A identidade do performer musical: marcas e possibilidades de desclassificação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622502021065

Palavras-chave:

performance musical, desclassificação, identidade, pesquisa artística

Resumo

A performance musical aparece como um âmbito bastante classificado - dentro da concepção do termo cunhada por Gutiérrez (2007) - e, por consequência, colonizado, o que acaba por refletir na própria identidade do performer musical e em suas práticas artísticas. Assim, este artigo tem como objetivo analisar tal identidade para, a partir desta compreensão, estabelecer algumas possíveis rotas de fuga em direção a práticas musicais mais plurais. A metodologia deste trabalho consiste em inicialmente analisar a identidade performática sob a luz dos conceitos de desclassificação, classificação e identidade de Gutiérrez (2007, 2009, 2020), em diálogo com a literatura específica da área musical. A escolha deste referencial em específico se deve ao seu potencial em abrir para aquilo que se entende como o pluralismo lógico e que se estabelece na contramão do consenso e do conhecimento hegemônico. Ademais, este arcabouço teórico foi anteriormente aplicado de maneira eficiente no âmbito musical do jazz por Mendes (2016), contribuindo de maneira significativa para as reflexões na área. A partir desta proposição de análise, observação e identificação das marcas identitárias e territoriais que configuram o performer musical, são apresentadas duas estratégias de desclassificação: o uso do oxímoro e da polissemia. Tal processo desclassificatório é, sobretudo, um processo emancipatório e decolonial, e que tem o intuito de criar possibilidade para práticas musicais plurais e não hegemônicas, nas quais as narrativas artísticas ausentes possam emergir. Por fim, a aplicação prática destas estratégias é exemplificada através da descrição de um projeto de pesquisa artística em andamento intitulado “Aos olhos da areia”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bibiana Bragagnolo, Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT

Doutora em Música pela Universidade Federal da Paraíba–UFPB. Professora da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT.

Referências

AGAWU, Kofi. Tonality as a colonizing force in Africa. In: RADANO, Ronald; OLANIYAN, Tejumola (org.). Audible empire: music, global politics, critique. Londres: Duke University Press, 2016. p. 334-355.

ASSIS, Paulo de. Logic of experimentation: rethinking music performance through artistic research. Ghent: Orpheus Institute, 2018.

BORGDORFF, Henk. The conflict of the faculties: perspectives on artistic research and academia. Leiden: Leiden University Press, 2012.

BRAGAGNOLO, Bibiana; SANCHEZ, Leonardo Pellegrim; SANTANA, Ana Caroline Rodrigues; SANTOS, Lívia Mariana dos. Pesquisa artística no Brasil: um mapeamento. In: SANTOS, Rita de Cássia Domingues; CARNEIRO, Maristela; ROSSETTI, Danilo (orgs.). Pesquisa em Arte, Mídia e Tecnologias: textos selecionados. Rio Branco: Stricto Sensu Editora, 2021, p. 51-60.

BRAGAGNOLO, Bibiana. Práticas de desclassificação na performance musical: perspectivas emancipatórias para a Pesquisa Artı́stica. Revista Vórtex, Curitiba, v.9, n.1, p. 1-24, 2021.

BRAGAGNOLO, Bibiana. A inclusão da performance na análise musical: uma perspectiva a partir da construção da sonoridade em peças para piano. 2019. 308 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019.

CHIANTORE, Luca. Retos y oportunidades en la investigación artística en música clássica. Quodlibet, Rioja n. 74, p. 55-86, 2020a.

CHIANTORE, Luca. Prólogo: La música de la desclassificación. In: GUTIÉRREZ, Antonio García. A ojos de la arena: Ejercicios de desclasificación. Madrid: ACCI ediciones, 2020b. p. 11-22.

CHIANTORE, Luca. Undisciplining music: Artistic research and historiographic activism. ÍMPAR, Aveiro, v. 1, n. 17, p. 3-21, 2017.

COLEGIADO DO INSTITUTO VILLA-LOBOS. Nota do Colegiado do Instituto Villa-Lobos sobre racismo estrutural e eurocentrismo em seus Cursos. Rio de Janeiro, fev. 2021. Disponível em: http://www.unirio.br/cla/ivl/news/nota-do-colegiado-do-instituto-villa-lobos-sobre-racismo-estrutural-e-eurocentrismo-em-seus-cursos?fbclid=IwAR2OYJpcBiQfmlPYMyKoXIW2I8nwCc_hdURGx9DPlGdBD6wz9z06hSROdMQ. Acesso em: 25 fev. 2021.

CORREIA, Jorge; DALAGNA, Gilvano. Cahiers of Artistic Research 3. Aveiro: UA Editora, 2020.

CORREIA, Jorge; DALAGNA, Gilvano. Cahiers of Artistic Research 2. Aveiro: UA Editora, 2019.

