Como fazer pesquisa com crianças em tempos de pandemia? Perguntemos a elas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/23580925242020029

Palavras-chave:

estudos da infância, Covid-19, metodologias de pesquisa com crianças, pedagogia do teatro, marcadores sociais da diferença

Resumo

Este artigo é sobre perguntas: sobre como e o que perguntar às crianças, em uma situação de pandemia, e sobre as respostas-perguntas que elas deram aos nossos questionamentos. Descrevo inicialmente o processo de elaboração compartilhada, entre adultos e crianças, de um questionário direcionado a crianças de 06 a 12 anos de idade que vivenciaram o isolamento social decorrente da pandemia de Covid-19. No processo de análise das respostas constatei que algumas foram dadas em forma de pergunta. A pergunta aparece como desafio, como dúvida, como reflexão das crianças em relação às categorias, demandas e percepções que nós, adultos-pesquisadores frequentemente projetamos em nossas pesquisas. Problematizar a relação criança-adulto na realização de pesquisas na confluência entre o teatro e a antropologia e valorizar o papel da pergunta neste processo é o objetivo deste artigo.

Biografia do Autor

Luciana Hartmann, Universidade de Brasília

Professora Associada do Departamento de Artes Cênicas e do Programa de Artes Cênicas da Universidade de Brasília. Antropóloga e contadora de histórias. Bolsista de Produtividade em Pesquisa do Cnpq - nível 2.

Referências

ALDERSON, Priscilla. As crianças como pesquisadoras: os efeitos dos direitos de participação sobre a metodologia de pesquisa. Educação e Sociedade. Campinas, v. 26, n. 91, p. 419-442, 2005.

ARMAGNAGUE, Maïtena; RIGONI, Isabelle. Saisir le point de vue de l’enfant. Enquêter sur la participation socioscolaire des élèves migrants. Recherches Qualitatives – Hors-série – n. 20, p. 311-329, 2016.

BUSS-SIMÃO, Márcia. Relações sociais de gênero na perspectiva de crianças pequenas na creche. Cadernos de Pesquisa, v. 43, n. 148, p. 176-197, 2013.

CARDOSO, Daniel. Notas sobre a Criança transviada: considerações queerfeministas sobre infâncias. Periódicus – Revista de estudos indisciplinares em gêneros e sexualidades, Salvador, n. 9, v. 1, p. 214-233, 2018.

DESGUALDO, Paula. “Quando a gente podia sair de casa”: A cidade na voz das crianças em período de distanciamento social. Dissertação (Mestrado em Educação). Florianópolis,

UFSC, 2020.

FREIRE, Paulo, FAUNDEZ, Antonio. Por uma pedagogia da pergunta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

HARTMANN, Luciana. Interfaces entre a Pedagogia do Teatro e os Estudos da Performance. Educação. Santa Maria/RS, v. 39, p. 515-528, 2014.

___________________. Desafios da diversidade em sala de aula: um estudo sobre performances narrativas de crianças imigrantes. Cadernos Cedes, v. 37, p. 45-64, 2017.

___________________. Vozes em diáspora: como crianças imigrantes contam suas histórias. Revista del Museo de Antropologia, Córdoba/Argentina, v. 11, p. 83-90, 2018.

MARCHI, Rita de Cássia. Gênero, infância e relações de poder: interrogações epistemológicas. Cadernos Pagu, n. 37, p, 387-406, 2011.

MILLER, Daniel. Notas sobre a pandemia: como conduzir uma] etnografia durante o isolamento social. Disponível em: https://blogdolabemus.com/2020/05/23/notas-sobre-a-pandemia-como-conduzir-uma-etnografia-durante-o-isolamento-social-

por-daniel-miller/

MOTTA, Flávia; PAULA, Claudemir de. Questões Raciais para Crianças: resistência e denúncia do não dito. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 44, n. 2, p. 1-18, 2019.

NERUDA, Pablo. Livro das perguntas. Tradução de Olga Savary. Porto Alegre: L&PM, 2004.

NIÑEZ PLURAL. Las infancias ante la pandemia: reflexiones y desafíos desde las ciencias sociales. Marcha – una mirada popular y feminista de la Argentina y el mundo, publicado em 17.05.2020. Disponível em: https://www.marcha.org.ar/las-infancias-ante-la-pandemia-reflexiones-y-desafios-desde-las-ciencias-sociales/

NIÑEZ PLURAL. Niñez, alteridad y cuidado: reflexiones para un campo en construcción. DesIdades, n. 25, año 7, p. 48-58, 2019.

PIRES, Flávia, “Ser adulta e pesquisar crianças”. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 50, n. 1, pp. 225-70, 2007.

PONTE, Vanessa Paula. “Embelezamento, mídia e construção do corpo em narrativas de crianças: Nuances de uma etnografia nos salões”.

RUNA - Archivo para las Ciencias del Hombre, Buenos Aires, p. 131-48, v. 40, 2019.

PONTE, Vanessa Paula; NEVES, Fabrício. Vírus, telas e crianças: entrelaçamentos em época de pandemia. Simbiótica, Edição Especial, vol.7, n.1, p. 87-106, 2020.

PRETTO, Zuleica; LAGO, Mara C. de S. Reflexões sobre infância e gênero a partir de publicações em revistas feministas brasileiras. Revista Ártemis, v. XV, n. 1, p. 56-71, 2013.

RUBINSTEIN, Edith. A pergunta no processo de ensino-aprendizagem. Revista Psicopedagogia, v. 36, n. 111, p. 317-31, 2019.

SILVA, Petronilha B. G. Crianças negras entre a assimilação e a negritude. Revista Eletrônica de Educação, v. 9, n. 2, p. 161-187, 2015.

SOARES, Natália Fernandes; SARMENTO, Manuel Jacinto; TOMÁS, Catarina. Investigação da infância e crianças como investigadoras: metodologias participativas dos Mundos sociais

das crianças. Nuances: estudos sobre educação – ano XI, v. 12, n. 13, p. 49-64, 2005.

SOUZA, Érica Renata de. Marcadores sociais da diferença e infância: relações de poder no contexto escolar. Cadernos Pagu, n. 26, p.169-199, 2006.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

HARTMANN, L. Como fazer pesquisa com crianças em tempos de pandemia? Perguntemos a elas. Revista NUPEART, Florianópolis, v. 24, p. 29-52, 2020. DOI: 10.5965/23580925242020029. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/18827. Acesso em: 18 set. 2021.