A Inserção da dança no currículo dos Colégios de Aplicação

conquistas, possibilidades e desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/18083129152021e0026

Palavras-chave:

Arte - Estudo e ensino, Dança, Currículo e métodos em educação, Currículos - Mudança - Brasil

Resumo

O trabalho contextualiza e problematiza questões acerca da inserção da Dança no currículo escolar, partindo de experiências de quatro Colégios de Aplicação de diferentes  localidades do Brasil, cujas matrizes curriculares possuem a Dança como componente obrigatório. A partir da observação participante foi possível construir dados acerca de cada uma dessas realidades escolares e promover debates que indicam mudanças ou permanência de problemáticas discutidas na área. O texto faz um breve histórico sobre a legislação específica acerca do ensino da Arte e reflete sobre a Base Nacional Comum Curricular, documento que normatiza o currículo do ensino básico nacional. Observam-se avanços na consolidação da Dança como área autônoma, apesar de ainda existirem dificuldades muito semelhantes nos diferentes contextos estudados, especialmente em se tratando da questão da polivalência no ensino de Arte e da relação com a área da Educação Física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Souto Allemand, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora de Dança do Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da mesma Universidade. Mestra em Arquitetura e Urbanismo pelo Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pelotas, com o trabalho intitulado "Corpografias da Cidade através da Dança: o uso da rua pelo ...AVOA! Núcleo Artístico". Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo e Licenciatura em Dança, ambas pela Universidade Federal de Pelotas (2013 e 2015). Foi Professora de Dança contratada no município de Pelotas, atuando nas Escolas Nestor Crochemore e Erasmo Braga com Ensino Infantil e séries iniciais do Ensino Fundamental. Foi Professora Substituta no curso de Dança-Licenciatura da Universidade Federal de Pelotas, na área de Análise do Movimento e Processos criativos (Maio/2016 a Abril/2018). Pesquisadora nos Grupos de Pesquisa OMEGA - Observatório de Memória, Educação, Gesto e Arte (UFPel/CNPq) e GESTE - Grupo de Estudos em Teatro e Educação. Foi bailarina e coordenadora do Grupo Artístico Caminhos da Dança na Rua (2015-2018). Como artista da dança, tem experiência com dança contemporânea, danças urbanas e intervenções urbanas. Pesquisa relações entre Dança, Educação e Espaço.

Larissa Bonfim, Universidade Federal de Pernambuco

Larissa Bonfim é artista da dança, professora e pesquisadora. Mestranda em Dança pela Universidade Federal da Bahia/ UFBA. Possui bacharelado em Dança e licenciatura em Artes - Dança pela Universidade Estadual de Campinas / UNICAMP (2012) e cursa graduação em Ciências Sociais na Universidade Federal de Pernambuco / UFPE. É professora de Dança do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Pernambuco. Tem interesse de pesquisa nas áreas de artes da cena, educação e antropologia, com ênfase em corpo, performance e cultura popular.

Marlaina Fernandes Roriz, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre em Ensino de Arte pela Universidade Federal de Minas Gerais (2014). Graduada em Dança, com Licenciatura e Bacharelado pela Universidade Federal de Viçosa (2010) . É professora efetiva de Dança no Centro Pedagógico da Escola de Educação Básica e Profissional da UFMG, desde 2014. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Docência em Dança e atua principalmente nas seguintes áreas: ensino de Dança na escola; linguagem corporal; Arte, educação e inclusão; formação de professor; educação infantil e processos criativos em Dança.

Daniel Santos Costa, Universidade Federal de Uberlância

Sou Professor da Escola de Educação Básica (ESEBA) da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), desde 05/2016. Professor permanente no ProfArtes ? Mestrado Profissional em Artes e do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, IARTE-UFU. Doutor em Artes Cênicas pela USP (2019) e Mestre em Artes da Cena da UNICAMP (2014). Sou Bacharel em Dança (2006-2010) e Licenciado em Dança pela Universidade Estadual de Campinas (2006 - 2010). Atuei como Professor no curso de Artes/Teatro na Subárea Corpo e Movimento, na Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) no ano de 2015/2016, como Professor de Arte e Vivências Artísticas no Centro Educacional 437 - Rede SESI/SP, entre 2011 e 2015 (no Ensino Fundamental e Médio) e na Rede Pública do Estado de São Paulo, entre 2014 e 2015 (no Ensino Fundamental, Médio e EJA). Atuo como artista e produtor cultural em processos de criação autoral e em colaboração com outros artistas.

