De(s)colonial artístico como potencialidade de recriação de mundos: lugares de re-existir e re-pensar a si

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622502021043

Palavras-chave:

artistas, arte, decolonialidade, práxis de re-existência, criatividade

Resumo

Este ensaio teórico tem como objetivo versar sobre a arte e o/a artista com base nas contribuições de intelectuais latino-americanos e promover uma análise dessas contribuições junto a categoria da práxis de re-existência. Ao tecer reflexões de(s)coloniais dentro deste assunto, estes autores ampliam as possibilidades de compreensão sobre o sujeito artista e a arte a partir da América Latina. São eles: o antropólogo, pintor e investigador afro-colombiano Adolfo Albán Achinte; o historiador literário brasileiro Alfredo Bosi; e o filósofo argentino Enrique Dussel. Nas reflexões apresentadas sobre o fazer artístico reconhecemos suas possibilidades de resistência aos domínios do padrão de poder moderno-colonial, e os/as artistas como sujeitos que têm condições de contribuir nas transformações buscadas na de(s)colonialidade. Destacamos características como a inteligência criativa, a reflexão crítica, a relação com o tempo e a capacidade de expressão de si e de seu entorno, que se apresentam como ferramentas para a re-criação de lógicas outras de ser e estar no mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gisele Cristina Voss, Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR

Mestre em Desenvolvimento Regional pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná -UTFPR. Psicóloga do trabalho na Universidade Tecnológica Federal do Paraná – UTFPR.

Franciele Clara Peloso, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos - UFSCar. Professora do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR.

Referências

ALBÁN ACHINTE, Adolfo. Artistas indígenas y afrocolombianos: entre las memorias y las cosmovisiones: estéticas de la re-existencia. In: PALERMO, Zulma. (org.). Arte y estética en la encrucijada descolonial. Buenos Aires: Del Signo, 2009. p. 83-112.

ALBÁN ACHINTE, Adolfo. Pedagogías de la re-existencia: artistas indígenas y afrocolombianos. In: WALSH, Catherine. Pedagogías decoloniais: practicas insurgentes de resistir, (re) existir y (re) vivir. Quito: Ediciones Abya-Yala, 2013. Tomo I. p. 443-468.

ALBÁN ACHINTE, ADOLFO. Prácticas creativas de re-existencia: más allá del arte… el mundo de lo sensible. 1. ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2017.

BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. 2. ed. São Paulo: Ática, 1986.

BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

BOSI, Alfredo. Entrevista com Alfredo Bosi. Metamorfoses - Revista de Estudos Literários Luso-Afro-Brasileiros, Rio de Janeiro: UFRJ, v. 8, p. 280-293, 2007. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/metamorfoses/article/viewFile/21773/12117. Acesso em: 25 abr. 2020.

CAMNITZER, Luis. O artista, o cientista e o mágico. Mediação artística. Revista Humboldt Digital, São Paulo: Goethe Institut, v. 104 p. 45-47, dez. 2011. Disponível em: http://www.goethe.de/wis/bib/prj/hmb/the/156/pt8622845.htm. Acesso em: 20 mar. 2020.

DUSSEL, Enrique. Oito ensaios sobre cultura latino-americana e libertação (1965-1991). São Paulo: Paulinas, 1997.

DUSSEL, Enrique. Filosofia de la liberación. Bogotá: Editorial Nueva América, 1996.

FANON, Frantz. Piel negra, mascaras blancas. Buenos Aires: Schapire Editor S.R.L, 1974.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 69. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2019.

GÓMEZ, Pedro Pablo. Decolonialidad estética: geopolíticas del sentir el pensar y el hacer Revista GEARTE, Porto Alegre, v. 6, n. 2, p. 369-389, maio/ago. 2019. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/gearte/article/view/92910/53219. Acesso em: 17 nov. 2020.

LANDER, Edgardo (org.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales, perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2000.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, Santiago; GROSFOGUEL, Ramón (orgs.). El Giro Decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Siglo del Hombre Editore: Universidad Central: Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos: Pontificia Universidad Javeriana: Instituto Pensar, 2007. p. 127-166.

MASP. Museu de Artes de São Paulo Assis Chateubriand. História indígenas. [São Paulo], jul. 2020. Disponível em: https://masp.org.br/seminarios/historias-indigenas-2020. Acesso em: 20 fev. 2021.

MIGNOLO, Walter D. Novas reflexões sobre a ideia de América Latina: a direita, a esquerda e a opção descolonial. Cad. CRH, Salvador, v. 21, n. 53, p. 237-250, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-49792008000200004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 27 fev. 2020.

MIGNOLO, Walter D. Aiesthesis decolonial. CALLE14: Revista de investigación en el campo del arte, Bogotá, v. 4, n. 4, p. 10-25, jan./jun. 2010. Disponível em: https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/c14/article/view/12. Acesso em: 01 jul. 2019.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. RBCS. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 32, n. 94, p. 1-18, jun. 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092017000200507&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 05 jul. 2019.

PALERMO, Zulma (org.). Arte y estética en la encrucijada descolonial. Buenos Aires: Del Signo, 2009.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidad-racionalidad. In: BONILLO, Heraclio (comp.). Losconquistados. Bogotá: Tercer Mundo Ediciones: FLACSO, 1992. p.11-20.Disponível em: https://www.lavaca.org/wp-content/uploads/2016/04/quijano.pdf. Acesso em: 10 fev. 2020.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos Rumos, Marília, Ano 17, n. 37, p. 4-28, 2002. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/novosrumos/article/view/2192/1812. Acesso em: 20 fev. 2020.

QUINTERO, Pablo; FIGUEIRA, Patricia; ELIZALDE, Paz Concha. Uma breve história dos estudos decoloniais: n. 3. São Paulo: MASP Afterall, 2019. Disponível em: https://masp.org.br/uploads/temp/temp-6b4An9oil56DP0KVnRBC.pdf. Acesso em: 15 jun. 2019.

SZURMUK, Mónica; IRWIN, Robert Mckee (coords.). Diccionario de estudios culturales latinoamericanos. México: Siglo XXI Editores, 2009.

VÁZQUEZ, Rolando; BARRERA Contreras, Miriam. Aesthesis decolonial y los tiempos relacionales: entrevista a Rolando Vázquez. Calle 14 Revista De investigación En El Campo Del Arte, Bogotá: v. 11, n. 18, p. 76-93, 2016. Disponível em: https://revistas.udistrital.edu.co/index.php/c14/article/view/10917. Acesso em: 10 jul. 2019.

WALSH, Catherine (org.). Pensamiento crítico y matriz (de)colonial: reflexiones latinoamericanas. Equador: Ediciones Abya Yala, 2005.

WALSH, Catherine. Pedagogías decoloniais: practicas insurgentes de resistir, (re)existir y (re)vivir. Quito: Ediciones Abya-Yala, 2013. Tomo I.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

VOSS, G. C.; PELOSO, F. C. De(s)colonial artístico como potencialidade de recriação de mundos: lugares de re-existir e re-pensar a si. PerCursos, Florianópolis, v. 22, n. 50, p. 043 - 064, 2021. DOI: 10.5965/1984724622502021043. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/19702. Acesso em: 15 ago. 2022.