Ação curativa e protetora de compostos orgânicos e inorgânicos no controle de Microsphaera diffusa em soja

Emanueli Bizarro Furtado, Keilor da Rosa Dorneles, Leandro José Dallagnol

Resumo


O objetivo do trabalho foi avaliar o efeito dos produtos acibenzolar-s-metil, fosfito de potássio, silicato de potássio e trifloxistrobina + protioconazole no controle curativo do oídio (Microsphaera diffusa) na soja. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, em esquema unifatorial, contendo cinco tratamentos com quatro repetições. A aplicação dos produtos foi realizada no estádio fenológico V4, no qual as plantas possuíam 5% de severidade da doença. Aos 7, 14 e 21 dias após aplicação dos tratamentos (DAA), foi avaliada a incidência e severidade da doença. O trifloxistrobina + protioconazole reduziu a incidência em 30% e a severidade em 80%, quando comparado ao controle. Também foi avaliado o efeito inibitório dos produtos na produção de conídios in vivo e na sua germinação in vitro. O trifloxistrobina + protioconazole proporcionou a maior redução na produção de conídios e na inibição da germinação. O acibenzolar-s-metil, fosfito de potássio e silicato de potássio também reduziram a germinação de conídios, mas não afetaram a produção. Com base nisso, conclui-se que, o fungicida trifloxistrobina + protioconazole reduziu a produção de conídios e inibiu sua germinação, apresentando efeito curativo e protetor contra oídio em soja e que os indutores de resistência testados, interferem na germinação do patógeno, mas sem efeito significativo na doença quando aplicados após o surgimento dos sintomas.


Palavras-chave


Glycine max L., oídio, controle químico, indutores de resistência.

Texto completo:

PDF

Referências


BLUM LEB et al. 2002. Fungicidas e mistura de fungicidas no controle do oídio da soja. Fitopatologia Brasileira 27: 216-218.

BRASIL SOS et al. 2018. Importância da resistência de plantas no controle de oídio: um levantamento de cultivares de soja no Brasil. Revista Científica Rural 20: 188-202.

BRUZAMARELLO J et al. 2018. Potencial de fosfitos na indução da resistência em plantas de soja. Cultura Agronômica 27: 263-273.

CONAB. 2019. Companhia Nacional do Abastecimento. Acompanhamento da Safra Brasileira. Brasília: Conab. 15p.

DALLAGNOL LJ et al. 2006. Use of Acibenzolar-S-Methyl to control foliar diseases of soybean. Summa Phytopathologica 32: 255-259.

FEHR WR & CAVINESS CE. 1977. Stages of soybean development. State University of Science and Technology 80: 1-12.

MATTIAZZI P. 2003. Efeito do oídio (Microsphaera diffusa Cooke & Peck) na produção e duração da área foliar sadia da soja. Tese (Doutorado em Fitotecnia). Piracicaba: ESALQ. 49p.

GORLACH J et al. 1996. Benzothiadiazole, a novel class of inducers of systemic acquired resistance, activates gene expression and disease resistance in wheat. The Plant Cell 8: 629-643.

OLIVEIRA GM et al. 2015. Fosfito e silicato de potássio no controle da ferrugem asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi Syd. & P. Syd). Revista Brasileira de Ciências Agrárias 10: 60-65.

SALVADORI JR et al. 2016. Indicações técnicas para a cultura da soja no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, safras 2016/2017 e 2017/2018. Passo Fundo: UPF. 128p.

SILVA OC et al. 2013. Fontes de fosfito e acibenzolar-S-metílico associados a fungicidas para o controle de doenças foliares na cultura da soja. Tropical Plant Pathology 38: 72-77.

TOIGO S et al. 2008. Controle químico do oídio na cultura da soja. Scientia Agraria 9: 491-496.

YULIA E et al. 2017. Resistance Potential to Powdery Mildew (Microsphaera diffusa Cooke and Peck) of Several Yellow and Black Soybean (Glycine max (L.) Merr) Genotypes. KnE Life Sciences 2: 270-278.




DOI: https://doi.org/10.5965/223811711912020104

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


______________________________________________________________________________________________________________________________

Revista de Ciências Agroveterinárias (Rev. Ciênc. Agrovet.), Lages, SC, Brasil        ISSN 2238-1171