Estruturas de governança, desenvolvimento sustentável territorial e desigualdade regional ente 2002 e 2014

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622502021348

Palavras-chave:

atores, instituições, legitimidade, inércia institucional

Resumo

Este trabalho expõe os dados referentes ao PIB e ao PIB per capita coletados pela pesquisa “Governança territorial no Brasil: especificidades institucionais, lógicas espaciais e políticas de desenvolvimento”.  Tais dados indicam desigualdade durante o período estudado (2002 – 2014) e motivam a questão básica que guia o presente trabalho: a desigualdade dificulta a participação no âmbito das estruturas de governança? Assim, supondo que a função básica das estruturas de governança é incentivar a cooperação e a participação através do encaminhamento dos conflitos, a hipótese para a questão posta pode ser expressa pela seguinte afirmação: a desigualdade contribui para a inércia institucional e para a estabilidade presente nas relações entre atores, dificultando a cooperação, a participação e o desenvolvimento sustentável territorial. Nesse caso, o funcionamento das estruturas de governança pode ser descrito mais pela inércia e menos pela mudança institucional. Os resultados gerais da pesquisa na qual esse trabalho se apoia indicam que a cooperação e a participação são truncadas, reforçando a interpretação proposta. O método para a análise dos dados e o desenvolvimento da hipótese foram feitos a partir de um modelo simplificado da realidade, o jogo, formado pelos conceitos de atores e instituições.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wilson Bento Figueiredo Filho, Academia da Força Aérea - AFA

Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista – UNESP – campus Rio Claro. Professor da Academia da Força Aérea – AFA.

Referências

ALENCASTRO, Luiz F. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ARAÚJO, Tânia B. Por uma política nacional de desenvolvimento regional. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 30, n. 2, p. 144-161, abr.-jun. 1999. Disponível em: https://www.bnb.gov.br/projwebre/Exec/artigoRenPDF.aspx?cdartigoren=143. Acesso em: 16 nov. 2017.

BECK, Ulrich. Liberdade ou capitalismo: Ulrich Beck conversa com Johannes Willms. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

BENKO, Georges. A recomposição dos espaços. Interações, Campo Grande, v.1, n. 2, p. 7-14, mar. 2001. Disponível em: http://www.interacoes.ucdb.br/article/view/592/627. Acesso em: 13 dez. 2017.

BENKO, Georges; PECQUEUR, Bernard. Os recursos de territórios e os territórios de recursos. Geosul, Florianópolis, v. 16, n. 32, p. 31-50, jul./dez. de 2001.

BUCKLEY, Walter. A sociologia e a moderna teoria dos sistemas. São Paulo: Cultrix; Editora da USP, 1971.

CARDOSO, Fernando H. As ideias e seu lugar. Petrópolis: Vozes, 1993.

CROZIER, Michel; FRIEDBERG, Erhard. El actor y el sistema: las restricciones de la acción colectiva. México, D.F: Editorial Patria; Alianza Editorial Mexicana, 1990. Disponível em: https: //pt.scribd.com/document/251440542/Crozier-y-Friedberg-El Actor-y-el-Sistema-Las- restricciones-de-la-accion-colectiva. Acesso em: 28 jun. 2016. E-book.

DAVID, Paul A. Path dependence in economic process: implications for policy analysis in dynamical system contexts. In: Dopfer, Kurt. The Evolutionary Foundations of Economics. Cambridge: Cambridge University Press, 2005. p 149-194. Disponível em: http://www.cambridge.org. Acesso em: 17 mar. 2016.

DOUGLAS, Mary. Como as instituições pensam. São Paulo: Editora Universidade de São Paulo, 1998.

FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no Brasil. São Paulo: Globo, 2005.

FIGUEIREDO FILHO, Wilson B. Estruturas de governança regionais, desenvolvimento

sustentável e legitimidade: notas para a construção de um esquema de referência.

Revista de desenvolvimento econômico – Universidade de Salvador, Salvador, v. 14, n. 26, p. 136-144, dez. 2012. Disponível em: http://www.revistas.unifacs.br/index.php/rde/article/view/2299/1782. Acesso em: 25 jan. de 2013.

FIGUEIREDO FILHO, Wilson B. Estruturas de governança, cooperação e legitimidade na

construção do desenvolvimento regional no interior do estado de São Paulo: algumas notas preliminares. Redes, Santa Cruz do Sul, v. 20, n. 1, p. 52-68, jan./abr. 2015. Disponível em: http://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/4133/pdf_18. Acesso em: 28 mai. 2015.

