EU Lentes da Experiência: ferramenta para avaliação e análise da Experiência do Usuário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2316796311222022083

Palavras-chave:

experiência do usuário, prática projetual, ferramenta, método de design, elementos da experiência

Resumo

A crescente discussão da Experiência do Usuário resultante da interação homem-objeto como diferencial de mercado traz à tona a necessidade da integração da Experiência do Usuário à prática projetual de Design. Por isso, se faz necessário o uso de ferramentas e metodologias adequadas para a consideração da Experiência do Usuário ao longo do processo de Design. Este artigo tem como objetivo apresentar a EU Lentes da Experiência e sua aplicação em um caso real. A ferramenta visa considerar os elementos que compõem a experiência do usuário na avaliação de produtos, serviços e interfaces digitais e auxilia o projetista na geração de diretrizes de projeto da experiência. Como resultado, obteve-se a apresentação e aplicação de uma ferramenta versátil quanto a diferentes tipos de projeto, contemplando três grandes domínios: produto físico, serviço e interface digital. A EU é um instrumento a ser integrado na prática projetual de Design e é formada por três componentes: os Blocos de Referência da Experiência, o Canvas de Mapeamento da Experiência e as Lentes dos Aspectos da Experiência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Pereira Demilis, Universidade do Estado de Santa Catarina

Designer Industrial graduado na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) em 2012. Especialista em design experiencial pela na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Técnico subsequente em gastronomia pelo Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC). Mestrado em design PPGdesign, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), sendo a linha de pesquisa em: interações físicas, dentro da área de concentração métodos para os fatores humanos, aplicação em ergonomia organizacional e design de serviços. Tem experiência na área de desenho industrial, com ênfase em desenho de produto, design estratégico, design experiencial e design de serviços.

Giselle Schmidt Alves Diaz Merino, Universidade do Estado de Santa Catarina

Pesquisadora CNPq - PQ 1D na área de Desenho Industrial. Membro do Comitê de Assessoramento da área Design - CNPq. Professora do Departamento de Design na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), atua nos cursos de Graduação em Design (Industrial e Gráfico). Professora do Programa de Pós-graduação em Design da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Recebeu o Prêmio CAPES de TESE (2020) como orientadora, na área de Arquitetura, Urbanismo e Design. Pós Doutora em Fatores Humanos pela Universidade do Estado de Santa Catarina com estágio na Universidade Politécnica de Valencia, Espanha (2017). Doutora em Engenharia de Produção, com ênfase em Engenharia do Produto e Processo na linha de pesquisa de Metodologias de Projeto de Design pela Universidade Federal de Santa Catarina (2014). Mestre em Design pelo Programa de Pós-Graduação em Design na linha de Gestão de Design, pela Universidade Federal de Santa Catarina (2010). Graduada em Desenho pela Universidade do Estado de Santa Catarina (1997).

Referências

BALDERSON, E. Erin Balderson, 2019. Uber Journey Map. Disponível em: <http://www.erinbalderson.com/uber-journey-map/>. Acesso em: 23 de out. de 2019.

BONSIEPE, G. Design como prática de projeto. São Paulo: Edgard Blücher, 2012.

CREPALDI, C. DOS SANTOS, C. T. Abordagens metodológicas do design emocional: uma revisão bibliográfica sistemática. Human Factors in Design, v. 7, n. 14, p. 074-094, 2018.

COOK; A. M.; POLGAR. J. M. Assistive technologies: principles and practices. St. Louis: Mosby Elsevier, 2015. 472 p.

DEMARCHI, A. P. P.; FORNASIER, C. B. R.; MARTINS, R. F. de F. Processo de design com abordagem de design thinking. In: MARTINS, Rosane Fonseca de Freitas; VAN DER LINDEN, Júlio Carlos de Souza (Org.). Pelos caminhos do design: metodologia de projeto. Londrina: EDUEL, 2012, p. 175-222.

DEMILIS, M. P. Fatores Humanos no Design de serviços: Valoração de aspectos da experiência de consumo pelo público idoso em supermercados. Florianópolis, 2015. 135 p. Dissertação (Mestrado em Design) – Programa de Pós-Graduação em Design – PPGDesign, Universidade do Estado de Santa Catarina, 2015.

