Intervenções musicais no contexto hospitalar:

humanização do cuidado

Autores

  • Beatrís Mengarda Universidade Federal de Santa Maria.
  • Lucas Block Abich Universidade Federal de Santa Maria.
  • Daniele Pincolini Pendeza Faculdade de Candeias. http://orcid.org/0000-0001-5827-6307
  • Suzel Lima da Silva Universidade Federal de Santa Maria.
  • Amara Lúcia Holanda Tavares Battistel Universidade Federal de Santa Maria.

DOI:

https://doi.org/10.5965/18083129152021e0009

Palavras-chave:

Musicoterapia, Terapia ocupacional para crianças, Oncologia, Hospitais infantis, Humanização dos serviços de saúde

Resumo

Baseado na política do HumanizaSUS, desde o ano de 2011 o Programa de Extensão Cuidado e Atenção ao Adolescente e Criança em Tratamento Oncológico (CAACTO), desenvolve atividades diversas junto à crianças e adolescentes acometidos por neoplasias. Em uma tentativa de atenuar os sofrimentos que se somam àqueles do diagnóstico e do isolamento que a vida hospitalar pode vir a causar, as intervenções musicais desenvolvidas semanalmente podem vir a ser um espaço de acolhimento e de promoção da saúde e do desenvolvimento humano. No ano de 2018, as intervenções cumpriram com seus objetivos de colaborar na humanização hospitalar e na proposição de um espaço educacional por meio da música. Essa experiência soma na formação dos alunos do Curso de Música no contexto educacional hospitalar, além de ser potente os momentos de trocas nas reuniões entre todos os integrantes do CAACTO, onde a interlocução teórico-prática para além do processo de adoecimento, permite a interdisciplinaridade na busca por melhores intervenções em benefícios de todos os envolvidos no programa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Beatrís Mengarda, Universidade Federal de Santa Maria.

Beatrís Mengarda é acadêmica do curso de Licenciatura em Música da UFSM e participa de projetos como o programa CAACTO e o Coro de Câmara da UFSM.

Lucas Block Abich, Universidade Federal de Santa Maria.

Lucas Block Abich é acadêmico do curso de Música e Tecnologia (UFSM) e participante do Porgrama CAACTO.

Daniele Pincolini Pendeza, Faculdade de Candeias.

Daniele Pendeza é Bacharel em Canto e Licenciada em Música pela Universidade Federal de Santa Maria; especialista em Psicopedagogia Institucional pela Universidade Católica Dom Bosco; especialista em educação na perspectiva do ensino estruturado para autistas pela Faculdade OPET; e especialista em Musicoterapia pela FAC e mestre em Educação pela UFSM na linha de pesquisa de Educação Especial. Sua atuação profissional, através de atendimentos clínicos e pesquisas, envolve transtornos da fala e do desenvolvimento, especialmente o autismo, intervenção precoce e oncologia pediátrica. Também é professora da Pós-Graduação em Musicoterapia da Faculdade Regional de Filosofia, Ciências e Letras de Candeias (FAC).

Suzel Lima da Silva, Universidade Federal de Santa Maria.

Terapeuta Ocupacional graduada pela Universidade Federal de Santa Maria no ano de 2013. Especialização no Programa de Residência Multiprofissional em Gestão e Atenção Hospitalar no Sistema Público de Saúde com Ênfase em Hemato-oncologia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) concluída em 2016. Atua na área de hemato-oncologia infanto-juvenil por meio da participação do Programa de Extensão denominado "CAACTO" (Cuidado e Atenção à Criança em Tratamento Oncológico) desde o ano de 2011, sendo no ano de 2018 iniciado como uma das co-orientadoras do programa. Atualmente é voluntária junto à Associação de Portadores de Esclerose Múltipla de Santa Maria e Região (APEMSMAR), com cargo de responsável técnica no setor Atenção ao Paciente, prestando atendimento de Terapia Ocupacional aos associados. Mestranda junto ao Programa de Pós-graduação em Educação Profissional e Tecnológica da UFSM.

Amara Lúcia Holanda Tavares Battistel, Universidade Federal de Santa Maria.

