Dossiê Temático - 2019/2 - SOBRE A TRADUÇÃO NO TEATRO: abordagens histórico-culturais e experiências tradutórias

Os estudos sobre a tradução teatral − que constituem aspecto fundamental em boa parte da produção teatral no Brasil, ao longo de sua história − são ainda recentes no conjunto das pesquisas em artes cênicas entre nós.

 

O dossiê do número 35 da Urdimento, no propósito de contribuir para estimular ou alimentar tais estudos, encontra seu foco principal em reflexões sobre a tradução teatral no Brasil, em âmbito histórico de modo especial, mas não exclusivo; abre-se também para reprodução de traduções inéditas de peças teatrais brasileiras, compreendendo seu ineditismo pela não publicação, embora tendo já experimentado a prática do palco, e desde que acompanhadas de autorizações devidas para publicação. Assim predominantemente orientado, tal foco não exclui possibilidades de artigos reflexivos sobre o problema em âmbito internacional. 

 

Para tanto, o dossiê “Sobre a tradução no teatro” objetiva reunir textos que visem ao aprofundamento dos seguintes tópicos:

ü  O lugar e o sentido da tradução teatral para a história do teatro no Brasil.

ü  Marcos da tradução teatral e suas contribuições para a cena brasileira: estudos de caso.

ü  A tradução teatral na atualidade: novos fluxos globais, web, associações e direitos de tradução.

ü  Tradução e tradutores teatrais: em meio a modos de produção da cena; na perspectiva de trajetos biográficos.

ü  Questões gerais e estratégias específicas nos atos tradutórios para teatro.

ü  Olhares da crítica teatral sobre traduções em cena.

ü  Relatos: descrição e análise de experiências tradutórias para o teatro.

ü  Traduções encenadas inéditas (e autorizadas para publicação).

 

O Comitê̂Editorial -A convite de Urdimento, Maria de Lourdes Rabetti (Beti Rabetti), tradutora, professora doutora da UNIRIO e da UFSJ, pesquisadora da história da tradução teatral no Brasil (CNPq; Pq. 1 A), propôs esse dossiê, do qual será a organizadora responsável, tendo como colaboradoras as tradutoras Ângela Leite Lopes, professora doutora da UFRJ, e Inês Cardoso, professora doutora da UNIRIO.