DEMILIS, M. P.; MATOS, L.; ENSSLIN, S. R.; MERINO, G. S. A. D. Experiência do Usuário (UX): Análise bibliométrica de publicações sobre a avaliação de desempenho da UX. In: 13º Congresso Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento em Design, 2018, Joinville. Anais 13º Congresso Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Paulo: Blucher, 2018.

DEMILIS, M. P.; FIALHO, F. A. P.; DOS REIS, A. A. EXPERIÊNCIA DE USO DE SERVIÇOS DE SUPERMERCADOS: análise de ferramentas para coleta dados promovidas pelo design thinking. Blucher Design Proceedings, v. 2, n. 9, p. 1105-1117, 2016.

DEMILIS, M. P.; DE SOUSA, R. P. L.; MERINO, G. A. D. O instrumentalismo na aferição da experiência do usuário. Gestão & Tecnologia de Projetos, v. 13, n. 2, p. 35-52, 2018.

DESMET, P. M. A. Measuring emotion; development and application of an instrument to measure emotional responses to products. Human-Computer Interaction Series, v. 3, p. 111-123, 2003.

DESMET, P. M.A.; HEKKERT, P. Framework of product experience. International journal of design, v. 1, n. 1, p. 57-66, 2007.

DEWEY, J. Como pensamos. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1959.

ELMANSY, Rafiq. Empathic Design: The Most Difficult Simple Approach to Successful Design. 2014. Disponível em: ‹http://www.designorate.com/empathicdesign-approach-to-successful-design/›. Acesso em: 10 set. 2017.

FERREIRA, A.B.H. Dicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.

FERREIRA, N G. M. L. O papel da experiência na filosofia de John Dewey. Vol. 4, nº 2, 2011.

GENTILE, C.; SPILLER, N.; NOCI, C. How to sustain the customer experience: an overview of experience components that co-create value with the customer. European Management Journal, v. 25 n. 5, p. 395-410. 2007.

GOMES FILHO, J. Ergonomia do Objeto: sistema técnico de leitura ergonômica. São Paulo. 2003.

GREEN, W.; JORDAN, P. W. (Ed.). Human factors in product design: current practice and future trends. CRC Press, 1999.

HASSENZAHL, M. The interplay of beauty, goodness, and usability in interactive products. Human–Computer Interaction, 19 (4), 319–349, 2004.

HASSENZAHL, M. Experience Design: Technology for All the Right Reasons. Denmark: Morgan and Claypool Publishers, 2010.

HASSENZAHL, M.; TRACTINSKY, N. User experience: A research agenda. Behaviour and Information Technology 25: 91– 7. 2006.

HASSENZAHL, M.; DIEFENBACH, S.; GÖRITZ, A. Needs, affect, and interactive products – Facets of user experience. Interacting with Computers, v. 22, n. 5, p. 353-362, 2010. ISSN 09535438.

HEKKERT, P. Design aesthetics: principles of pleasure in design. Psychology science, v. 48, n. 2, p. 157, 2006.

HELANDER, M. G. KHALID, H. M. Affective and pleasurable design. In G. Salvendy (Ed.), Handbook of human factors and ergonomics (3 rd ed., pp. 543–572). Hoboken, New Jersey: JohnWiley. 2006)

HOUAISS, A. (2001). Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

IIDA, I.; BUARQUE, L. Ergonomia: projeto e produção. 3ª edição. São Paulo: Edgard Blucher Ed., 850p., 2016.

JORDAN, P. W. Designing Pleasurable Products. Taylor & Francis, 2000.

KALBACH, Jim. Mapeamento de experiências: um guia para criar valor por meio de jornadas, blueprints e diagramas. Alta Books, 2017.

KHALID, H. M. Guest editorial: Conceptualizing affective human factors design. Theoretical Issues in Ergonomics Science, 5, 1–3. 2004.

KUNIAVSKY, M. Observing the user experience. San Francisco, CA: Morgan Kaufmann. 2003.

LAW, E.; ROTO, V.; HASSENZAHL, M.; VERMEEREN, A.; KORT, J. Understanding, scoping and defining user experience: a survey approach. In: CHI 2009. ACM, Boston, USA, p. 719-728, April 2009.

