Qualidade superficial de componentes de móveis utilizando serra fita e fresadora e duas espécies

Autores

  • Ana Paula Namikata da Fonte Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.
  • Rui André Maggi dos Anjos Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712022021134

Palavras-chave:

usinagem, não paramétrica, acabamento superficial

Resumo

Esse estudo dedicou-se a considerar a utilização de eucalipto e Ocotea porosa na produção de móveis em estilo clássico, avaliando o tempo de usinagem e a qualidade superficial. Para tal, foi realizado o levantamento de dados sobre a qualidade superficial de peças de eucalipto e Ocotea porosa, por meio de uma avaliação visual com adaptação da metodologia descrita na norma ASTM 1666. Essa análise da qualidade superficial da madeira ocorreu por meio de duas diferentes espécies e conduzido por duas modalidades de usinagem (uma serra-fita e uma fresadora copiadora) de peças destinadas a produção de componentes (pés) para móveis clássicos. Após a confecção dos pés os móveis foram montados e novamente avaliados. Selecionou-se 40 amostras, nas quais foram avaliados os defeitos iniciais por meio da inspeção visual, foi aplicada a estatística não paramétrica de Kruskal-Wallis. Os valores encontrados sobre a qualidade de superfície foram considerados de boa qualidade, sendo necessário maior tempo para realizar o acabamento nas peças processadas na serra-fita se comparado com a fresadora. Pôde-se concluir que o tempo de usinagem gasto em cada tratamento influencia na capacidade de produção da empresa, sendo mais rápidos os cortes realizados pela fresadora com melhor acabamento superficial.

Referências

ASTM. 2015. Standard Test Methods for Conducting Machining. D1666 -17. Tests of Wood and Wood-Base Panel Materials, West Conshohocken: ASTM International.

BELLEVILLE B et al. 2016. Wood machining properties of Australian plantation-grown Eucalypts. Maderas. Ciencia y tecnología 18: 677-688.

CARVALHO PER. 2003. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: Embrapa. 1040p.

CSANÁDY E & MAGOSS E. 2013. Mechanics of wood machining. Berlin: Springer.

DAVIS EM. 1962. Machining and related characteristics of United States hardwoods. Washington: USDA. p. 68-70. (Technical Bulletin, 1267).

FERREIRA RB et al. 2015. Flautas Transversais Renascentistas: história, construção e experimento com madeiras brasileiras. PER MUSI 31: 108-122.

GALINARI R et al. 2013. A competitividade da indústria de móveis do Brasil: situação atual e perspectivas. Rio de Janeiro: BNDES Setorial 37: 227-272.

GOK K et al. 2014. Failure analysis of support during profile cutting process using horizontal milling machine. The International Journal of Advanced Manufacturing Technology 70: 1169-1179.

INOUE MT et al. 1984. Projeto Madeira do Paraná. Curitiba: FUPEF. 260p.

KININMONTH JA & WHITEHOUSE LJ. 1991. Properties and use of New Zealand radiata pine: wood properties. New Zealand: Forest Research Institute.

LOPES CSD et al. 2014. Avaliação da rugosidade superficial da madeira de Eucalyptus sp. submetida ao fresamento periférico. Cerne 20: 471-476.

LATORRACA JVF & ALBUQUERQUE CEC. 2000. Efeito do rápido crescimento sobre as propriedades da madeira. Floresta e Ambiente 7: 279-291.

LORENZI H. 1992. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum. 352p.

MAINIERI C & CHIMELO JP. 1989. Fichas de características das madeiras brasileiras. São Paulo: IPT. 418p.

MARTINS AS et al. 2011. Efeito da usinagem na rugosidade da superfície da madeira de Eucalyptus benthamii. Floresta e Ambiente 18: 135-143.

MELO JÚNIOR JCF. 2017. O uso da madeira em uma serraria do século XX em Santa Catarina. Balduinia 59: 19-26.

NOVÁK V et al. 2011. Assessment of wood surface quality obtained during high speed milling by use of non-contact method. Drvna industrija 62: 105-113.

ÖZÇIFÇI A & YAPICI F. 2008. Effects of machining method and grain orientation on the bonding strength of some wood species. Journal of Materials Processing Technology 202: 353-358.

PORANKIEWICZ B & GOLI G. 2014. Cutting forces by oak and douglas fir machining. Maderas. Ciencia y tecnología 16: 199-216.

SALCA E. 2015. Optimization of wood milling schedule–a case study. Dimensions 2000: 160.

SILVA JC et al. 2015. Influence of age on wood machinability of Eucalyptus grandis Hill ex. Maiden for use in the furniture industry. Scientia Forestalis 43: 117-125.

SOUZA MOAD et al. 2009. Avaliação da madeira de Eucalyptus camaldulensis Dehnh e Eucalyptus urophylla ST Blake em ensaios de usinagem, visando à produção moveleira. Árvore 33: 751-758.

Downloads

Publicado

2021-07-02

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados