A perspectiva contemporânea de nomadismo na trajetória de uma professora negra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267822022042

Palavras-chave:

Nomadismo, Feminismo Negro, Relações Étnicos Raciais

Resumo

Compreender o nomadismo numa perspectiva descolonizada é despertar novas percepções para a contemporaneidade. Entretanto, esta pesquisa tem como objetivo descrever a trajetória de nomadismo do/a narrador/a da presente pesquisa apropriando-se de um contexto familiar, social, étnico racial, educativo e profissional. O referencial teórico contemplou discussões acerca do nomadismo, das relações étnicas raciais, feminismo negro. Os procedimentos metodológicos adotados consistiram a partir de uma pesquisa autobiográfica ao qual foi escolhido como instrumento de pesquisa as narrativas e memórias da narradora. Os dados obtidos refletem a fundamentação teórica, onde percebeu-se a presença de questões relacionadas ao nomadismo, feminismo negro, e as relações étnicas. Com base nos resultados e discussões apresentadas, considera-se a importância de trazer o conceito de nomadismo para a contemporaneidade com o intuito dos sujeitos percebe-se nesse processo de movimentação/ deslocamentos e mudanças na sociedade como ato de libertação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Imara Queiroz Bispo, UFSB - GEMINA

Mestra em Ensino e Relações Étnicos – Raciais pela Universidade Federal do Sul da Bahia.

Célia Regina da Silva

Doutora em Comunicação Social - Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social (PÓSCOM) da Universidade Metodista de São Paulo (UMESP).

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Memória, narrativas e pesquisa autobiográfica. História da Educação, v. 7, n. 14, p. 79-95, 2003.

BICUDO, Maria Aparecida Viggiani. A pesquisa em educação matemática: a prevalência da abordagem qualitativa. Revista Brasileira de Ensino de Ciência e Tecnologia, v. 5, n. 2, 2012.

CUNHA, Luiz Antônio. A universidade temporã – da Colônia à Era Vargas. 2.ed. rev., ampl. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1986.

Cardoso Júnior, Hélio Rebello. Por que ainda é importante pensar como um nômade em nosso tempo. Educação e Filosofia, v. 26, n. 52, p. 599-612, 2012. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/127027.

DA SILVA SÁ, Janaína. NOMADISMO, DESLOCAMENTOS E TRAJETÓRIAS ERRANTES: IDENTIDADES EM JOGO NA NARRATIVA DE CAROLINA MARIA DE JESUS. Caderno Seminal, v. 32, n. 32, 2019.

DE ALMEIDA ROCHA, Wesley Thales. TRANSPASSAGENS: NOMADISMO, SUBJETIVIDADE E INTERSUBJETIVIDADE EM FLORES ARTIFICIAIS, DE LUIZ RUFFATO. Revista Araticum, v. 20, n. 2, p. 140-156, 2019.

DOS SANTOS, Sonia Beatriz. Feminismo negro diaspórico. Revista Gênero, v. 8, n. 1, 2007.

LIBERATO, Leo Vinicius Maia. Nomadismo pós-moderno. Política & Sociedade, v. 1, n. 1, p. 225-234, 2002.

MUNANGA, Kabengele. Diversidade, etnicidade, identidade e cidadania. Palestra proferida, n. 1º, 2005.

MUNANGA, Kabengele. Negritude e identidade negra ou afrodescendente: um racismo ao avesso?. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), v. 4, n. 8, p. 06-14, 2012.

RODRIGUES, Hanna Cláudia Freitas; DE JESUS PINHEIRO, Jonas. A necropolítica neoliberal de encontro ao nomadismo: uma corpografia dos povos errantes na Bahia, no contexto do bolsonarismo no Brasil. Revista Extraprensa, v. 13, n. 1, p. 241-261, 2019.

Downloads

Publicado

2022-10-06

Como Citar

BISPO, I. Q.; SILVA, C. R. da. A perspectiva contemporânea de nomadismo na trajetória de uma professora negra. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 8, n. 2, p. 042-054, 2022. DOI: 10.5965/24471267822022042. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/22159. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos Seção temática