LÖBACH, B. Design Industrial. Bases para a configuração dos produtos industriais. São Paulo: Blücher, 2001.

MARTINS, R. F. F. MERINO, E. A. D. A Gestão de design como estratégia organizacional. 2.ed. Londrina: Eduel; Rio de Janeiro: Rio Books, 2011.

MERINO, G. S. A. D. GODP - Guia de Orientação para Desenvolvimento de Projetos: Uma Metodologia Centrada no Usuário. Florianópolis: NGD/UFSC, 2016. Disponível em: ‹www.ngd.ufsc.br›. Acesso em: 12 jul. 2016.

MERINO, G. S. A. D. Metodologia para a prática projetual do design com base no Projeto Centrado no Usuário e com ênfase no Design Universal. 2014. 212 p. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

MONK, A., HASSENZAHL, M., BLYTHE, M., REED, D. Funology: Designing enjoyment. CHI, 2002.

MORITZ, S. Service design: Practical access to an evolving field. MSc thesis, KISD. 2005.

NAGAMACHI, M. Kansei engineering as a powerful consumer-oriented technology for product development. Applied Ergonomics, 33, 289–294. 2002.

NAGAMACHI, M. Kansei/affective engineering and the history of kansei/affective engineering in the world. In M. Nagamashi (Ed.), Kansei/Affective Engineering, 13 (pp. 1–12). Boca Raton, FL: CRC Press. 2011.

NORBERT, S., Introduction to research dialogue, Journal of Consumer Psychology, 18, 4, (242-243) 2008.

NORMAN, D. A. Emotional design: Why we love (or hate) everyday things. New York, NY: Basic Books. 2004.

OZKARAMANLI, D.; OZCAN, E.; DESMET, P. Capturing conflict experiences: five methods for identifying intrapersonal concern conflicts. Conference paper. The 9th International Conference on Design & Emotion. p.317-324, 2014.

REDSTRÖM, J. Towards user design? On the shift from object to user as the subject of design. Design studies, v. 27, n. 2, p. 123-139, 2006.

RUSSO, B.; HEKKERT, P. Sobre amar um produto: os princípios fundamentais. Design Ergonomia Emoção, p. 31-48, 2008.

SAARILUOMAAND, P.; JOKINEN, J. P. P. Emotional Dimensions of User Experience: A User Psychological Analysis. International Journal of Human-Computer Interaction, v. 30, n. 4, p. 303-320, 2014. ISSN 10447318.

SANTOS, C. T. O Design no Desenvolvimento de Produtos: uma análise e prospecção de princípios e métodos utilizados. Florianópolis: Dissertação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa Catarina. 1998.

SANTOS, C. T. D. Requisitos de linguagem do produto: uma proposta de estruturação para as fases iniciais do PDP. 2009. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

SANTOS, F. A. D. O Design como diferencial competitivo. Itajaí: Editora da Univali, 2000.

SCHMITT, B. H. Experiential marketing: How to get customers to sense, feel, think, act and relate to your company and brands. New York: Free Press. 1999.

SURI, F. The experience of evolution: developments in design practice. The Design Journal, 6(2):39-48. 2003.

UNGER, R. CHANDLER, C. A Project guide to UX design: for user experience designers in the fild or in the making. – 1.ed.- Berkeley, CA: New Riders, 2009.

VERHOEF, P. C. et al. Customer experience creation: Determinants, dynamics and management strategies. Journal of retailing, v. 85, n. 1, p. 31-41, 2009.

WHO. Framework on Integrated People-Centred Health Services: Report by the Secretariat WHO, 2016. Disponível em: <http://apps.who.int/gb/ebwha/pdf_files/WHA69/A69_39- en.pdf?ua=1&ua=1>. Acesso em: 14 set. 2018.

Downloads

Publicado

2022-12-16

Como Citar

DEMILIS, M. P.; MERINO, G. S. A. D. EU Lentes da Experiência: ferramenta para avaliação e análise da Experiência do Usuário. Human Factors in Design, Florianópolis, v. 11, n. 22, p. 083-109, 2022. DOI: 10.5965/2316796311222022083. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/hfd/article/view/21800. Acesso em: 5 fev. 2023.