Criar e Contra-Narrar Metodologias de Pesquisa e Processos de Criação Não Hegemônicos em Artes Visuais na Universidade Federal de Sergipe e Universidade Federal da Bahia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267932023124

Palavras-chave:

pesquisa nas artes visuais, ensino não hegemônico, metodologia de pesquisa, processos de criação

Resumo

O presente artigo nasce da troca de experiências entre duas docentes do Magistério Superior, lotadas na Universidade Federal da Bahia e Universidade Federal de Sergipe, busca debater diferentes práticas pedagógicas no ensino das artes visuais que contemplam contra-narrativas anticoloniais e interseccionais, considerando os diversos marcadores de diferença, não dissociando os diferentes eixos de subordinação, como raça, classe e sexualidade para pensar a pesquisa acadêmica e processos de criação em Artes Visuais no âmbito da graduação. Reflete como as práticas e leituras dos textos de Grada Kilomba, bell hooks, Nêgo Bispo, Luiz Antônio Simas, Luiz Rufino, Kimberlé Crenshaw e Patrícia Hill Collins influenciama construção de metodologias voltadas à reflexão, discussão e produção atravessadas por temas compreendidos como dissidentes. Desse modo, propõem um olhar crítico para os componentes curriculares Metodologia da Pesquisa em Artes Visuais e Cerâmica I e II.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yasmin de Freitas Nogueira, Universidade Federal de Sergipe

Artista Visual e professora Adjunta da Licenciatura em Artes Visuais- Departamento de Artes Visuais e Design da Universidade Federal de Sergipe-UFS. Doutora em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia-UFBA, Mestra em Cultura e Sociedade - Pós Cultura - IHAC – UFBA e Bacharela em Artes Visuais pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia- UFRB. Em seu processo de pesquisa e criação artística, investiga as vivências de mulheres negras em diáspora, em linguagens como performance, vídeo, fotografia e experimentos híbridos no campo da arte e tecnologia. Têm participado de projetos, congressos e exposições nacionais e internacionais como projeto OBÌNRIN - Ancestralidade, Residência Artística e Performance Negra Feminista (2018), o Projeto Photocena. Flotar Programa/Comfort Station/ Secult-Ba. Latitude. Chicago-EUA (2019) e a Segunda conferência Continental do ALARI sobre Estudos Afro-Latino-Americanos na Universidade de Harvard. (2022)

Luisa Magaly Santana Oliveira Reis, Universidade Federal da Bahia

Luisa Magaly Santana Oliveira Reis é Artista Visual e professora assistente do Departamento de Expressão Gráfica e Tridimensional da Escola de Belas Artes da Universidade Federal da Bahia. Licenciada em Artes Visuais - Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF. Mestra em Processos de criação em Artes Visuais pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal da Bahia. Está doutoranda em Artes Visuais pelo PPGAV-UFBA. É membra do Grupo de Pesquisa Arte Híbrida (CNPq/UFBA). Possui trabalhos em múltiplos meios visuais, com destaque para a expressão tridimensional. Sua pesquisa se dá por meio da elaboração de corpos-objetos e imagens-palavras, a partir dos fundamentos presentes na espiritualidade umbandista, onde destaca as referências das religiões amefricanas.

Referências

ALCOFF, Linda. Uma epistemologia para a próxima revolução. Sociedade e Estado, Brasília, n. 01, v. 31, 2016. Disponível em: . Acesso em: 04 jun. 2023.

BRASIL. Lei 10.639 de 9 de janeiro de 2003. D.O.U. de 10 de janeiro de 2003.

BRASIL. Lei 11.645, de 10 março de 2008. D.O.U. de 11 de março de 2008.

CATTANI, Icleia Borsa. Arte Contemporânea: o lugar da pesquisa. In: BRITES, Blanca e TESSLER, Elida (org). Meio como ponto zero. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2002.

COLLINS, Patrícia Hill. Epistemologia feminista negra. In: COSTA, Joaze Bernardino; TORRES, Nelson Maldonado, GROSFOGUEL, Ramón (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. Belo Horizonte. Autêntica, 2018.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos feministas. Ano 10, 2002.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade/ bell hooks. Tradução de Marcelo Brandão Cipolla. 2. ed. São Paulo : Editora WMF, Martins Fontes, 2017.

hooks, bell. Talking Back:Thinking Feminist, Talking Black. Boston: South End press, 1989.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Editora Cobogó, 2019.

LORDE, Audre. Não Há Hierarquias de Opressão. In: LORDE, Audre.I Am Your Sister - Collected and unpublished writings of Audre Lorde, Oxford University Press, 2009.

LOSE, Alícia Duhá; MAGALHÃES, Lívia Borges Sousa. Metodologia do trabalho científico: Elaboração de projeto. Salvador: UFBA, Faculdade de Educação; Superintendência de Educação a Distância, 2019.

MATTOS, Nelma Cristina Silva Barbosa. Arte Afro-brasileira: identidade e artes visuais contemporâneas. Jundiaí, São Paulo. Paco Editorias, 2020.

OYWÙMÍ, Oyèrónk. A invenção das mulheres: construindo um sentido africano para os discursos ocidentais de gênero / Oyèrónk Oywùmí; tradução Wanderson Flor do Nascimento. – 1. ed. – Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

REY, Sandra. Por uma abordagem metodológica da pesquisa em artes visuais. In: Meio como ponto zero. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2002.

SANTOS, Antônio Bispo dos (NÊGO BISPO). Colonização, Quilombos, modos e significados. Brasilia: Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Inclusão no Ensino Superior e na Pesquisa - INCTI . 2015.

SIMAS, Luiz Antonio, RUFINO, Luiz. Fogo no mato: a ciência encantada das macumbas / Luiz Antônio Simas, Luiz Rufino. Rio de Janeiro : Mórula, 2018.

ZAMBONI, Silvio. A pesquisa em Arte: um paralelo entre arte e ciência. 4 ed. Revisada- Campinas, SP: Autores associados, 2012.

Downloads

Publicado

2024-01-04

Como Citar

NOGUEIRA, Yasmin de Freitas; REIS, Luisa Magaly Santana Oliveira. Criar e Contra-Narrar Metodologias de Pesquisa e Processos de Criação Não Hegemônicos em Artes Visuais na Universidade Federal de Sergipe e Universidade Federal da Bahia. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 9, n. 3, p. 124–137, 2024. DOI: 10.5965/24471267932023124. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/23890. Acesso em: 20 maio. 2024.