Referências

BARBOSA, A. M. A imagem no ensino da arte: anos 1980 e novos tempos. 7. ed. rev. São Paulo: Perspectiva, 2009.

BARBOSA, A. M. Tópicos Utópicos. Belo Horizonte: C/Arte, 1998.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://cutt.ly/rfQV1cf. Acesso em: 7 set. 2020.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 1971. Disponível em: https://cutt.ly/AfQV0yG. Acesso em 07 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: proposta preliminar segunda versão revista. Brasília: MEC; SEB; CNE, 2016a.

BRASIL. Lei n. 13.278, de 2 de maio de 2016. Altera o § 6o do art. 26 da Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte. Diário Oficial da União, Brasília, 03 maio 2016b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. Brasília: MEC; SEB; CNE, 2017a.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 22 jan. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Cadastro Nacional de Cursos e Instituições de Educação Superior. In: Cadastro e-MEC. Brasília : MEC, 2020. Disponível em: https://emec.mec.gov.br/. Acesso em: 7 set. 2020.

CORRÊA, J. F.; SANTOS, V. L. B. Dança na escola no Rio Grande do Sul: percursos históricos e pesquisas Acadêmicas. DAPesquisa, Florianópolis, v. 14, n. 23, 2019. Disponível em: http://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/1808312914232019034/10288. Acesso em: 20 nov. 2020.

DIVINO Maravilhoso Gal Costa (Gal Costa 1969). Produção: Vanessa Falcão. [S. l.: s. n.], 22 dez. 2012. 1 vídeo (4 min 21 s). Publicado no YouTube. Disponível em: https://cutt.ly/ofQVUoU. Acesso em: 7 set. 2020.

FALKEMBACH, M. F. Corpo, Disciplina e Subjetivação nas Práticas de Dança: um estudo com professoras da rede pública no sul do Brasil. 2017. Tese (Doutorado em Educação) - Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

LIMA, C. A. S. Base Nacional Comum Curricular: Por que isso interessa à Dança? [Entrevista cedida a] Alexandre Molina. 8 fev. 2016. In: IDança.Net. Disponível em: http://idanca.net/base-nacional-curricular-comum/. Acesso em: 4 fev. 2020.

MARQUES, I. A.; BRAZIL, F. Arte em questões. São Paulo: Digitexto, 2014.

MARQUES, I. A. Dançando na escola. São Paulo: Cortez, 2007.

MARQUES, I. A. Ensino de Dança Hoje: textos e contextos. 6 ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MARQUES, I. A. Interações: crianças, dança e escola. São Paulo, Blucher, 2012.

MARQUES, I. A. Linguagem da Dança: arte e ensino. São Paulo: Digitexto, 2010.

PENNA, M. A dupla dimensão da política educacional e a música na Escola: I – analisando a legislação e termos normativos. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 10, p. 19-28, mar. 2004. Disponível em: https://cutt.ly/FfQVQRp. Acesso em: 7 set. 2020.

PENTEADO, A. Pedido de Desligamento da BNCC. Lauro de Freitas, 6 abr. 2016. Facebook: @andrea.penteado.77. Disponível em: https://www.facebook.com/notes/andrea-penteado/pedido-de-desligamento-da-bncc/998716913510712/. Acesso em: 7 set. 2020.

SOUZA, J. B. L. de. Ensino de Dança em Litígio: Uma problemática. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2017.

STRAZZACAPPA, M.; MORANDI, C. Entre a arte e a docência: a formação do artista da dança. Campinas: Papirus, 2006.

STRAZZACAPPA, M. A educação e a fábrica de corpos: a dança na escola. Cadernos Cedes, Campinas, v. 21, n. 53, p. 69-83, 2001a.

STRAZZACAPPA, M. Dançando na Chuva... e no Chão de Cimento. In: FERREIRA, Sueli (org.). O Ensino das Artes: construindo caminhos. Campinas: Papirus, 2001b. p. 39-78.

Publicado

2021-08-23

Como Citar

ALLEMAND, D. S.; BONFIM, L. V. A.; RORIZ, M. F.; COSTA, D. S. . A Inserção da dança no currículo dos Colégios de Aplicação: conquistas, possibilidades e desafios . DAPesquisa, Florianópolis, v. 16, p. 01-21, 2021. DOI: 10.5965/18083129152021e0026. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/20219. Acesso em: 26 out. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)