

Phaseolus vulgaris L., Rhizobium tropici, simbiose, variedades

Resumo

As bactérias do grupo rizóbios estão associadas simbioticamente à cultura do feijão, formando nódulos na raiz, nos quais ocorre o processo biológico de fixação do nitrogênio. No entanto, a eficiência desse processo tem sido baixa e pode ser atribuída a fatores genéticos e ambientais. Assim, este estudo teve como objetivo avaliar a capacidade de nodulação de variedades locais e cultivares comerciais de feijão comum inoculadas com uma estirpe de Rhizobium tropici usada em inoculantes comerciais e isolados de nódulos da raiz do feijão comum. O experimento foi realizado em esquema fatorial (2x4), em delineamento de blocos ao acaso, com quatro repetições. Foram testadas duas variedades locais e duas cultivares comerciais, inoculadas com a estirpe de referência Rhizobium tropici CIAT899 e o isolado RBZ14 obtido de nódulos de feijão cultivados em solos do sul do Brasil, em vasos adaptados do tipo Leonard. A estirpe CIAT899 promoveu maior massa de nódulos viáveis ​​e maior acúmulo de nitrogênio na parte aérea. A variedade regional do grupo preto apresentou melhor resposta que a cultivar TAA Dama, quanto à viabilidade dos nódulos, sugerindo resposta mais eficiente à nodulação. A interação entre genótipos e bactérias mostrou a especificidade da complexa relação simbiótica da fixação biológica de nitrogênio no feijoeiro, sendo necessário aprofundar os estudos nessas interações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALCÂNTARA RMCM et al. 2009. Estado atual da arte quanto à seleção e o melhoramento de genótipos para a otimização da FBN. 1.ed. Teresina: Embrapa Meio-Norte.

AMBROSANO EJ et al. 1997. Leguminosas para adubação verde: uso apropriado em rotação de culturas. 1.ed. Campinas: CECOR/DCT/CATI.

ANDRAUS MP et al. 2016. Differences in nodulation and grain yield on common bean cultivars with different growth cycles. Communications in Soil Science and Plant Analysis 47: 1148-1161.

ANDRIOLO J et al. 1994. Variabilidade entre linhas de formas silvestres de Phaseolus vulgaris quanto a características relacionadas com a fixação biológica de N2. Pesquisa Agropecuária Brasileira 29: 831-837.

BERTOLDO JG et al. 2015. Evaluation of bean access to agronomic traits for use in breeding program. Ambiência 11: 295-306.

DALL’AGNOL RF et al. 2016. Paraburkholderia nodosa is the main N2-fixing species trapped by promiscuous common bean (Phaseolus vulgaris L.) in the Brazilian ‘Cerradão’. FEMS Microbiology Ecology 92: 1-4.

CASSINI STA & FRANCO MC. 2006. Fixação Biológica de Nitrogênio: microbiologia, fatores ambientais e genéticos. In: VIEIRA C et al. (Eds.). Feijão. Viçosa: UFV. p.143-170.

FERREIRA PAA et al. 2009. Inoculação com cepas de rizóbio na cultura do feijoeiro. Ciência Rural 39: 2210-2212.

FIGUEIREDO MA et al. 2016. Nitrogen and molybdenum fertilization and inoculation of common bean with Rhizobium spp. in two oxisols. Acta Scientiarum Agronomy 38: 85-92.

FONSECA GG et al. 2013. Resposta de cultivares de feijoeiro-comum à inoculação das sementes com duas estirpes de rizóbio. Bioscience Journal 29: 1778-1787.

FRANZINI VI et al. 2013. Biological nitrogen fixation efficiency in brazilian common bean genotypes as measured by 15N methodology. In: FAO/IAEA division of nuclear techniques in food and agriculture (Eds.). Optimizing productivity of food crop genotypes in low nutrient soils. Vienna: International Atomic Energy Agency. p. 299-309.

GUNNABO AH et al. 2019. Genetic interaction studies reveal superior performance of Rhizobium tropici CIAT899 on a range of diverse East African common bean (Phaseolus vulgaris L.) genotypes. Applied and Environmental Microbiology 85: 1-19.

GUNNABO AH et al. 2021. Phylogeographic distribution of rhizobia nodulating common bean (Phaseolus vulgaris L.) in Ethiopia. FEMS Microbiology Ecology 97: 1-16.

HANSEN AP et al. 1993. Respiration and Nitrogen fixation of hydroponically cultured Phaseolus vulgaris L. cv. OAC Rico and a supernodulation mutant. I. Growth, mineral composition and effect of sink removal. Plant and Soil 189: 538-545.

