Percepção de discentes com deficiência do CAA/UFPE sobre o ensino remoto na pandemia da COVID-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2316796311222022044

Palavras-chave:

acessibilidade, design universal, tecnologia assistiva, ensino superior, inclusão

Resumo

Com o advento da pandemia da Covid-19 e a paralisação das aulas presenciais, muitas universidades adotaram o ensino remoto emergencial como forma de, à distância, retomar as atividades. Buscando compreender a percepção dos alunos quanto a essa nova modalidade de ensino, o presente trabalho teve por objetivo identificar as principais barreiras comunicacionais e informacionais enfrentadas pelos discentes com deficiência do Centro Acadêmico do Agreste da Universidade Federal de Pernambuco no ensino remoto, detectando os problemas centrais e propondo intervenções capazes de auxiliar na promoção de um ambiente mais acessível quanto em relação às experiências vivenciadas pelos mesmos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosimeri Franck Pichler, Federal University of Pernambuco

Professora Adjunto do Curso de Design da Universidade Federal de Pernambuco - Campus do Agreste (CA/UFPE). Vice-Coordenadora do Laboratório de Design Inclusivo (LabDIn). Doutora em Design com ênfase em Gestão e Tecnologia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Design com ênfase em Materiais e Processos Produtivos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharel em Desenho Industrial com habilitação em Projeto de Produto pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM).

Amanda Rodrigues da Cunha, Federal University of Pernambuco

Graduada em Design pela Universidade Federal de Pernambuco/Centro Acadêmico do Agreste (UFPE/CAA). Atualmente é Extensionista do Programa de Educação Tutorial Infoinclusão, por demanda de cultura e direito de todos (PET/MEC/SESu/DIFES/FNDE).

Referências

AHORSU, D. K. et al. The Fear of COVID-19 Scale: Development and initial validation. International Journal of Mental Health and Addiction, 2020.

ALVES, Lynn. Educação remota: entre a ilusão e a realidade. Interfaces cientifícas, V.8, nº 3, 2020. P. 358.

BAFFI, Maria Adelia Teixeira. Modalidades de pesquisa: um estudo introdutório. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003.

BRASIL. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Lei nº 13.146. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 24/02/2021. Brasília, 2015.

BRASIL. DECRETO Nº 5.296 DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5296.htm>. Acesso em: 14/03/2021. Brasília, 2004.

BRASIL. LDBE – Lei Nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: <https://www.jusbrasil.com.br/topicos/11686882/artigo-59-da-lei-n-9394-de-20-de-dezembro-de-1996>. Acesso em: 25 de nov. de 2021.

BERSCH, Rita; SARTORETTO, Mara. Assistiva tecnologia e educação. Disponível em: <https://www.assistiva.com.br/tassistiva.html>. Acesso em: 29/03/2021.

CALEGARI, Eliana P.; DA SILVA, Roseane S.; DA SILVA, Régio P. Design Instrucional e Design Universal para a Aprendizagem: uma relação que visa obter melhorias na aprendizagem. Revista D.: Design, Educação, Sociedade e Sustentabilidade, v. 5, 2014.

CARLLETO, Ana Claudia; CAMBIAGHI, Silvana. Desenho universal um conceito para todos. Instituto Mara Gabrilli, São Paulo, 2007. p. 12.

CAT. Comitê de Judas técnicas: Tecnologia assistiva. Brasília, 2009. p. 11.

ELIASQUEVICI, Marianne; FONSECA, Nazaré. Educação a distância: orientações para o início de um percurso. Belém: 2 Ed. da UDUFPA, 2009. p. 88-189.

FARO, André et al. Adaptação e validação da escala de medo da Covid-19. Scielo Preprints, 2020. Disponível em: < https://preprints.scielo.org/index.php/scielo/preprint/view/898/version/952>. Acesso em: 21 de jun. de 2021.

GARCIA, Evelin Naiara; VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski. Desafios contemporâneos: o uso da tecnologia assistiva como instrumento facilitador da aprendizagem. Revista do programa de pós-graduação da UFPI, volume 23, Nº 40. Teresina, 2018.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: 4 Ed. da Atlas S.A, 2002. p. 17.

HARPER, C. A.; SATCHELL, L. P.; FIDO, D.; LATZMAN, R. D. Functional fear predicts public health compliance in the COVID-19 pandemic. International Journal of Mental Health and Addiction, 2020.