COBUSSEN, Marcel. Deconstruction in Music. 2002. Thesis (Doctorate in Art and Culture Studies) – Erasmus University Rotterdam, Netherlands, 2002. Disponível em: http://www.deconstruction-in-music.com/navbar/index.html. Acesso em: 15 set. 2018.

COESSENS, Kathleen; CRISPIN, Darla; DOUGLAS, Anne. The artistic turn: a manifesto. Ghent: Leuven University Press, 2009.

CORREIA, Jorge; DALAGNA, Gilvano; BENETTI, Alfonso; Francisco, MONTEIRO. Cahiers of Artistic Research 1. Aveiro: UA Editora, 2018.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1995.

DOMENICI, Catarina. O Intérprete (re)situado: uma reflexão sobre construção de sentido e técnica na criação de “Intervenções para Piano Expandido, Interfaces e Imagens – Centenário John Cage”. Revista Música Hodie, Goiânia, v. 12, n.2, p. 171-187, 2012a.

DOGANTAN-DACK, Mine (ed.). Artistic practice as research in music: theory, criticism, practice. Farnham: Ashgate, 2015.

DOMENICI, Catarina. His master’s voice: a voz do poder e o poder da voz. Revista do Conservatório de Música da UFPel, Pelotas, n. 5, p. 65-97, 2012b.

ESPIRIDIÃO, Neide. Educação profissional: reflexões sobre o currículo e a prática pedagógica dos conservatórios. Revista da ABEM, Porto Alegre, n. 7, p. 69-74, 2002.

GIL, Susana Castro; ASSIS, Ana Cláudia de. Pesquisa artística como espacio de decolonización de la producción de conocimiento musical. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA, 29., 2019, Pelotas. Anais [...]. Pelotas: [s.n.], 2019. p. 1-8.

GOEHR, Lydia. The imaginary museum of musical works: an essay on the philosophy of music. Oxford, England: Clarendon Press, 1992.

GUTIÉRREZ, Antonio García. A ojos de la arena: ejercicios de desclasificación. Madrid: ACCI ediciones, 2020.

GUTIÉRREZ, Antonio García. Declassifying knowledge organization. Knowledge organization, v. 41 (5), p. 393-409, 2014.

GUTIÉRREZ, Antonio García. La organización del conocimiento desde la perspectiva poscolonial. itinerarios de la paraconsistencia. Perspectivas em Ciência da Informação. V.18, n.4, p. 93-111 2013.

GUTIÉRREZ, Antonio García. La identidade excessiva. Madrid: Biblioteca Nueva, 2009.

GUTIÉRREZ, Antonio García. Desclassificados: pluralismo lógico y violencia de la classificacion. Barcelona: Anthropos, 2007.

GREEN, Lucy. Música, género y educación. Madrid: Ediciones Morata, 2001.

GREEN, L. Music on deaf ears: Musical meaning, ideology and education. Manchester: Manchester University Press, 1988.

GROUT, Donald J.; PALISCA, Claude V. História da Música Ocidental. Lisboa: Gradiva, 2007.

LEECH-WILKINSON, Daniel. Classical music as enforced Utopia. Arts & Humanities in Higher Education, V. 15, p. 325-336, 2016.

LEECH-WILKINSON, Daniel. Compositions, scores, performances, meanings. Journal of

the Society for Music Theory, [s.l.], v. 18, n. 1, p. 1-17, 2012.

LÓPEZ-CANO, Rubén. La investigación artística en música en Latinoamérica. Quodlibet, Alcalá, n. 74, p. 139-167, 2020.

LÓPEZ-CANO, Rubén; SAN CRISTÓBAL, Úrsula. Investigación artística en música: cuatro escenas y un modelo para la investigación formativa. Quodlibet, Alcalá, n. 74, p. 87-116, 2020.

MENDES, Miguel Soares Braz. Jazz desclassificado: reflexões para a construção de narrativas musicais emancipatórias. 2016. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade de Aveiro, 2016.

PENNA, Maura; SOBREIRA, Silvia. A formação universitária do músico: a persistência do modelo de ensino conservatorial. Revista Opus, Porto Alegre, v. 26, n. 3, p. 1-25, 2020.

PEREIRA, Marcus Vinícius Medeiros. Licenciatura em música e habitus conservatorial: analisando o currículo. Revista da ABEM, Londrina, v. 22, n. 32, p. 91-103, 2014.

PEREIRA, Marcus Vinícius Medeiros. Ensino superior e as licenciaturas em música: um retrato do habitus conservatorial nos documentos curriculares. 2012. 279f. Tese (Doutorado em Educação) – Campo Grande, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, 2012.

SCHERCHNER, Richard. Performed imaginaries. New York: Routledge, 2015.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do sul. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 63, p. 237-280, 2002.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

BRAGAGNOLO, B. A identidade do performer musical: marcas e possibilidades de desclassificação. PerCursos, Florianópolis, v. 22, n. 50, p. 065 - 090, 2021. DOI: 10.5965/1984724622502021065. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/19856. Acesso em: 15 ago. 2022.