José Rebello da Silva: pioneiro do violão brasileiro e das marchas do Ameno Resedá

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530408022023e0209

Palavras-chave:

José Rebello da Silva, José Cavaquinho, Ameno Resedá, Yvonne Rebello, violão brasileiro

Resumo

José Rebello da Silva (1884-1951), também conhecido como José (ou Zé) Cavaquinho, teve uma atuação multifacetada na cena musical carioca da primeira metade do século XX, como violonista, cavaquinista, flautista, compositor, professor e regente, além de ter sido um dos membros fundadores e diretor de harmonia do rancho carnavalesco Ameno Resedá. Apesar do reconhecimento em vida por parte da imprensa e de seus pares, seu nome acabou sendo relegado ao esquecimento, assim como os de inúmeros outros personagens, deixando lacunas consideráveis na historiografia da música brasileira. A partir de fontes bibliográficas, partituras e informações provenientes de jornais e revistas da época, o presente artigo tem como objetivo resgatar a história de José Rebello, buscando preservar sua memória e colocar seu nome novamente em evidência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciano Lima, University of the State of Paraná

Violonista, pesquisador e professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) no Campus de Curitiba II e no Programa de Pós-Graduação em Música da UNESPAR. Doutor (D. Mus.) pela Université de Montréal (Canadá), mestre pela McGill University (Canadá) e bacharel em violão pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná.

Referências

A CAPITAL. Rio de Janeiro, p. 4, 1 jan. 1909.

A IMPRENSA. Rio de Janeiro, p. 4, 26 jan. 1914.

A NOITE. Rio de Janeiro, p. 6, 28 jun. 1928.

ALMANAK LAEMMERT. Rio de Janeiro: Oficinas Tipográficas de Almanak Laemmert, 1903.

ALMANAK LAEMMERT. Rio de Janeiro: Oficinas Tipográficas de Almanak Laemmert, 1913.

ALMANAK LAEMMERT. Rio de Janeiro: Oficinas Tipográficas de Almanak Laemmert, 1914.

ALMANAK LAEMMERT. Rio de Janeiro: Oficinas Tipográficas de Almanak Laemmert, 1915.

ALMANAK LAEMMERT. Rio de Janeiro: Oficinas Tipográficas de Almanak Laemmert, 1916.

ALMANAK LAEMMERT. Rio de Janeiro: Oficinas Tipográficas de Almanak Laemmert, 1918.

ALMIRANTE. No Tempo de Noel Rosa. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

ALVAREZ, Homero. Editorial. O Violão, Rio de Janeiro, ano I, n. 4, p. 2, 1929.

AMORIM, Humberto. Alfredo Imenes: um pioneiro da música de câmara com violão no

Brasil. Revista Vórtex, Curitiba, v. 6, n. 3, p. 1-33, 2018. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/2634. Acesso em: 15 mar. 2023.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.

CABRAL, Sérgio. No Tempo de Almirante. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990.

CARETA. Rio de Janeiro, ano IV, n. 144, p. 26, 4 mar. 1911.

CASA DO CHORO. Acervo. Catálogo de partituras. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em:

https://acervo.casadochoro.com.br/Works/index. Acesso em: 15 mar. 2023.

CAVAQUINHO DE OURO. Histórico do Cavaquinho de Ouro e o Ressurgimento do Violão. Rio de Janeiro: Oficinas Gráficas Heitor Ribeiro, 1928.

CAVAQUINHO, José. Quincas Laranjeiras. Coleção Almirante, MIS-RJ.

CORREIO DA MANHÃ. Rio de Janeiro, p. 3, 21 jan. 1911.

CORREIO DA MANHÃ. Rio de Janeiro, p. 14, 15 fev. 1912.

CORREIO DA MANHÃ. Rio de Janeiro, p. 8, 14 out. 1918.

CORREIO DA MANHÃ. Rio de Janeiro, p. 9, 13 fev. 1927.

CORREIO DA MANHÃ. Rio de Janeiro, p. 13, 20 fev. 1927.

CORREIO DA MANHÃ. Rio de Janeiro, p. 11, 26 jul. 1929.

CORREIO DA MANHÃ. Rio de Janeiro, p. 5, 24 maio 1932.

CORREIO DA MANHÃ. Rio de Janeiro, p. 10, 20 abr. 1954.

CORREIO DA MANHÃ. Rio de Janeiro, p. 14, 3 maio 1955.

DIÁRIO CARIOCA. Rio de Janeiro, p. 11, 8 fev. 1931.

DIÁRIO CARIOCA. Rio de Janeiro, p. 15, 16 dez. 1937.

DIÁRIO DA NOITE. São Paulo, p. 15, 21 maio 1954.

DISCOGRAFIA BRASILEIRA/IMS. Disponível em: https://discografiabrasileira.com.br/. Acesso em: 15 mar. 2023.

EFEGÊ, Jota. Ameno Resedá: o rancho que foi escola. Rio de Janeiro: Funarte, 2009.

FÁBIO, Léo. A menina do violãozinho. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 9, 13 fev. 1927.

FIGUEIREDO, Ernani de. A voz de uma autoridade sobre o Violão. O Violão, Rio de Janeiro, ano I, n. 3, p. 9, fev. 1929.

