Desmatamento e valoração ambiental da mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) no estado de Sergipe, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712112022047

Palavras-chave:

Serviços ambientais, produto florestal não madeireiro, desmatamento, pagamento por serviços ambientais, Mata Atlântica

Resumo

Este trabalho teve como objetivo avaliar o desmatamento nas áreas de ocorrência de mangaba (Hancornia speciosa Gomes) e a valoração ambiental nas feiras do estado de Sergipe, para que se possa propor mecanismos de pagamentos por serviços ambientais para conservação das áreas de ocorrência natural da mangaba no estado de Sergipe. O uso e cobertura da terra e o desmatamento foram quantificados com uso de dados do MapBiomas. A produção anual de mangaba foi extraída de dados da Produção da Extração Vegetal e da Silvicultura do IBGE. A valoração ambiental dos consumidores de mangaba nas feiras foi obtida por meio de entrevistas. As áreas de ocorrência natural de mangaba no estado de Sergipe em 34 anos apresentaram baixos percentuais de cobertura florestal e áreas naturais não florestais. Nessas áreas predomina o uso agropecuário, o que compromete a produção de mangaba. De 1995 a 2016 houve uma grande redução da produção de mangaba no estado de Sergipe, no entanto houve recuperação nos últimos três anos. A valoração contingente demonstrou que os potenciais stakeholders (tomadores de decisão) estão dispostos a contribuir financeiramente para a conservação das mangabeiras e da Mata Atlântica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANSOLIN RD et al. 2018. Valoração ambiental em áreas de preservação permanente na bacia hidrográfica do Rio Passaúna, Estado do Paraná. Revista de Ciências Agroveterinárias 17: 118-127.

ARAYA YH & CABRAL P. 2010. Analysis and modeling of urban land cover change in Setúbal and Sesimbra, Portugal. Remote Sensing 2: 1549-1563.

BRASIL. 2021. Lei Federal nº 14.119, de 13 de janeiro de 2021. Institui a Política Nacional de Pagamento por Serviços Ambientais [...]. Available at: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2021/Lei/L14119.htm. Access in: 19 Apr. 2021.

CONGALTON RG & GREEN K. 2008. Assessing the Accuarcy of Classifications of Remotely Sensed Data: Principles and Practices. 2.ed. New York: Taylor & Francis.

EMDAGRO. 2009. Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe. Notícia no portal. Cultivo comercial da mangaba pode mudar vida de produtores. Available at: http://www.emdagro.se.gov.br/modules/news/article.php?storyid=150. Access on: 01 Apr. 2021.

GUEDES FB & SEEHUSEN SE. 2011. Pagamento por Serviços Ambientais na Mata Atlântica – lições aprendidas e desafios. Brasilia: MMA.

IBGE. 2019. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Available at: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/1995_1996/default.shtm. Access in: Apr. 2021.

INPE. 2020. SOS Mata Atlântica/ Qual é a área de cobertura da Mata Atlântica? Available at: https://www.sosma.org.br/artigos/qual-e-area-de-cobertura-da-mata-atlantica/>. Access in: 12 Mar. 2021.

JESUS JB et al. 2014. Estudo da distribuição do bioma Mata Atlântica no Estado de Sergipe. In: Simpósio Brasileiro de Pós-Graduação em Ciências Florestais, 8. Anais.....Recife: UFRPE. P. 553-556.

KEENAN RJ et al. 2015. Dynamics of global forest area: Results from the FAO Global Forest Resources Assessment. Forest Ecology and Management 352: 9-20.

LANDIS JR & KOCH GG. 1977. The Measurement of observer agreement for categorical data published by: international biometric society stable. Biometrics 33: 159-174.

MARCONI MA & LAKATOS EM. 2008. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. 7.ed. São Paulo: Atlas.

MAROTTI J et al. 2008. Amostragem em pesquisa clínica: tamanho da amostra. Revista de Odontologia da Universidade Cidade de São Paulo 20: 186-194.

MATHER P & TSO B. 2016. Classification methods for remotely sensed data. 2.ed. New York. Taylor & Francis.

MOTTA RS. 1997. Manual para valoração econômica de recursos ambientais. 1.ed. Rio de Janeiro. IPEA.

MOURA DMO. 2018. Cadeia produtiva da mangaba no estado de Sergipe: desafios para sustentabilidade e gestão participativa. Tese (Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente). São Cristovão: UFS. 239p.

OLIVEIRA DM et al. 2017. Identificação dos pontos críticos no sistema extrativista da mangaba (Hancornia speciosa Gomes) em Sergipe. Guaju 3: 11-36.

RIBEIRO MC et al. 2009. The Brazilian Atlantic Forest: How much is left, and how is the remaining forest distributed? Implications for conservation. Biological conservation 142: 1141-1153.

RODRIGUES RFA et al. 2017. Mapa do extrativismo da mangaba em Sergipe: situação atual e perspectivas. Brasília: EMBRAPA.

SANTOS CNC & VILAR JWC. 2012. O litoral Sul de Sergipe: contribuição ao planejamento ambiental e territorial. Revista Geonorte 3: 1128-1138.

SEDURBS. 2014. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Sergipe. Florestas em Sergipe: Construindo uma Política Florestal. Aracaju: SEDURBS.

SERGIPE. 2010. Lei nº 7.082 de 16 de dezembro de 2010. Reconhece as catadoras de mangaba como grupo cultural diferenciado e estabelece o auto-reconhecimento como critério do direito e dá outras providências.

SILVA ER et al. 2019. Produtos florestais não madeireiros e valoração ambiental da Floresta Nacional de Pacotuba, ES. Revista de Ciências Agroveterinárias 18: 363-373.

SILVA JÚNIOR JF et al. 2011. “Rainha dos Tabuleiros”: a mangabeira em Sergipe. In: MOTA DM et al. (Eds). A mangabeira as catadoras o extrativismo. Belém: Embrapa Amazônia Oriental.

SILVA ZFB. 2001. Cenário atual da secção urbana do rio Poxim. São Cristovão: UFS.

SOARES JA. 2001. O rio Poxim, processo urbano e meio ambiente. São Cristovão: UFS.

TABARELLI M et al. 2006. A Mata Atlântica do Nordeste; Piauí; Ceará; Rio Grande do Norte; Paraíba; Pernambuco e Alagoas: O Pacto Murici. In: CAMPANILI M & PROCHNOW M. (Eds.). Mata Atlântica: uma rede pela floresta. São Paulo: Atthalaia Gráfica e Editora Ltda.

VIEIRA DLM & RODRIGUES RFA. 2009. Mapa do extrativismo da mangaba em Sergipe: ameaças e demandas. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros.

VIEIRA DLM & RODRIGUES RFA. 2010. Mapa do extrativismo da mangaba em Sergipe: ameaças e demandas. Dados vetoriais do geoprocessamento. 2.ed. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros.

ZAR JH. 1999. Biostatistical analysis. Upper Saddle River: Prentice Hall.

Downloads

Publicado

2022-03-04

Como Citar

MOURA, D. M. de O. .; GOMES, L. J. .; FERNANDES, M. M. Desmatamento e valoração ambiental da mangabeira (Hancornia speciosa Gomes) no estado de Sergipe, Brasil. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 21, n. 1, p. 47-55, 2022. DOI: 10.5965/223811712112022047. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/20613. Acesso em: 18 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Multiseções e Áreas Correlatas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)