Caminhos do processo.

Permanências do reencontro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/18083129152021e0008

Palavras-chave:

Fotografia Artesanal, Integração social, Pessoas com deficiência e artes, Isolamento social

Resumo

A presente pesquisa é fruto de práticas participativas junto a pessoas com deficiência. A partir da dissertação e exposição Apagamentos retratos da privação, busquei responder aos apagamentos sociais da deficiência no campo da arte atrelando práticas participativas, processos fotográficos alternativos e o reencontro com as pessoas que fizeram parte da minha produção artística. Por meio de um laboratório de experimentações fotográficas – adaptado e portátil – intencionei possibilitar que pessoas com deficiência elaborassem seu próprio discurso, estimulando diálogos, a produção de imagens e contribuindo assim com as discussões sobre precariedade e reconhecimento no contexto da arte. A pesquisa e a prática artística apresentada e discutida neste artigo culminaram na exposição Permanências do reencontro realizada no Museu da Escola Catarinense — MESC — compondo-se pela apresentação dos processos e seus resultados fotográficos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Schultz Myczkowski, Instituto Federal do Paraná - IFPR; Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC

Artista Visual, doutor e mestre em Artes Visuais na linha de Processos Artísticos Contemporâneos pelo Programa de Pós-graduação em Artes Visuais da UDESC. Realizou
em 2017 o Doutorado-Sanduíche no Instituto Politécnico de Leiria (IPL), em Portugal, com bolsa CAPES (PDSE). Graduou-se nos cursos Bacharelado em Pintura e
Licenciatura em Desenho pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP). Especialista em História da Arte Moderna e Contemporânea pela Escola de Música e Belas
Artes do Paraná (EMBAP). Foi integrante da Comissão Editorial da Revista Ciclos (UDESC) e da Revista Palíndromo (UDESC). Integra o Grupo de Pesquisa (CNPq) Poéticas do
Urbano (CEART - UDESC). Atualmente é professor de Arte do Instituto Federal do Paraná. Realizou diversas exposições individuais e coletiva sendo elas em meios como
desenho, pintura, fotografia, instalação, performance e híbridos analógico/digitais. Interessa-se principalmente pelos seguintes temas: arte, educação, visualidade, estigma,
discurso e deficiência.

Referências

BISHOP. C. [Entrevista cedida] a Juliana Monachesi. Folha de São Paulo, São Paulo, 10 dez. 2006. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs1012200610.htm. Acesso em: 20 nov. 2016.

BISHOP. C . Artificial hells: participatory art and the politics of spectatorship. 1. ed. New York: Verso, 2012. 383 p.

BUTLER, J. Quadros de Guerra: quando a vida é passível de luto? Tradução: Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015. 288 p.

LE BRETON, D. A sociologia do corpo. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

MYCZKOWSKI, R. S. Apagamentos retratos da privação. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – Universidade do Estado de Santa Catarina. Florianópolis, 2015.

MYCZKOWSKI, R. S. No ranger da câmera, permanências do reencontro. Tese (Doutorado em Artes Visuais) – Universidade do Estado de Santa Catarina. Florianópolis, 2019.

Publicado

2021-02-27

Como Citar

Schultz Myczkowski, R. (2021). Caminhos do processo. : Permanências do reencontro. DAPesquisa, 16, 01-15. https://doi.org/10.5965/18083129152021e0008