Pode a mulher artista falar? A experiência de Helena Almeida a partir da série Ouve-me (1978-80)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622502021197

Palavras-chave:

feminismo, Helena Almeida, gênero

Resumo

O artigo tem como objetivo, a partir de uma reflexão teórica que aproxima feminismo e marxismo, o estudo de alguns trabalhos da série “Ouve-me”, da artista portuguesa Helena Almeida (1934-2018). Para tanto, as categorias analíticas de género (LAURETIS, 1987), ideologia (HADJINICOLAOU, 1980) e experiência (SPIVAK, 2010) são mobilizadas na análise dos caminhos percorrido pela artista, durante as décadas de 60 e 70. Através de sua prática artística, em que o corpo é elemento chave, observa, pensa, regista e critica o meio social e cultural ao qual esteve inserida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Rozane A. F. Araújo, Universidade de Coimbra, Portugal

Mestre em História pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP. Doutoranda em Arte Contemporânea na Universidade de Coimbra, Portugal.

Referências

ALMEIDA, Helena. [Entrevista concedida a] Helena Vasconcelos. Storm Magazine, 23 jun. 2008. Disponível em: http://gfilomenasoares.com/Content/Files/Noticias/Press_ antigo/8_Storm_Maga zine.pdf. Acesso em: 30 jan. 2020.

ALMEIDA, Helena. Ouve-me. In: CENTRO DE ARTE MODERNA GULBENKIAN. Lisboa: Centro De Arte Moderna Gulbenkian, [20--]. Disponível em: https://gulbenkian.pt /cam/works_cam/ouve-me-145250/. Acesso em: 01 out. 2020.

ALMEIDA, Marta Moreira de; Ribas, João. Helena Almeida: a minha obra é o meu corpo, o meu corpo é a minha obra. Porto: Fundação de Serralves; Paris: Jeu de Paume, Bruxelas: WIELS, 2015.

ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1987. v. 1.

BOURDIEU, Pierre. A Economia das Trocas Simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2013.

GOMES, Filipa; RODRIGUES, Cristiana; MENDONÇA, Ricardo. Helena Almeida: Era uma vez uma mulher sem sombra que encontrou uma. Monografia. Faculdade de Belas Artes: Universidade de Lisboa, 2006.

GUIMARÃES, Patrícia. Sistemas de Arte e o lugar da História. In: ENCONTRO NACIONAL ANPAP, 22., 2013, Belém. Anais [...]. Belém: Ecossistemas Estéticos, 2013. p. 2033-2041.

HADJINICOLAOU, Nicos. Historia del arte y lucha de clases. Madri: Siglo Veintiuno Editores, 1980.

LAURETIS, Tereza de. A tecnologia do gênero. Indiana: Indiana University Press, 1987.

MARX, Karl; ENGELS, Friederich. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: LP&M Editora, 2001.

MIRA, Rita. Helena Almeida: a minha obra é o meu corpo, o meu corpo é a minha obra. In: FACES DE EVA: estudos sobre a mulher. Lisboa, n. 35, 2012. p. 221-224.

MORAIS, Paula. Portugal sob a égide da ditadura: o rosto metamorfoseado das palavras. Lisboa: Chiado Editora, 2014.

NOCHLIN, Linda. Por que não houve grandes mulheres artistas? São Paulo: Edições Aurora, 2016.

OLIVEIRA, Márcia. Arte e feminismo em Portugal no contexto pós-revolucionário. Ribeirão: Edições Húmus, 2015.

POLLOCK, Griselda. Vision and difference: feminism, femininity and histories of art. London: Routledge Classic Editions, 2008.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

WOOLF, Virgínia. Um teto todo seu. São Paulo: Tordesilhas, 2014.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

ARAÚJO, V. R. A. F. . Pode a mulher artista falar? A experiência de Helena Almeida a partir da série Ouve-me (1978-80). PerCursos, Florianópolis, v. 22, n. 50, p. 197 - 214, 2021. DOI: 10.5965/1984724622502021197. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/19862. Acesso em: 15 ago. 2022.