Interrogando espaços de alteridade: em direção a uma pedagogia pós-crítica para o drama e o teatro aplicados

Kennedy C. Chinyowa

Resumo


RESUMO

Enquanto os expoentes da pedagogia crítica argumentam que ela é um enquadramento apropriado para desafiar os discursos dominantes que buscam perpetuar as relações de poder opressivas e desigualdades sociais, outros começam a contra-argumentar que ela ainda permanece uma “pedagogia do oprimido”. Ao continuar a construir um “mundo” dividido em oposições binárias de raça, classe, gênero e etnias, a pedagogia crítica tende a encobrir relações mais complexas de poder nas quais estas categorias são fluídas em vez de fixas. Este artigo argumenta que em situações de pós-conflito tais como a da África do Sul pós-apartheid, onde a linha divisória entre perpetuadores e vítimas tende a se esvaecer, a linha divisória entre opressor e oprimido torna-se menos clara e escorregadia. O artigo propõe a adoção de uma pedagogia pós-crítica alternativa que possa transcender tais fronteiras rígidas.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5965/1414573101222014247



Direitos autorais



 

    

 

Indexadores

 

       


Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas - Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) - Centro de Artes (CEART) - Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - (PPGT) – E-ISSN: 2358.6958 - Endereço: Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC, Centro de Artes - Av. Madre Benvenuta, 2007, Itacorubi. Florianópolis. SC, Brasil. CEP: 88.035-001 – E-mail: urdimento.ceart@udesc.br

Licença Creative Commons

  Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.