FIGUEIREDO FILHO, Wilson B. Algumas estruturas de governança no interior da Bahia, de Minas Gerais e de São Paulo: mais inércia institucional e menos modernização política entre 2002 e 2014. Redes, Santa Cruz do Sul, v. 25, n. 3, p. 1009-1031, set. 2020. Disponível em: http://online.unisc.br/seer/index.php/redes/article/view/15161. Acesso em: 01 set. 2021.

FLIGSTEIN, Neil. Habilidade social e teoria dos campos. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 47, n. 2, p. 61-80, abr./jun. 2007.

GOLDENSTEIN, Léa; SEABRA, Manoel. Divisão territorial do trabalho e nova regionalização. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v.1, p. 21-47, 1982.

HADDAD, Paulo R. A concepção de desenvolvimento regional. In: HADDAD, Paulo R. et al. (org.). A competitividade do agronegócio e o desenvolvimento regional no Brasil: estudo de cluster. Brasília: CNPq: Embrapa, 1999. p. 9-22.

HODGSON, Geoffrey M. What Are Institutions? Journal of Economic Issues, [Abington], v. XL, n. 1, p. 1-25, Mar. 2006. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/ 207258327/What_Are_Institutions. Acesso em: 23 nov. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Banco de dados. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: https://ibge.gov.br/. Acesso em: 02 fev. 2017.

MARQUES, Eduardo C. Redes sociais e poder no Estado brasileiro. Aprendizado a partir das políticas urbanas. RBCS, São Paulo, nº. 60, p. 15-41, fev. 2006.

MARTONE, Celso L. Instituições, Setor Público e Desenvolvimento: O Caso do Brasil. Texto para discussão FIPE, São Paulo, n. 9, 2007. Disponível em: https://www.fipe.org.br/Content/downloads/publicacoes/textos/texto_09_2007.pdf. Acesso em: 07 jul. 2020.

MÜLLER, Geraldo. Desenvolvimento sustentável: notas para a elaboração de um esquema de referência. In: BECKER, D.F (0rg). Desenvolvimento sustentável: necessidade e/ou possibilidade. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2001. p. 117-138.

NORTH, Douglass C. Instituciones, cambio institucional y desempeño econômico. México D.F.: Fondo de Cultura Econômica, 1993.

PIRES, Elson L. (coord.); ÁVILA, Heleni D. D.; BRITO, Cristóvão C. T.; CAFFÉ, Antônio R.D; CASTRO, Bernadete.; FIGUEIREDO FILHO, Wilson B.; FUINI, Lucas L.; MAURO, Antônio C.; MENDES, Eugênio L.; NASCIMENTO, Jucileide F.; PERTILE, Noeli; RIBEIRO, José R.; ROSOLEN, Vânia S.; TOPPAN, Ricardo; VERDI, Adriana R. Governança territorial no Brasil: especificidades institucionais, lógicas espaciais e políticas de desenvolvimento: Projeto de pesquisa, FAPESP (processo 2015 / 25136-8). São Paulo: FAPESP, 2015.

PIRES, Elson L. (coord.); ÁVILA, Heleni D. D.; BRITO, Cristóvão C. T.; CAFFÉ, Antônio R.D; CASTRO, Bernadete.; FIGUEIREDO FILHO, Wilson B.; FUINI, Lucas L.; MAURO, Antônio C.; MENDES, Eugênio L.; NASCIMENTO, Jucileide F.; PERTILE, Noeli; RIBEIRO, José R.; ROSOLEN, Vânia S.; TOPPAN, Ricardo; VERDI, Adriana R. Governança territorial no Brasil: especificidades institucionais, lógicas espaciais e políticas de desenvolvimento. Relatório Final de Pesquisa, FAPESP (processo 2015 / 25136-8). São Paulo: FAPESP, 2018.

VEBLEN, Thorstein. A teoria da classe ociosa: um estudo econômico das instituições. 2 Ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

FIGUEIREDO FILHO, W. B. Estruturas de governança, desenvolvimento sustentável territorial e desigualdade regional ente 2002 e 2014. PerCursos, Florianópolis, v. 22, n. 50, p. 380 - 407, 2021. DOI: 10.5965/1984724622502021348. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/19087. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua