Dos portais e artifícios nas paisagens de Nara Milioli

Autores

  • Ana Carla de Brito Universidade do Estado de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312907092012144

Palavras-chave:

Nara Milioli, paisagem, artifício

Resumo

O presente artigo propõe uma reflexão sobre a paisagem na arte contemporânea através de um recorte da produção da artista Nara Miliolli* e abordará quatro aspectos: i) desdobramentos do retábulo e implicações da janela renascentista; ii) implicações da fenda e do abismo conforme o olhar romântico; iii) apreensões de uma paisagem atravessada pelo olhar da artista e de um olhar que é também atravessado pela paisagem; e iv) questões do souvenir e do clichê como sensibilidades contemporâneas. Como articulação teórica comparecem: Régis Debray, o qual permite compreender certas nuances com relação à percepção e apreensão do espaço, tanto in visu quanto in situ; Didi-Huberman, cuja noção de perda autoriza a consideração da paisagem como uma problemática recorrente sobre o espaço; e Jean Baudrillard, que permite ampliar as considerações concernentes ao simulacro, artifício e clichê que incidem sobre o contemporâneo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2018-10-23

Como Citar

BRITO, A. C. de. Dos portais e artifícios nas paisagens de Nara Milioli. DAPesquisa, Florianópolis, v. 7, n. 9, p. 144-161, 2018. DOI: 10.5965/1808312907092012144. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/13953. Acesso em: 1 dez. 2022.

Edição

Seção

Artes Visuais