HARDARSON G et al. 1993. Genotypic variation in biological nitrogen fixation by common bean. Plant and Soil 152: 59-70.

HERRIDGE DF & DANSO SKA. 1995. Enhancing crop legume N2 fixation through selection and breeding. Plant and Soil 174: 51-82.

HUNGRIA M et al. 2001. Fixação biológica de nitrogênio na cultura da soja. 1.ed. Londrina: Embrapa Soja.

HUNGRIA M et al. 2013. Tecnologia de fixação biológica de nitrogênio com o feijoeiro: viabilidade em pequenas propriedades familiares e em propriedades tecnificadas. 1.ed. Londrina: Embrapa.

HUNGRIA M & NEVES MCP. 1986. Interações entre cultivares de Phaseolus vulgaris e estirpes de Rhizobium na fixação e transporte de nitrogênio. Pesquisa Agropecuária Brasileira 2: 127-140.

KNUPP AM et al. 2017. Variability of nodulation traits in Andean and Mesoamerican common bean gene pools. Pesquisa Agropecuária Brasileira 52: 252-260.

MATOSO SCG & KUSDRA JF. 2014. Nodulação e crescimento do feijoeiro em resposta à aplicação de molibdênio e inoculante rizobiano. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 18: 567-573.

MERCANTE FM et al. 2017. New native Rhizobia strains for inoculation of common bean in the Brazilian savanna. Revista Brasileira de Ciência do Solo 41: 1-11.

MOREIRA LP et al. 2017. Nodulation, contribution of biological N2 fixation, and productivity of the common bean (Phaseolus vulgaris L.) inoculated with rhizobia isolates. Australian Journal Crop Science 11: 644-651.

ORMEÑO-ORRILLO E et al. 2012. Genomic basis of broad host range and environmental adaptability of Rhizobium tropici CIAT 899 and Rhizobium sp. PRF 81 which are used in inoculants for common bean (Phaseolus vulgaris L.). BMC Genomics 13: 735-743.

PACHECO RS et al. 2020. Differences in contribution of biological nitrogen fixation to yield performance of common bean cultivars as assessed by the 15N natural abundance technique. Plant Soil 454: 327-341.

RAMÍREZ MDA et al. 2021. Genetic diversity and characterization of symbiotic bacteria isolated from endemic Phaseolus cultivars located in contrasting agroecosystems in Venezuela. Microbes Environments 36: 1-16.

RIZZARDI DA et al. 2017. Generalized mixed linear modeling approach to analyze nodulation in common bean inbred lines. Pesquisa Agropecuária Brasileira 52: 1178-1184.

RODIÑO AP et al. 2021. Implications of the symbiotic nitrogen fixation in common bean under seasonal water stress. Agronomy 11: 1-15.

SANTOS CERS et al. 2009. Modificação de vasos de Leonard com garrafas descartáveis tipo Pet. 1.ed. Londrina: Embrapa.

SHAMSELDIN A & VELÁZQUEZ E. 2020. The promiscuity of Phaseolus vulgaris L. (common bean) for nodulation with rhizobia: a review. World Journal of Microbiology and Biotechnology 36: 1-12.

STOCCO P et al. 2008. Avaliação da biodiversidade de rizóbios simbiontes do feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) em Santa Catarina. Revista Brasileira Ciência do Solo 32: 1107-1120.

STRALIOTTO R et al. 2002. Fixação biológica de nitrogênio. In: HOMERO A et al. (Eds.). Feijão: Produção do feijoeiro comum em várzeas tropicais. Santo Antônio de Goiás: Embrapa Arroz e Feijão. p.123-153.

TSUTSUMI CY et al. 2015. Melhoramento genético do feijoeiro: Avanços, perspectivas e novos estudos, no âmbito nacional. Nativa 3: 217-223.

WEKESA CS et al. 2021. Isolation and characterization of high-efficiency rhizobia from Western Kenya nodulating with Common bean. Frontiers in Microbiology 12: 1-13.

YAGI R et al. 2015. Nodulações e produtividades de grãos de feijoeiros diante da adubação nitrogenada ou da inoculação com Rhizobium freirei. Revista Brasileira de Ciência do Solo 39: 1661-1670.

Downloads

Publicado

2022-03-04

Como Citar

MILCHESKI, V. de F.; SENFF, S. E.; ORSI, N.; BOTELHO, G. R.; FIOREZE, A. C. da C. L. Influência da interação entre genótipos de feijoeiro e rizóbios na nodulação e fixação de nitrogênio. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 21, n. 1, p. 8-15, 2022. DOI: 10.5965/223811712112022008. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/20795. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)