Perfil bioquímico sérico de gatos domésticos obesos oriundos da cidade de São Luís, Maranhão

Dryane Silva Aguiar, Mylena Andréa Oliveira Torres, Daniel Praseres Chaves, Nathálya dos Santos Martins, Erlin Cely Cotrim Cavalcante, Tiago Silva Teofilo

Resumo


obesidade é uma doença caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal. É causada por múltiplos fatores, que podem levar ao desenvolvimento de várias enfermidades secundárias como as doenças cardíacas e do trato urinário inferior, dermatopatias, diabetes mellitus e lipidose hepática. Objetivou-se com este estudo avaliar as alterações bioquímicas séricas de gatos domésticos obesos. Para isso, foram utilizados 21 gatos domésticos, de ambos os sexos, sem raça definida, com idade entre 10 meses e 14 anos, escolhidos de acordo com o escore de condição corporal. Nesses animais foram realizadas avaliações clínicas e metabólicas. Notou-se quanto aos fatores de risco que 85,71% dos animais eram castrados, e que 52,38% dos animais possuíam hábitos sedentários. Para 71,43% dos machos e 100% das fêmeas eram fornecidas dietas exclusivas de ração e 42,86% dos gatos eram alimentados ad libitum. Os valores médios encontrados revelaram ureia e creatinina acima dos valores de referência, no qual os machos apresentaram valores mais elevados. A AST e ALT também apresentaram os valores acima dos valores normais para a espécie. Os valores de colesterol total, proteínas totais e frações (albumina e globulinas), glicose e fosfatase alcalina, quando se observou os valores mínimo e máximo mostraram resultados fora da normalidade para a espécie. Conclui-se que a obesidade pode alterar os valores bioquímicos séricos dos gatos demonstrando aumento do valor da ureia, creatinina, AST e ALT.


Palavras-chave


sobrepeso, Felis catus, análises bioquímicas.

Texto completo:

PDF

Referências


BALDWIN K et al. 2010. AAHA Nutritional Assessment Guidelines for Dogs and Cats. Journal of the American Animal Hospital Association, Lakewood 46: 285-296.

BECVAROVA I. 2011. Canine and feline obesity: Frequently asked questions ad their answers. Compendium: Continuing Education for Veterinarians 33: 1-5.

FEITOSA FLF. 2008. Semiologia Veterinária: A arte do diagnóstico. São Paulo: Editora Roca. 754p.

GERMAN A. 2006. Clinical risks associated with obesity in companion animals. Waltham Focus 16: 21-26.

GERMAN A. 2010. Obesity in companion animals. In Practice 32: 42-50.

GUIMARÃES ALN & TUDURY EA. 2006. Etiologias, consequências e tratamentos de obesidades em cães e gatos - revisão. Veterinária Notícias 12: 29-41.

HAND MS et al. 2010. Small Animal Clinical Nutrition. 5th ed. Kansas: Mark Morris Institute. 1314p.

HOENIG M et al. 2007. Insulin sensitivity, fat distribution, and adipocytokine response to different diets in lean and obese cats before and after weight loss. American Journal of Physiology. Regulatory, Integrative and Comparative Physiology 292: 227-234.

LAFLAMME DP. 2010. Cats and carbohydrates: Implications for health and disease. Compendium: Continuing Education for Veterinarians 32: 1-3.

LEWIS LD et al. 1994. Obesity. In: LEWIS LD et al. (Eds.). Small Animal Clinical Nutrition III. Kansas: Mark Morris Institute. p. 1-39.

LIMA FS de. 2013. Obesidade em cães e gatos: revisão de literatura. Monografia (Graduação em Medicina Veterinária).

São Luís: UEMA. 40p.

LUND EM et al. 2005. Prevalence and risk factors for obesity in adult cats from private US veterinary practices. The International Journal of Applied Research in Veterinary Medicine 3: 88-96.

MENDES FF et al. 2013. Obesidade felina. Enciclopédia Biosfera 9: 1602-1625.

MEYER DJ et al. 1995. Medicina de laboratório veterinário. Interpretação e diagnóstico. São Paulo: Roca. 308p.

NELSON RW & COUTO CG. 2010. Medicina interna de pequenos animais. 4.ed. Rio de Janeiro: Elsevier. 1504p.

OSBORNE CA et al. 2004. Doenças do trato urinário inferior dos felinos. In: ETTINGER SJ & FELDMAN EC. Tratado de medicina interna veterinária: doenças do cão e do gato. 5.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. p.1802-1841.

OLIVEIRA ST. 2004. Alterações de compostos nitrogenados não protéicos em cães e gatos. Seminário de Transtornos Metabólicos dos Animais Domésticos, PPGCV/UFRGS. 17p.

RUSSELL K et al. 2000. Influence of feeding regimen on body condition in the cat. Journal of Small Animal Practice 41: 12-17.

SANTOS AF. 2014. Obesidade em cães e gatos. Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo. Disponível em: Acesso em: 27 Mar. 2016.

THRALL MA et al. 2015. Hematologia e bioquímica clínica veterinária. 2.ed. São Paulo: Roca. 688p.

ZORAN D. 2009. Feline obesity: clinical recognition and management. Compendium: Continuing Education for Veterinarians. p. 284-291.




DOI: http://dx.doi.org/10.5965/223811711722018254

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171