Estágio curricular no ensino remoto: concepções e percepções dos professores em formação inicial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2357724X09182021050

Palavras-chave:

Ensino Remoto, Estágio Curricular, Concepções, Percepções

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar e analisar as concepções e percepções de professores em formação inicial sobre a realização de um estágio no ensino remoto, considerando que o estágio curricular tem caráter obrigatório e prepara o acadêmico para o exercício da docência. Com a paralisação das aulas presenciais em decorrência da pandemia causada pelo COVID-19, os estágios curriculares ficaram suspensos até a publicação do Parecer nº 5/2020 do Conselho Nacional de Educação, o qual possibilitou a retomada das atividades educacionais, em todos os âmbitos, através do formato de ensino remoto. A metodologia adotada foi predominantemente qualitativa e a produção de dados foi proveniente de um questionário online respondido por treze estagiários e interpretados sob a ótica da análise de conteúdo. Os resultados indicam que as concepções prévias apresentadas pela maioria dos estagiários não foram positivas, inclusive alguns pensaram em desistir do estágio neste formato. Após a finalização do estágio no ensino remoto, os participantes da pesquisa apresentaram percepções positivas, considerando que foi uma experiência produtiva e de grandes aprendizagens. As tecnologias digitais receberam destaque entre os resultados, uma vez que, foram apontadas como relacionadas às aprendizagens construídas, mas também como dificuldades, no que diz respeito ao emprego nos processos de ensino e aprendizagem. É essencial investimentos na formação de professores para um uso inteligente das tecnologias digitais, visto que, o cenário educacional é incerto, mas, não pode parar.

Biografia do Autor

Carla Denize Ott Felcher, UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

Carla Denize Ott Felcher é graduada em Matemática pela Universidade Católica de Pelotas - UCPel, especialista em Educação Matemática pela mesma Universidade. Especialista em Pedagogia Gestora com ênfase em Administração, Supervisão e Orientação Educacional pelas Faculdades Integradas da Rede de Ensino Univest - Santa Catarina. Especialista em Mídias na Educação pela UAB/UFPel. Mestra em Políticas e Gestão da Educação, CLAEH, Montevídeo. Mestra em Ensino de Ciências e Matemática pelo PPGECM/UFPel. Atuou como professora formadora na UAB/UFPel. Atualmente é professora de Matemática dos Anos Finais na rede pública e professora em cursos de especialização na área da Educação. Doutoranda em Educação em Ciências pela UFRGS.

Daniel Keglis de Sousa, Universidade Federal de Pelotas

Possui Graduação em Licenciatura Plena em Matemática pela Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG) e Especialização em Microeletrônica pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IF Sul Riograndense). Possui Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Atualmente trabalha como servidor Técnico Administrativo do serviço público federal, exercendo a função de Chefe do Núcleo Administrativo do Centro de Ciências Químicas, Farmacêuticas e de Alimentos da UFPel. Tem experiência de aproximadamente 7,5 anos como Professor de Nível Superior (Professor Pesquisador I e II, Supervisor de Estágios e de Tutor à Distância), atuando na área da EDUCAÇÃO para os cursos de Licenciatura em Pedagogia à Distância, Licenciatura em Educação do Campo à Distância e Licenciatura em Matemática à Distância, todos os cursos da Universidade Federal de Pelotas. Possui experiência de aproximadamente 6,5 anos como professor na modalidade de ensino EJA - Educação para Jovens e Adultos, no Colégio Municipal Pelotense, ministrando as disciplinas de Matemática e Informática. Foi professor de curso pré-vestibular na disciplina de Matemática. Tem experiência na área de ensino em Matemática, com atuação de aproximadamente 12 anos como professor desta disciplina no ensino Básico ( Ensinos Fundamental e Médio), atuando em escolas das redes pública e privada.Foi professor de disciplinas técnicas do curso Técnico em Sistemas de Telecomunicações, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IF Sul Riograndense). Participou do Projeto de Extensão EDHUCA-A Cidade que Protege, promovido pelo Terceiro Departamento da Faculdade de Direito da UFPEL, que abordou temas tais como: A violência doméstica contra mulheres, crianças e adolescentes, Bullying, Drogadição, Discriminação e Preconceito e Abuso Sexual.

Referências

ALARCÃO, Isabel. Professores reflexivos em uma escola reflexiva. São Paulo: Cortez, 2011.

ARAÚJO, Osmar Hélio Alves. O estágio como práxis, a pedagogia e a didática: que relação é essa? Revista Eletrônica de Educação, v. 14, p. 1-15, 2020.

ARRUDA, Eucidio Pimenta. Educação remota emergencial: elementos para políticas públicas na educação brasileira em tempos de Covid-19. Em Rede - Revista De Educação a Distância, v. 7, n. 1, p. 257-275, 2020.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BAUER, Martin W.; GASKELL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2017.

BORBA, Marcelo de Carvalho; SILVA, Ricardo Scucuglia Rodrigues da; GADANIDIS, George. Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

BRASIL. LEI Nº 9.394/1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, 1996.

BRASIL. RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1/2002. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica. Brasília, 2002.

BRASIL. Parecer CNE/CP nº 5/2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011-pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em:25 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP 2, de 12 de julho de 2015. Brasília, DF, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 05 nov. 2020

COSTA, Fernando Albuquerque. O potencial transformador das TIC e a formação de professores e educadores. In: ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de; DIAS, Paulo; SILVA, Bento Duarte da (Org.). Cenários de inovação para a educação na sociedade digital. São Paulo: Edições Loyola, 2013. p. 47-74.

CYRINO, Márcia Cristina Costa Trindade; PASSERINI, Gislaine Alexandre. Reflexões sobre o estágio supervisionado do curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Londrina. In: CAINELLI, Marlene Rosa; SILVA, Ileizi Luciana Fiorelli (Orgs.). O estágio na licenciatura: a formação de professores e a experiência interdisciplinar na Universidade Estadual de Londrina. 1ed. Londrina: UEL/Prodocencia/Midiograf, 2009. p. 125-144.

DIAS, Érika; PINTO, Fátima Cunha Ferreira. A Educação e a Covid-19. Ensaio: aval.pol.públ.Educ., Rio de Janeiro, v. 28, n. 108, p. 545-554, Sept. 2020.

FEITOSA, Murilo Carvalho et al. Ensino Remoto: O que Pensam os Alunos e Professores? In: CONGRESSO SOBRE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO (CTRL+E), 5., 2020, Evento Online. Anais[...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2020. p. 60-68. Disponível em: https://doi.org/10.5753/ctrle.2020.11383. Acesso em: 25 out. 2020.

FELCHER, Carla Denize Ott; FOLMER, Vanderlei. Ciberformação com professores de matemática: concepções e percepções frente ao uso do código QR. Educação Matemática em Revista - RS - ANO 20 - 2019 - número 20 - v.1 – p. 62 – 71.

FELCHER, Carla Denize Ott. Tecnologias digitais: percepções dos professores de matemática no contexto do desenvolvimento profissional docente. Tese de Doutorado. Programa Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde. UFRGS. 2020.

FIORENTINI, Dario; CASTRO, Franciana Carneiro de. Tornando-se professor de matemática: o caso de Allan em prática de ensino e estágio supervisionado. In: FIORENTINI, Dario (Org.). Formação de professores de Matemática: explorando novos caminhos com outros olhares. Campinas: Mercado das Letras, 2003.

Gil, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de pesquisa social. São Paulo: Altas, 2012.

HODGES, Charles et al. The Difference Between Emergency Remote Teaching and Online Learning. Educause Review, [S. l.], março, 2020.

INSTITUTO NACIONAL ESTUDOS E PESQUISAS. Falta de professores preocupa especialistas. In: MINISTÉRIO da Educação, [S. l.], 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu-secretaria-de-educacao-superior?task=view&id=9885. Acesso em: 25 nov. 2020.

JOYE, Cassandra Ribeiro; MOREIRA, Marília Maia; ROCHA, Sinara Socorro Duarte. Distance Education or Emergency Remote Educational Activity: in search of themissing link of school education in times of COVID-19. Research, Society and Development, v. 9, n. 7, p. 1-29, 2020.