Graduou-se em Terapia Ocupacional pela Universidade Federal de Pernambuco (1982), mestre e doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (1992/2016). Atuou como docente no Curso de Pedagogia da Universidade de Cruz Alta (1997/2003). Implantou e coordenou o curso de Terapia Ocupacional do Centro Universitário Franciscano - UNIFRA (2004/2009). Atualmente é Professora Adjunta do Departamento de Terapia Ocupacional da Universidade Federal de Santa Maria (2009). Coordena o Programa Interdisciplinar de Extensão CAACTO: Cuidado e Atenção ao Adolescente e à Criança em Tratamento Oncológico. Tem experiência na área de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, com ênfase na Formação de Professores e em Terapia Ocupacional na área da Saúde da Criança, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento infantil, oncologia infanto-juvenil e educação inclusiva.

Referências

ABRAMS, D. A. et al. Inter-subject syncronization of brain responses during natural music listening. European Journal of Neuroscience, Oxford, v. 37, n. 9, p. 1458-1469, may 2013.

DOI: 10.1111/ejn.12173 . Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/ejn.12173. Acesso em: 30 mar. 2019.

BAKER, F. A.; MACDONALD, R. A. R., identity, achievement, satisfaction and ownership during therapeutic songwriting experiences with university students and retirees. Musicae Scientiae, California, v. 17, n. 2, p. 131– 146, 2013. DOI: 10.1177/1029864913476287.

BATTISTEL, A. L. H. T. Caacto fase II: Cuidado e atenção ao adolescente e à criança em tratamento oncológico. Santa Maria, 2018. Portal de Projetos UFSM: https://portal.ufsm.br/projetos/publico/projetos/view.html?idProjeto=59679. Acesso em: 05 ago. 2019.

BERGOLD, L. B. et al. A utilização da música na humanização do ambiente hospitalar interfaces da Musicoterapia e Enfermagem. Revista Brasileira de Musicoterapia, Brasília, ano 11, n. 9, p. 01-12, 2009. Disponível em: http://www.revistademusicoterapia.mus.br/ano-xi-numero-9-2009/. Acesso em: 21 dez. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB nº 2, de 10 de maio de 2016 . Define Diretrizes Nacionais para a operacionalização do ensino de Música na Educação Básica. Brasília : MEC, 2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/component/content/article?id=34011. Acesso em: 21 dez. 2019

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização- PNH. Brasília, 2013. Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf. Acesso em: 05 ago. 2019.

BRITO, T. A . de. Música na educação infantil. São Paulo : Ed. Peirópolis, 2003.

BUSSOTTI, E. A; TRAJANO, C; VENDRAMIM, P. A música e a criança hospitalizada. In: LEÃO, E. R. Cuidar de pessoas e música: uma visão multiprofissional. São Caetano do Sul : Ed. Yendis, 2009.

CHAN, A. S.; HO,Y.-C.; CHEUNG, M.-C. Music training improves verbal memory. Nature, Inglaterra, v. 396, n. 6707, p.128, 1998. DOI: https://doi.org/10.1038/24075. Disponível em: https://www.nature.com/articles/24075. Acesso em: 05 out. 2019

GATTINO, G. S.; SILVA, L. C. da; MOURA, A. Musicoterapia e educação musical no contexto hospitalar: aproximações e distanciamentos. Revista InCantare, Curitiba, v.1, n. 7, p. 1-12, jan./jun. 2016. Disponível em: http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/incantare/article/view/822. Acesso em: 17 abr. 2019.

GODOY, D. A. Musicoterapia, profissão e reconhecimento: uma questão de identidade, no contexto social brasileiro. Revista Brasileira de Musicoterapia, Brasília, ano 16, n. 16 , p. 06-25, 2014. Disponível em: http://www.revistademusicoterapia.mus.br/ano-xvi-numero-16-2014/ . Acesso em: 21 dez. 2019.

HO,Y.-C.; CHEUNG, M.-C.; CHAN, A. S. Music training improves verbal but not visual memory: cross-sectional and longitudinal explorations in children. Neuropsychology, Washington, v. 17, n. 3, p. 439–450, jul. 2003. DOI: 10.1037/0894-4105.17.3.439. Disponível em: https://psycnet.apa.org/fulltext/2003-99630-015.html. Acesso em: 30 mar. 2019.

