Identidade feminina e espaço no conto A Velha, de Marília Arnaud

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724621472020153

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar as construções de sentido decorrentes da relação espaço/personagem no conto A velha, de Marília Arnaud, investigando como a prostituta da narrativa vivencia a força dos referenciais simbólicos ligados ao corpo e à cultura, cujas formas de atuação interferem de modo decisivo na trajetória da protagonista em sociedade. Para tanto, utiliza-se como base a Topoanálise, termo inicialmente criado por Bachelard (2000) para indicar os estudos dos valores que compõem a interioridade do sujeito da construção literária. Posteriormente, esse método assumiu maior abrangência através dos estudos de Borges Filho (2007), passando a compreender as diversas relações estabelecidas entre a personagem e os elementos e sujeitos outros circundantes, evidenciando: percepções, sentimentos, afetos, relações sociais e culturais dentro do intrincado da estrutura narrativa. Como embasamento teórico, utilizamos, além dos autores já citados, Osman Lins (1976), Chevalier e Gheerbrandt (2012). Vale salientar que o corpo enquanto materialidade das vivências sociais e psíquicas pode ser considerado espaço sensível e fundamental para acompanhar o sujeito e suas relações espaciais. Fica evidente, portanto, que essa narrativa aborda a complexa relação entre espaço e identidade da mulher idosa e ratifica a condição histórica e social do corpo feminino nos espaços que o abarcam. Além disso, observa-se que a interpretação da tessitura narrativa a partir da metodologia citada auxilia na percepção mais profunda da potencialidade estética do conto.

Palavras-chave: Literatura Contemporânea. Espaço. Identidade. Arnaud, Marília. 

Biografia do Autor

Risonelha Sousa Lins , Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - IFPB

Doutora em Letras na Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN. Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba - Campus Sousa.

Referências

ARNAUD, Marília. A velha. In: ARNAUD, Marília. A menina de Cipango. João Pessoa: A União, 1994.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 2000. (Coleção tópicos).

BEAUVOIR, Simone de. A velhice. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990.

BÍBLIA, N. T. João. In: BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada: Antigo e Novo Testamentos. Tradução de João Ferreira de Almeida. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2008. p. 1400-1401.

BORGES FILHO, Ozíris. Espaço & literatura: introdução a uma topoanálise. Franca: Ribeirão Gráfica e Editora, 2007.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CANDAU, Joël. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2011.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. 3. ed. Petrópolis: Editora Vozes,1998.

CHAUÍ, Marilena. Participando do debate sobre mulher e violência. In: CHAUÍ, Marilena. Perspectivas antropológicas da mulher. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. 26. ed. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 2012.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolies: Editora Vozes, 1987.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 26. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2008.

GROSZ, Elizabeth. Corpos reconfigurados. Cadernos Pagu, Campinas, n. 14, p. 45-86, 1 jun. 2015.

GROSZ, Elizabeth. Corpos-cidades. In: GÊNERO CULTURAL, VISUAL E PERFORMANCE: antologia crítica. Ribeirão: [s.n.], 2011. p. 89-100. Disponível em: https:// repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/23585/1/ Genero%20Cultura%Visual%20Performance.pdf . Acesso em: 17 de novembro de 2020.

LIMA, Susana M. A obscenidade da velhice feminina: rompimento do olhar na literatura. In:

SILVA, Cristiani Bereta da; Silva; ASSIS, Gláucia de Oliveira; Assis; KAMITA, Rosana C. Kamita. (org.). Gênero em movimento: novos olhares muitos lugares. Florianópolis: Editora Mulheres, 2007. p. 99-109.

LINS, Osman. Lima Barreto e o espaço romanesco. São Paulo: Ática, 1976.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

POLLOCK, Griselda. Inscriptions in the Feminine. In: DE ZEGHER, Catherine (dir.). Inside the visible, an elliptical traverse of the 20th century art. London: MIT Press, 1996.

ROBERTS, Nickie. As prostitutas na história. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2009.

SCHMIDT, Rita Terezinha. Para além do dualismo natureza/cultura: ficções do corpo feminino. Organon- Revista do Instituto de Letras da UFRS, Porto Alegre, v.27, n.52, 2012.Disponível em: https://seer.ufrgs.br/organon/article/view/33480. Acesso em: 17 nov. 2020.

SILVA, Ana Márcia; SOARES, Carmem Lúcia; ASSMAN, Selvino. A valorização do corpo e as falácias de um novo arquétipo da felicidade humana. In: ESTUDOS INTERDISCIPLINARES EM CIÊNCIAS HUMANAS. Florianópolis: Cidade Futura, 2003.

Downloads

Publicado

2021-01-28

Como Citar

Sousa Lins , R. (2021). Identidade feminina e espaço no conto A Velha, de Marília Arnaud. PerCursos, 21(47), 153 - 170. https://doi.org/10.5965/1984724621472020153

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua