Perspectivas guarani sobre binarismos da colonização: caminhos para além das monoculturas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180315402023e0101

Palavras-chave:

povos indígenas, etnogenocídio, povo guarani, contracolonização

Resumo

Este artigo teve como objetivo problematizar, através de perspectivas guarani, algumas das racionalidades que sustentam os binarismos da colonização, como os que dividem etnocídio e genocídio, humano e animal, selvagem e civilizado, tempo e eternidade. Reconhecendo que as violências coloniais não são um processo finalizado, o artigo busca contribuir para um diagnóstico acerca da atualização dessas violências, ao mesmo tempo em que procura compartilhar algumas das resistências guarani a elas. A partir de uma pesquisa qualitativa em Trabalhos de Conclusão de Curso de acadêmicos do povo guarani, formados no Curso de Licenciatura Indígena Intercultural do Sul da Mata Atlântica, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o artigo apresenta perspectivas guarani acerca da colonização, seus efeitos e meios de resistência. Como resultado, a pesquisa aponta a importância de que perspectivas indígenas sejam cada vez mais reconhecidas como epistemologias válidas para se pensar e combater racismo e etnogenocídio, pois, além do diagnóstico das violências coloniais, também apontam pistas para o reflorestamento do imaginário, não só para povos indígenas, mas para todos os demais seres.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANGATU, Casé. Um olhar indígena decolonial sobre as inundações que abriram o ano. Portal Correio da Cidadania, [s.l.], 2022.

ASCENSO, João; ARAÚJO, Rayane Genocídio indígena e ecocídio no Brasil. Ciência Hoje, Rio de Janeiro, ed. 372, 17 dez. 2020. Disponível em: https://cienciahoje.org.br/artigo/genocidio-indigena-e-ecocidio-no-brasil/ Acesso em 26 dez. 2023.

ASSUMPÇÃO, Jéssica; PAIM, Elison. Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica (UFSC) e a formação de professores guarani. Revista de Ciências Humanas, Frederico Westphalen (RS), v. 10, n. 02, p. 84-108, 2019.

BENITES, José. O direito à saúde pública para os guarani: o caso da comunidade Mymba Roka. 37 p. 2015. TCC (Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica ) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

BENITES, Sandra. Nhe’ẽ, reko porã rã: nhemboea oexakarẽ Fundamento da pessoa guarani, nosso bem-estar futuro (educação tradicional): o olhar distorcido da escola. 40 p. 2015. TCC (Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica ) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

CHAMORRO, Graciela. Terra madura, yvy araguyje: fundamento da palavra guarani. Dourados: Editora da UFGD, 2008. 368p.

COX, Maria Inês Pagliarini. A noção de etnocídio: para pensar a questão do silenciamento das línguas indígenas no Brasil. Polifonia Cuiabá, [s.l.] EdUFMT, v. 12, n. 1, p. 65-81, 2006.00

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FAUSTINO, Deivison Mendes. Frantz Fanon, a branquitude e a racialização: aportes introdutórios a uma agenda de pesquisas. In: MULLER, Tânia; CARDOSO, Lourenço. Branquitude: estudos sobre a identidade branca no Brasil. Curitiba: Editora Appris, 2017.p. 125-138.

GRIJALVA, Dorotea Gómez. Mi cuerpo es um território político. Brecha Lésbica (coletivo org.). Voces descolonizadoras, Caderno 1, p. 1-27, 2012. Disponível em: https://brechalesbica.files.wordpress.com/2010/11/mi-cuerpo-es-un-territorio-polc3adtico77777-dorotea-gc3b3mez-grijalva.pdf Acesso em: 06 jan. 2023.

GUARANI, Jerá. Tornar-se selvagem. Piseagrama, Belo Horizonte, n. 14, p. 12-19, 2020.

GONÇALVES, João Batista. Etnoterritorialidade e a homologação da Terra Indígena Morro dos Cavalos. 46 p. 2015. TCC (Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

KARAI, Domingo Hugo. Casa tradicional guarani no Litoral Norte de Santa Catarina. 59 p. 2020. TCC (Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

KRENAK, Ailton; CAMPOS, Yussef. Lugares de origem. São Paulo: Jandaíra, 2021.

LABORNE, ANA. “Branquitude, colonialismo e poder: a produção do conhecimento acadêmico no contexto brasileiro”. In: MULLER, Tânia; CARDOSO, Lourenço. Branquitude: estudos sobre a identidade branca no Brasil. Curitiba: Appris, 2017. p. 91-104.

