Fotografias feitas a mãos de escrita: uma poética do infravisual na Educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267612020040

Palavras-chave:

docência , escripção , fotografia , infravisual , poética

Resumo

O texto aborda conceitos e materiais trabalhados em aula a partir de uma proposta de estágio de docência em uma disciplina voltada para as licenciaturas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. A proposta se vale de exercícios de escrita e trabalha um viés poético, a partir de um visual fotográfico. Procura-se entrar na arte literária com o fazer da fotografia para escrever com o ínfimo, como um fator mínimo, o infra de um cotidiano visual da docência. Ao tomar esse fazer em uma concepção com o fotográfico, teríamos algo como um infravisual, uma poética. Compreende-se com Barthes (2013) que a escrita envolve um gesto manual e esse gesto ele o chama de escripção, se dá na prática de uma escrita manu-corporal. E, com Valéry (2018) e Adó (2013), como uma ação transformadora do espírito. Por fim, e por vias fotográficas, afirma-se o trabalho docente ao especular sobre o fazer artístico da escritora Virginia Woolf. Nisso, observa-se uma potência que pode, (ao extrair desses estudos recursos literários) viabilizar a produção de uma escrita em Educação que seja, ela mesma, de tropo fotográfico. Ou seja, um pensamento fotográfico que se produz por uma poética do infravisual.

 



Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Steph Lotus, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestranda em Filosofias da Diferença e Educação pela Faculdade de Educação - FACED/UFRGS. Graduada em licenciatura em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2018. Atua como Fotógrafa, Artista Visual e Professora de Artes. Ministra cursos e workshops. Tem experiência na área da Fotografia e pesquisa em Artes visuais. Tem atuação na área de Educação com ênfase em Artes Visuais, pesquisa principalmente a área da Fotografia relacionada com os seguintes temas: arte educação, escrita, literatura, processos alternativos em fotografia.

http://lattes.cnpq.br/6699575165075694

Máximo Daniel Lamela Adó, UFRGS - Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professor Adjunto no Departamento de Ensino e Currículo da Faculdade de Educação e Professor Permanente no Programa de Pós-Graduação e Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. Coordenador o AtEdPo – Ateliê de Educação Potencial. Doutor em Educação (UFRGS). Mestre e Teoria Literária (UFSC) e Licenciado em Ciências Sociais (UFSC).

 

http://lattes.cnpq.br/5778480459612105

Referências

ADÓ, M. D. L. Educação Potencial: autocomédia do intelecto. Tese de Doutorado. Orientadora: Sandra Mara Corazza. Porto Alegre: UFRGS, 2013.

ADÓ, M. D. L. Tradução criadora na formação de professores – projeto de pesquisa. UFRGS-DEC- Departamento de ensino e currículo, 2016.

ADÓ, M. D. L. [∞] ESPAÇO [∑]. In: Sandra Mara Corazza. (Org.). Breviário dos sonhos em educação. 1ed.São Leopoldo: Oikos, 2019, p. 47-53.

BARTHES, R. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Tradução de Júlio Castañon Guimarães. 7ª. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

BARTHES, R. Variaciones sobre la escritura. [S.l.]: Paidos Iberica Ediciones S A, 2002.

BARTHES, R. O grão da voz. Tradução de Mário Laranjeira. São Paulo: Martins Fontes, 2004b.

BARTHES, R. Aula. Tradução de Leila Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 2013.

BARTHES, R. O prazer do texto. Tradução de J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2015.

BARTHES, R. Roland Barthes por Roland Barthes. Tradução de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Estação Liberdade, 2017.

BRIZUELA, N. Depois da fotografia: uma literatura fora de si. Tradução de Carlos Nougué. 1. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

CORAZZA, S. M. O que se transcria em Educação? Porto alegre: UFRGS; Doisa, 2013.

DUBOIS, P. O Ato Fotográfico e Outros Ensaios. Tradução de Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, v. 14, 2012.

DUCHAMP, M. Notas. Tradução de Dolores Díaz Vaillagou. Madrid: Tecnos, 1989.

FRANCA-HUCHET, P. INFRA-MINCE ou um murmúrio secreto. ARJ Brasil, v. 2, n. 2, p. 40-59, jul/dez 2015.

HUMM, M. Virginia Woolf e a Fotografia. Comunicação e Sociedade, p. 375-385, 2017.

KRAUSS, R. O fotográfico. Tradução de Anne Marie Davée. Barcelona: Gustavo Gili, 2002.

PEREC, G. Aproximações do quê? ALEA, v. 12, n. 1, p. 178-180, janeiro-junho 2010.

PIMENTEL, B. Paul Valéry Estudos Filosóficos Tese (Doutorado em Filosofia) Universidade de São Paulo. São Paulo: [s.n.], 2008. 187 p.

VALÉRY, P. Introdução ao Método de Leonardo da Vinci. Tradução de José Martins Garcia. Lisboa: Arcádia, 1979.

VALÉRY, P. Variedades. Tradução de João Alexandre Barbosa. São Paulo: Iluminuras, 1991.

VALÉRY, P. Lições de Poética. Tradução de Pedro Sette-Câmara. Belo Horizonte: Âyiné, 2018.

WOOLF, V. Um teto todo seu. Tradução de Bia Nunes de Sousa. [S.l.]: Tordesilhas, 2014.

WOOLF, V. O sol e o peixe: contos. Tradução de Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

WOOLF, V. A arte da brevidade: contos. Tradução de Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

Downloads

Publicado

2020-04-30

Como Citar

LOTUS, S.; LAMELA ADÓ, M. D. Fotografias feitas a mãos de escrita: uma poética do infravisual na Educação. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 6, n. 1, 2020. DOI: 10.5965/24471267612020040. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/17020. Acesso em: 29 set. 2022.