FONSECA, Gondin da. Santos Dumont. Rio de Janeiro: Vecchi, 1940.

GAZETA DE NOTÍCIAS. Rio de Janeiro, p. 6, 5 jul. 1908.

JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro, p. 7, 11 mar. 1906.

JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro, p. 7, 11 maio 1907.

JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro, p. 9, 8 fev. 1912.

JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro, p. 9, 11 jan. 1913.

JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro, p. 21, 25 jan. 1914.

JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro, p. 8, 7 fev. 1919.

JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro, p. 15, 21 out. 1933.

JORNAL DO BRASIL. Rio de Janeiro, p. 14, 13 jul. 1934.

JOSÉ CAVAQUINHO. Enciclopédia da Música Brasileira: erudita, folclórica e popular. São Paulo: Art Ed., 1977.

LEAL, José de Souza; BARBOSA, Artur Luiz. João Pernambuco: arte de um povo. Rio de Janeiro: Funarte, 1982.

LIMA, Giuliana Souza de. Almirante, “a mais alta patente do rádio”, e a construção da história da música popular brasileira (1938-1958). 176 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Departamento de História, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

LIMA, Luciano. Yvonne Rebello e Garoto: o Violão na Música de Radamés Gnattali antes da Tocata em Ritmo de Samba. Revista Vórtex, Curitiba, v. 8, n. 3, p. 1-30, 2020. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/3964. Acesso em: 15 mar. 2023.

LIVINGSTON, Tamara Elena; GARCIA, Thomas George Caracas. Choro: a social history of a Brazilian popular music. Bloomington: Indiana University Press, 2005.

LYRA, Abdon. Preludio Op. 14 n. 1. Rio de Janeiro: Casa Arthur Napoleão, 1932. Partitura. Violão.

MARIZ, Vasco. Heitor Villa-Lobos: o homem e a obra. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 2018.

MIS-RJ – MUSEU DA IMAGEM E DO SOM. Depoimentos para a Posteridade Pixinguinha. Rio de Janeiro: MIS-RJ, 22 abr. 1968.

MIS-RJ – MUSEU DA IMAGEM E DO SOM. Depoimentos para a Posteridade Napoleão de Oliveira. Rio de Janeiro: MIS-RJ, 22 ago. 1969.

MONTENEGRO, Lourival. Lourival Montenegro e sua atividade artística. A Voz do Violão, Rio de Janeiro, ano I, n. 3, p. 27, abr. 1931.

NAZARETH, Ernesto. Ameno Resedá. Partitura manuscrita, 4 p. Piano.

NEGREIROS, Jayme. João Pernambuco Morreu de Desgosto: melodia de “Luar do Sertão” é sua. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 2, 3 e 4 nov. 1957. 4o Caderno, p. 1.

O GLOBO. Rio de Janeiro, p. 5. 2 jan. 1932.

O JORNAL. Rio de Janeiro, p. 10, 25 out. 1922.

O JORNAL. Rio de Janeiro, 12 ago. 1947. Segunda Seção, p. 3.

O MALHO. Rio de Janeiro, ano IV, n. 158, p. 9, 23 set. 1905.

O MALHO. Rio de Janeiro, ano X, n. 440, p. 15, 18 fev. 1911.

O PAIZ. Rio de Janeiro, p. 2, 3 fev. 1913.

O PAIZ. Rio de Janeiro, p. 2, 15 jul. 1928.

O PAIZ. Rio de Janeiro, p. 5, 29 e 30 jul. 1929.

O RIO NÚ. Rio de Janeiro, p. 7, ago. 1907.

O SÉCULO. Rio de Janeiro, p. 2, 31 jan. 1908.

O VIOLÃO. Rio de Janeiro, ano I, n. 1, p. 10, dez. 1928.

O VIOLÃO. Rio de Janeiro, ano I, n. 2, p. 3, jan. 1929a.

O VIOLÃO. Rio de Janeiro, ano I, n. 3, p. 17-18, fev. 1929b.

OLINDA, Ruy de. Sucessos e triunfos do violão no meio artístico carioca. O que há..., Rio de Janeiro, ano I, n. 2, p. 61, 15 ago. 1929.

PINTO, Alexandre Gonçalves. O Choro: reminiscências dos chorões antigos. Rio de Janeiro: Funarte, 1978.

PRAT, Domingo. Diccionario de Guitarristas. Buenos Aires: Casa Romero y Fernandez, 1934.

SANTOS, Turíbio. Heitor Villa-Lobos e o Violão. Rio de Janeiro: Museu Villa-Lobos, 1975.

SILVA, José Rebello da. Diz que não foi... O Violão, Rio de Janeiro, ano I, n. 5, p. 24, abr. 1929.

TABORDA, Marcia. Violão e Identidade Nacional. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

VIDA DOMÉSTICA. Rio de Janeiro, n. 182, p. 53, maio 1933.

VILLA-LOBOS, Heitor. Educação Cívico-Artística. Acervo Museu Villa-Lobos.

Downloads

Publicado

2023-07-06

Como Citar

LIMA, Luciano. José Rebello da Silva: pioneiro do violão brasileiro e das marchas do Ameno Resedá. Orfeu, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. e0209, 2023. DOI: 10.5965/2525530408022023e0209. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/23603. Acesso em: 25 maio. 2024.