PERALTA, Anastácio. A Agroecologia Kaiowá: tecnologia espiritual e bem viver, uma contribuição dos povos indígenas para a educação. Revista Movimentação, [s.l.]p. 1-19, 2017.

PAIM, Elison; PEREIRA, Pedro. Uma experiência com educação intercultural indígena: entrevista com a professora Joziléia Daniza Kaingang. Roteiro, [S. l.], v. 44, n. 1, p. 1-12, 2019.

PALMQUIST, Helena. Questões sobre genocídio e etnocídio indígena: a persistência da destruição. 2018. 154 f. Tese (Doutorado em Antropologia) – UFPA, Belém do Pará, 2018.

MACHADO, Almires Martins. Exá raú mboguatá guassú mohekauka yvy marãe‟y: de sonhos ao Oguatá Guassú em busca da (s) terra (s) isenta (s) de mal. 2015. 209 f. Tese. (Doutorado em Antropologia) – Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Belém, 2015.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. 2. ed. São Paulo: Ed. N-1, 2018.

MUNANGA, Kabengele. O negro na sociedade brasileira: resistência, participação e contribuição. Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares, 2004.

NÚÑEZ, Geni. Nhande ayvu é da cor da terra: perspectivas indígenas guarani sobre etnogenocídio, raça, etnia e branquitude. 2022. 132 f. Tese (Doutorado no Programa de Pós graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2022.

OYEWUMI, Oyeronke. La invención de las mujeres: una perspectiva africana sobre los discursos occidentales del género. Bogotá, Colombia: Editora En la frontera, 2017.

MUNDO INDÍGENA #1 - A Terra uma só e Cantos dos animais primordiais. Entrevistados Timóteo Popygua e Izaque João. Junho de 2022. Disponível em: https://open.spotify.com/episode/09ENP9LCRQdR0eYUV3GLIh?si=dXV7K-X0RyWpXpeZc1pNeg&nd=1 Acesso em 26 dez. 2023.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Ed.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (Clacso), 2005. p. 1-27.

RIBEIRO, Luis; CARDOSO, Cristina; SILVA, Sandra. Coronavírus, aprisionamento e saúde indígena: a invisibilidade do etno-genocídio de estado. Revista Confluências, Niterói, v. 22, n. 2, p. 311-334, 2020.

SADDI, João. Genocídio, etnocídio e ecocídio: reflexões sobre as violações de direitos aos povos tradicionais na Amazônia: Relatório. [Rio de Janeiro]: Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (NIMA): PUC-Rio, 2019. p. 1-6.

SANTOS, Antonio Bispo dos. Colonização, quilombos, modos e significados. Brasília, DF: INCTI/UnB, 2015. 78 p.

SILVA, Verá Tupã Popygua Timóteo da. Depoimento: Verá Tupã Popygua Timóteo da Silva. Revista Continente, [s. l.], v. 1, n. 1, p. 1-3, abr. 2017.

SILVA, Marco Antonio Oliveira da. Kyre´Ymba: guerreiro guardião do povo Guarani Mbya. 39 p. 2015. TCC (Licenciatura Intercultural Indígena do Sul da Mata Atlântica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2020.

VERON, Marcos. Frase citada por Valdelice Veron. Disponível em: https://www.instagram.com/p/Cei4p1_um_w/?igshid=YmMyMTA2M2Y%3D Acesso em 26 dez. 2023.

VERON, Valdelice. Tekombo’e Kunhakoty: modo de viver da mulher kaiowa. 42 p. 2018. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – UnB, Brasília, DF, 2018.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Sobre a noção de etnocídio, com especial atenção ao caso brasileiro. [S.L.: s.n.]2014.

WEINTRAUB, Abraham. “Weintraub: Odeio o termo "povos indígenas"; Quer, quer. Não quer, sai de ré”. Matéria de autoria de Allan Simon. Acesso em 26 dez. de 2023. Disponível em https://noticias.uol.com.br/politica/ultimas-noticias/2020/05/22/weintraub-odeio-o-termo-povos-indigenas-quer-quer-nao-quer-sai-de-re.htm

WITTIMANN, Luisa Tombini. O vapor e o botoque: imigrantes alemães e índios Xokleng no Vale do Itajaí/SC (1850-1926). Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2007. 268 p.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

NÚÑEZ, Geni. Perspectivas guarani sobre binarismos da colonização: caminhos para além das monoculturas. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 15, n. 40, p. e0101, 2023. DOI: 10.5965/2175180315402023e0101. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180315402023e0101. Acesso em: 1 mar. 2024.