HONORA, Marcia; FRIZANCO, Mary L.. Esclarecendo as deficiências: Aspectos teóricos e práticos para contribuir com uma sociedade inclusiva. Ciranda Cultural, 2008. p. 103.

IBGE, Educa Jovens. Conheça o Brasil – População: Pessoas com Deficiência. Disponível em: https://educa.ibge.gov.br/jovens/conheca-o-brasil/populacao/20551-pessoas-com-deficiencia.html. Acesso em 10/03/2021. Censo 2010.

MAIA, Shirley Rodrigues. Deficiência Auditiva/Surdez. 2007. (Curso de curta duração ministrado/Outra). Disponível em: http://sis.posuscs.com.br/sistema/rota/rotas_84/1314/scorm/ultimo/pdf/pdf_DAS.pdf. 2007. p. 17.

MEC, Ministério da Educação. Programa incluir. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/programa-incluir. Acesso em 19/05/2021.

MEDEIROS, Luana Araújo; ACIOLY, Angélica de Souza Galdino; SILVA, Renato Fonseca Livramento da. Design inclusivo - uma proposta de produto para auxiliar a locomoção da criança deficiente visual. HFD, v.4, n.8, 2015. p. 177.

MENDES, Rodrigo Hubner. O que é Design Universal para aprendizagem?. Jornal O Estado de São Paulo, São Paulo, 01 de dez. de 2017. Disponível em: <https://diversa.org.br/artigos/o-que-e-desenho-universal-para-aprendizagem/>. Acesso em: 24 de nov. de 2021.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial. Brasília: MEC, 1994.

MORAES, A.; MONT’ALVÃO, C. Ergonomia Conceitos e Aplicações. São Paulo: Editora 2AB, 1998.

MORAN, José Manoel. A educação que desejamos: Novos desafios de como chegar lá. São Paulo: Papirus, 2007

OMS. Organização Mundial da Saúde. Relatório Mundial sobre a Deficiência. The World Bank; tradução Lexicus Serviços Linguísticos. São Paulo: SEDPcD, 2012. p. 3 a 5.

OPAS. Organização Pan Americana da Saúde. Folha informativa sobre COVID-19. Disponível em: https://www.paho.org/pt/covid19#:~:text=de%20tratamento%20hospitalar.-,Uma%20em%20cada%20seis%20pessoas%20infectadas%20por%20COVID%2D19%20fica,risco%20de%20ficarem%20gravemente%20doentes. Acesso em: 16/04/2021. Brasília, 2020.

PINHEIRO AAA; TAMAYO A. Escala UCLA de Solidão: adaptação e validação. Arq Bras Psicol. 1984;36(1):36-44.

POALSES, J.; BEZUIDENHOUT, A. Mental health in higher education: A comparative stress risk assessment at an open distance learning university in South Africa. International Review of Research in Open and Distributed Learning, 2018.

PRETTO, Nelson; BONILLA, Maria; SENA, Ivânia. Educação em tempos de pandemia: reflexões sobre as implicações do isolamento físico imposto pela COVID-19. Salvador: Edição do autor, 2020. p. 04.

SILVA, Gabriela Jobim da. Design 3D em Tecelagem Jacquard como ferramenta para a concepção de novos produtos. Aplicação em Acessórios de Moda. Guimarães, 2005. p. 07.

SUDO, Camila. Acessibilidade no ensino remoto. Núcleo de Acessibilidade e Inclusão da UTFPR. Londrina. Acesso em: 02 dez. 2021. Disponível em: <http://www.uel.br/nac/pages/arquivos/DOCS/formacao_docente/FORMA%C3%87%C3%83O%20DOCENTE%20UEL%20Camila.pdf>.

VIGNOLA, RCB; TUCCI, AM. Adaptation and validation of the Depression, Anxiety and Stress Scale (DASS) to Brazilian portuguese. J Affect Disord. 2014.

Downloads

Publicado

2022-12-16

Como Citar

PICHLER, R. F.; CUNHA, A. R. da. Percepção de discentes com deficiência do CAA/UFPE sobre o ensino remoto na pandemia da COVID-19. Human Factors in Design, Florianópolis, v. 11, n. 22, p. 044-067, 2022. DOI: 10.5965/2316796311222022044. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/hfd/article/view/21944. Acesso em: 5 fev. 2023.