JOLY, I. Z.; ALLIPRANDINI, S. F. Práticas pedagógicas e musicais na comunidade: uma experiência em um hospital. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO MUSICAL, 17., São Paulo, 2008. Anais [...]. São Paulo. Diversidade musical e compromisso social: o papel da educação musical. São Paulo: ABEM, 2008. p.01-06. Disponível em: https://www.yumpu.com/pt/document/view/6919387/praticas-pedagogicas-e-musicais-na-comunidade-uma-abem. Acesso em: 01 nov.2019.

KOELLREUTTER, H. J. O ensino da música num mundo modificado. In: KATER, C. (ed.) Cadernos de estudo : educação musical 6. Belo Horizonte : Atravez,1988. p. 37-44. Disponível em: https://www.carloskater.com.br/caderno-de-estudos. Acesso em: 05 ago. 2019.

LEVITIN, D. J. Neural Correlates of Musical Behaviors A Brief Overview , Music Therapy Perspectives, Estados Unidos, v. 31, n. 1, p. 15–24, 1 jan. 2013. DOI: https://doi.org/10.1093/mtp/31.1.15. Disponível em: https://academic.oup.com/mtp/issue/31/1. Acesso em: 17 abr. 2019.

MANTOVANI, M. O movimento corporal na educação musical: influências de Émile Jaques-Dalcroze. 2009. Dissertação (Mestrado em Música) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Artes, 2009. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/95169. Acesso em: 01 set. 2019.

MASLAR, P. M.The effect of music on the reduction of pain: A review of the literature. The Arts In Psychotherapy, v.13, n. 3, p. 215-219, 1986. DOI: https://doi.org/10.1016/0197-4556(86)90046-8 . Disponível em: https://www.sciencedirect.com/journal/the-arts-in-psychotherapy/vol/13/issue/3. Acesso em: 17 abr. 2019

OLIVEIRA, C. C. ; GOMES, A .Breve história da musicoterapia, suas conceptualizações e práticas. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE PORTUGUESA DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO- SPCE, 12., 2014, Portugal. Atas [...]. Portugal : SPCE, 2014. p. 764-774 Disponível em: http://www.spce.org.pt/assets/files/SPCE2_EIXOS_BOOK-CC1.pdf. Acesso em: 01 nov. 2019.

PARBERY-CLARK, A. et al. Musical experience and the aging auditory system: implications for cognitive abilities and hearing speech in noise. PLOS ONE, v. 6, n. 5, e18082, May 2011. DOI: https://doi.org/10.1371/journal.pone.0018082. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0018082. Acesso em: 10 maio 2019.

PENGO, M. M. S. B.; SANTOS, W. A. O papel do terapeuta ocupacional em oncologia. In: DE CARLO, M. M. R. do P.; LUZO, M. C. de M (org.). Terapia ocupacional: reabilitação física e contextos hospitalares. São Paulo: Roca, 2004. p. 233-255.

SILVA JÚNIOR, J. D. da. A utilização da música com objetivos terapêuticos: interfaces com a Bioética. 2008. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Federal de Goiás, Escola de Música e Artes Cênicas, Goiás 2008.

STRAIT, D. L.; KRAUS, N. Can you hear me now? Musical training shapes functional brain networks for selective auditory attention and hearing speech in noise. Frontiers in Psychology, Suiça, v. 2, n. 113, 2011. DOI: 10.3389/fpsyg.2011.00113. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/issues/197265/. Acesso em: 01 ago. 2019.

SWANWICK, K. Ensinando Música Musicalmente. São Paulo: Moderna, 2003.

ZENDEL, B. R.; ALAIN, C. Musicians experience less age-related decline in central auditory processing. Psychology of Aging, Washington, v. 27, n. 2, p. 410–417, 2012. DOI: 10.1037/a0024816. Disponível em: https://psycnet.apa.org/fulltext/2011-20240-001.html. Acesso em: 30 mar. 2019.

Publicado

2021-02-27

Como Citar

Mengarda, B., Abich, L. B., Pendeza, D. P., da Silva, S. L., & Battistel, A. L. H. T. (2021). Intervenções musicais no contexto hospitalar: : humanização do cuidado. DAPesquisa, 16, 01-15. https://doi.org/10.5965/18083129152021e0009