REICH, Justin et al. Remote learning guidance from state education agencies during the COVID-19 pandemic: a first look. EdArXiv, [S. l.], 2020.

LIMA, Maria Socorro Lucena; PIMENTA, Selma Garrido; Estágio e docência: diferentes concepções. Revista Poíesis, v. 3, n. 3, p.5-24, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.5216/rpp.v3i3e4.10542. Acesso em: 09 out. 2019.

MATOS, Daniel Abud Seabra; JARDILINO, José Rubens Lima. Os conceitos de concepção, percepção, representação e crença no campo educacional: similaridades, diferenças e implicações para a pesquisa. Educação & Formação, Fortaleza, v. 1, n. 3, p. 20-31, set./dez., 2016.

PAPERT, Seymour. Techology in Schools: To support the System of Render it Obsolete? Educational Technology, [S. l.], 2005.

PIMENTEL, Fernando Silvio Cavalcante; FEITOZA, Maria Janaína dos Santos. O uso da tecnologia móvel (celular) no contexto educacional. Revista Educação a Distância e Práticas Educativas Comunicacionais e Interculturais, São Cristóvão, v. 17, n. 03, p. 129-139, 2017.

SANTOS JÚNIOR, Verissimo Barros dos; MONTEIRO, Jean Carlos da Silva. Educação e covid-19: as tecnologias digitais mediando a aprendizagem em tempos de pandemia. Revista Encantar-Educação, Cultura e Sociedade, v. 2, p. 1-15, 2020.

SAKAI, Edinalva da Cruz Teixeira; PEREIRA, Patrícia Sandalo. Dialogando com as modalidades de práticas de estágio supervisionado em Matemática. Revista Paranaense de educação Matemática, Campo Mourão, v.6, n.10, p.90-117,jan.-jun. 2017.

SILVA, Luiz Alessandro da; PETRY, Zaida Jeronimo Rabello; UGGIONI, Natalino. Desafios da educação em tempos de pandemia: como conectar professores desconectados, relato da prática do estado de Santa Catarina. In: PALÚ, Janete; SCHÜTZ, Jenerton Arlan; MAYER. Leandro. Desafios da educação em tempos de pandemia. Cruz Alta: Ilustração, 2020.

SOUSA, Daniel Keglis. Utilização e integração das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação nos processos de ensino: um estudo a partir da capacitação do PROMIDIAS.2017. 194 p. Dissertação de Mestrado. UFPel, 2017.

SOUZA, Ester Maria de Figueiredo; FERREIRA, Lúcia Gracia. Ensino remoto emergencial e o estágio supervisionado nos cursos de licenciatura no cenário da Pandemia COVID 19. Revista Tempos E Espaços Em Educação, v. 13, n. 32, p. 1-19, 2020.

UNESCO. A Comissão Futuros da Educação da Unesco apela ao planejamento antecipado contra o aumento das desigualdades após a COVID-19. Paris: Unesco, 16 abr. 2020. Disponível em: https://pt.unesco.org/news/comissao–futuros–da–educacao–da–unesco–apela–ao–planejamento–antecipado–o–aumento–das. Acesso em: 2 nov. 2020.

VALENTE, Geilsa Soraia Cavalcanti et al. O ensino remoto frente às exigências do contexto de pandemia: Reflexões sobre a prática docente. Research, Society and Development, v. 9, n. 9, 2020.

VALVERDE, Liliane Pires. A Experiência do Estágio Supervisionado para alunas de um curso Normal: Algumas contribuições para a Formação de Educadores. 2005. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências). Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2005.

Downloads

Publicado

2021-10-30

Como Citar

FELCHER, C. D. O.; SOUSA, D. K. de. Estágio curricular no ensino remoto: concepções e percepções dos professores em formação inicial: . Revista BOEM, Florianópolis, v. 9, n. 18, p. 50-66, 2021. DOI: 10.5965/2357724X09182021050. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/boem/article/view/19130. Acesso em: 29 nov. 2021.