Solarização e cobertura morta no solo sobre a infestação de plantas daninhas no feijão-caupi (Vigna unguiculata)

Autores

  • Sebastião de Oliveira Maia Júnior Universidade Federal de Campina Grande-UFCG
  • Jailma Ribeiro de Andrade Universidade Federal de Alagoas- UFAL
  • Luciene Ribeiro de Andrade Universidade Federal de Alagoas- UFAL
  • Claudiana Moura dos Santos Universidade Federal de Alagoas- UFAL
  • Lennon Kledson dos Santos Silva Universidade Federal de Alagoas- UFAL
  • Aldair de Souza Medeiros Universidade Federal de Alagoas- UFAL
  • Lígia Sampaio Reis Universidade Federal de Alagoas- UFAL

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711832019466

Palavras-chave:

Vigna unguiculata, plantas invasoras, rendimento

Resumo

A infestação de plantas daninhas está entre os problemas de maior interferência na agricultura, e por isso tem despertado a utilização de técnicas de manejo, como o uso de solarização e coberturas vegetais sobre o solo, que podem atenuar essa problemática. Dessa forma, objetivou-se com este trabalho avaliar os manejos de solarização e cobertura morta do solo sobre a infestação de plantas daninhas no cultivo do feijão-caupi. O experimento foi realizado em casa de vegetação sob delineamento inteiramente casualizado com oito tratamentos, como sendo: solarização do solo (com e sem) e três coberturas mortas (mamona, crotalária e vegetação espontânea + ausência de cobertura) com quatro repetições. A pesquisa foi conduzida em vasos com capacidade de 11 dm3, preenchidos com oito kg de solo, e a semeadura realizada diretamente nos vasos. Aos 80 dias após a semeadura, foram determinados o número e a massa seca total de plantas daninhas em cada unidade experimental. Nesse período também foram avaliadas as características de crescimento e rendimento do feijão-caupi. O número e massa seca total de plantas daninhas foram maiores no solo sem cobertura, independente da solarização, sendo a massa seca total maior na ausência da solarização. Essa infestação de plantas daninhas reduziu o comprimento do ramo principal, número de folhas, número e comprimento de vagens, produção de massa seca e quantidade de água na parte aérea do feijão-caupi, enquanto aumentou a massa seca radicular. A solarização quando isolada não suprime totalmente a incidência de plantas daninhas, mas reduz o desenvolvimento destas. Por outro lado, a cobertura do solo, independente do tipo e da solarização, reduz a incidência de plantas daninhas favorecendo o crescimento, rendimento e produção de massa seca na parte aérea do feijão-caupi.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA RA et al. 1996. Efeitos de diversas espécies de cobertura morta sobre o controle de plantas daninhas da cultura do milho (Zea mays). Pesquisa Agropecuária Tropical 26: 71-78.

BAPTISTA MJ et al. 2006. Solarização do solo e biofumigação no cultivo protegido de tomate. Horticultura Brasileira 24: 47-52.

BEZERRA AAC et al. 2014. Morfofisiologia e produção de feijão-caupi, cultivar BRS Novaera, em função da densidade de plantas. Revista Caatinga 27: 135-141.

BORGES LS et al. 2014. Índices morfo-fisiológicos e produtividade de cultivares de jambu influenciadas pela adubação orgânica e mineral. Bioscience Journal 30: 1768-1778.

BRAUN-BLANQUET J. 1979. Fitossociologia: bases para el estudio de las comunidades vegetales. Madrid: H. Blume. 820 p.

CABRAL PHR et al. 2013. Interferência de plantas daninhas na cultura do sorgo cultivado em safrinha. Pesquisa Agropecuária Tropical 43: 308-314.

CANDIDO V et al. 2011. Weed control and yield response of soil solarization with different plastic films in lettuce. Scientia Horticulturae 130: 491-497.

FERREIRA NM et al. 2015. Crescimento e produção da mamoneira BRS Paraguaçu sob irrigação, cobertura do solo e adubação orgânica. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 19: 857–864.

