As concepções de verdade histórica e intersubjetividade no conhecimento histórico de jovens estudantes do ensino médio

Marcelo Fronza

Resumo


Este artigo investigou como os jovens estudantes brasileiros do ensino médio de quatro escolas públicas compreendem as ideias sobre o significado da verdade histórica e da intersubjetividade no conhecimento histórico. Assim, são citadas as investigações sobre a verdade histórica e objectividade a partir dos trabalhos de Isabel Barca (2000) e as considerações teóricas de filósofos da história e historiadores (SCHAFF, 1983; CERTEAU, 2006; DRAY, 1969, 1980; WALSH, 1979; McCULLAGH, 1984, 1998; MARTIN, 1989, 1993). Pretendeu também verificar como os alunos lidam com a ideia de intersubjetividade quando suas identidades são confrontadas com o conhecimento histórico (RÜSEN, 2007; LUKÁCS, 2003). Utilizou um instrumento de pesquisa com o objetivo de diagnosticar como os jovens compreendem a relação entre verdade histórica e a intersubjetividade. A intenção é apresentar as respostas dos estudantes a uma pergunta desse instrumento de investigação: O que é história para você? Esta questão visa entender as ideias dos jovens sobre se há um acesso epistêmico a realidade ou há um corte epistemológico entre o sujeito cognoscente e realidade investigada (BARCA, 2000). Pretendeu detectar se estes alunos compreendem que a história é um conhecimento que organiza a orientação do sentido de tempo (RÜSEN, 2001, 2009, 2010a).

Palavras-chave: Educação História; Intersubjetividade; Verdade Histórica; Concepção de História.

 


Texto completo:

HTML PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Observações sobre e epistemologia das ciências humanas. In: BAKHTIN, Mikhail M. Estética da criação verbal. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000, p. 399-414.

BARCA, Isabel. O pensamento histórico dos jovens: idéias dos adolescentes acerca da provisoriedade da explicação histórica. Braga: Universidade do Minho, 2000.

BORRIES, Bodo von. Historical understanding of students, an interpretation of a single case. In: MARTENS, Matthias et. al. (Eds.). Interpersonal understanding in historical context. Rotterdan/Boston/Taipei: Sense Publishers, 2009.

BORRIES, Bodo von. How to examine the (self-) reflective effects of History Teaching. In: BJERG, Helle; LENZ, Claudia; THORSTENSEN, Erik (Eds.). Historicizing the uses of the past: scandinavian perspectives on history culture, historical consciousness and Didactics on History related to World War II. Bielefeld: Transcript, 2011.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

DUBET, François; MARTUCCELLI, Danilo. En la escuela: sociología de la experiência escolar. Buenos aires: Editorial Losada, 1998.

DRAY, William. Filosofia da história. Rio de Janeiro: Zahar, 1969.

DRAY, William. Perspectives on history. Londres: Routledge and Paul Kegan, 1980.

FRONZA, Marcelo. A intersubjetividade e a verdade na aprendizagem histórica de jovens estudantes a partir das histórias em quadrinhos. Curitiba: 2012 (Tese de Doutorado em Educação – UFPR).

LESSARD-HÉBERT, Michelle; GOYETTE, Gabrie; BOUTIN, Gérald. Investigação qualitativa: fundamentos e práticas. Lisboa: Instituto Piaget, 2005.

LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe: estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

LUNN, Eugenne. Marxismo y modernismo: um estudio histórico de Lukács, Brecht, Benjamin y Adorno. Ciudad del México: Fondo de Cultura Económica, 1986.

MARTIN, Raymond. The past with us: an empirical approach to philosophy of history. Princeton: Princeton University Press, 1989.

MARTIN, Raymond. Objectivity and meaning in historical studies: toward a post-analytic view. In: History and theory: studies in the philosophy of history, Middletown: Wesleyan Univesity, 32, (1), p. 25-50, 1993.

McCULLAGH, C. Behan. Justifying historical descriptions. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

McCULLAGH, C. Behan.The truth of history. London/New York: Routledge, 1998.

OAKESHOTT, Michael. Sobre a história e outros ensaios. Trad. Renato Rezende. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003.

RÜSEN, Jörn. A razão histórica: teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Brasília: UnB, 2001.

RÜSEN, Jörn. História viva: teoria da história iii: formas e funções do conhecimento histórico. Brasília: UnB, 2007.

RÜSEN, Jörn. Narratividade e objetividade nas ciências históricas. Trad. Estevão Resende Martins. In: SCHMIDT, M. A., BARCA, I.; MARTINS, E. R. (Org.). Jörn Rüsen e o Ensino de História. Curitiba: UFPR, 2010b. p. 129-150).

RÜSEN, Jörn. O desenvolvimento da competência narrativa na aprendizagem histórica: uma hipótese ontogenética relativa à consciência moral. Trad. Ana Cláudia Urban & Flávia Vanessa Starcke. In: SCHMIDT, M. A., BARCA, I. & MARTINS, E. R. (Org.). Jörn Rüsen e o ensino de história. Curitiba: UFPR, 2010a, p. 51-77.

RÜSEN, Jörn. ¿Qué es la cultura histórica?: Reflexiones sobre una nueva manera de abordar la historia. [Unpublished Spanish version of the German original text in K. Füssmann, H.T. Grütter and J. Rüsen, eds. (1994). Historische Faszination. Geschichtskultur heute. Keulen, Weimar and Wenen: Böhlau, p. 3-26], 2009. Disponível em: < http://www. culturahistorica.es/ruesen/cultura_historica.pdf>. Acesso em 28 fev. 2014.

SCHAFF, Adam. História e verdade. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora. Cognição histórica situada: que aprendizagem histórica é essa? In: SCHMIDT, Maria Auxiliadora; BARCA, Isabel (Orgs.). Aprender história: perspectivas da educação histórica. Ijuí: Editora UNIJUÍ, 2009, p. 21-51.

WALSH, William Henry. Introdução à filosofia da história. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.




DOI: https://doi.org/10.5965/2175180306112014299

Contato:
Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC
Centro de Ciências Humanas e da Educação - FAED
Programa de Pós-Graduação em História - PPGH
Av. Madre Benvenuta, 2007 - Itacorubi - Florianópolis - SC
CEP: 88.035-001            Telefone: (48) 3664-8585
tempoeargumento@gmail.com