FLÔRES JA et al. 2017. Agronomic and qualitative traits of common bean as a function of the straw and nitrogen fertilization. Pesquisa Agropecuária Tropical 47: 195-201.

FORTE CT et al. 2018. Coberturas vegetais do solo e manejo de cultivo e suas contribuições para as culturas agrícolas. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 13: e5501.

HIRATA ACS et al. 2009. Plantas de cobertura no controle de plantas daninhas na cultura do tomate em plantio direto. Planta Daninha 27: 465-472.

IBGE 2017. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Produção Agrícola Municipal (PAM). Disponível em https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1612#resultado. Acesso: 03 Abr. 2019.

KATAN J. 1981. Solar-heating (solarization) of soil for control of soil-borne pests. Annual Review of’ Phytopathology 19: 211-236.

KHAN MA et al. 2012. Soil Solarization: an organic weed-management approach in cauliflower. Communications in Soil Science and Plant Analysis 43: 1847–1860.

MAGALHÃES ID et al. 2017. Physiology and grain yield of common beans under evapotranspirated water reposition levels. Irrigation & Drainage Systems Engineering 6: 1-8.

MAIA JÚNIOR SO et al. 2018. Soil management and mulching for weed control in cowpea. Pesquisa Agropecuária Tropical 48: 453-460.

MARTINS D et al. 2016. Coberturas mortas de inverno e controle químico sobre plantas daninhas na cultura do milho. Revista Ciência Agronômica 47: 649-657.

MESCHEDE DK et al. 2007. Avaliação de diferentes coberturas na supressão de plantas daninhas no cerrado. Planta Daninha 25: 465-471.

MONQUERO PA et al. 2009. Efeito de adubos verdes na supressão de espécies de plantas daninhas. Planta Daninha 27: 85-95.

OLIVEIRA FS et al. 2018. Competition between cowpea and weeds for water: effect on plants growth. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 13: e5507.

OSIPITAN OA. 2017. Weed interference and control in cowpea production: A review. Journal of Agricultural Science 9: 11-20.

PESSÔA UCM et al. 2017. Desempenho fisiológico e crescimento do feijão-caupi, sob manejos de plantas daninhas. Revista Verde 12: 246-250.

SALGADO TP et al. 2007. Interferência das plantas daninhas no feijoeiro carioca. Planta Daninha 25: 443-448.

SANTOS HG et al. 2013. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3.ed. Brasília: Embrapa. 353p.

SANTOS RF et al. 2014. Solarização do solo associada à aplicação de Trichoderma spp. no controle de Sclerotinia sclerotiorun. Revista de Ciências Agrárias 57: 322-325.

SIDDIQUI MH et al. 2018. Parthenium hysterophorus herbage mulching: a potential source of weeds control in soybean (Glycine max). Planta Daninha 36: 1-9.

SOUMYA TM et al. 2004. Effect of soil solarization on weedcount, weed dry weight and pod yield of groundnut. Karnataka Journal of Agricultural Sciences 17: 548-550.

TEÓFILO TMS et al. 2012. Eficiência no uso da água e interferência de plantas daninhas no meloeiro cultivado nos sistemas de plantio direto e convencional. Planta Daninha 30: 547-556.

YEGANEHPOOR F et al. 2015. Effects of cover crops and weed management on corn yield. Journal of the Saudi Society of Agricultural Sciences 14: 178-181.

ZIECH ARD et al. 2014. Cultivo de alface em diferentes manejos de cobertura do solo e fontes de adubação. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 18: 948–954.

Downloads

Publicado

2019-12-12

Como Citar

MAIA JÚNIOR, S. de O.; ANDRADE, J. R. de; ANDRADE, L. R. de; SANTOS, C. M. dos; SILVA, L. K. dos S.; MEDEIROS, A. de S.; REIS, L. S. Solarização e cobertura morta no solo sobre a infestação de plantas daninhas no feijão-caupi (Vigna unguiculata). Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 18, n. 4, p. 466-473, 2019. DOI: 10.5965/223811711832019466. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/14575. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)