A VOZ NO BLUES: IDENTIDADE, QUESTÕES DE GÊNERO E RACIALIZAÇÃO

Paola Menegat Delazzeri

Resumo


Este artigo depreende-se da pesquisa que desenvolvi no Mestrado em Música na Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), que tratou dos significados atribuídos à prática do gênero musical blues na cidade de Caxias do Sul (RS) e, sobretudo, das práticas vocais ligadas a esse gênero musical. Nele, busco compreender como a voz se constrói a partir de valores identitários, de questões de gênero e de racialização. Objetivo, portanto, discutir, a partir da experiência etnográfica, realizada de agosto de 2017 a janeiro de 2018, a voz em performance como meio de desconstruir normatizações e binarismos ligados ao saber-fazer vocal.

 


Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BISCARO, Bárbara. Gênero, sexo e escuta na voz em performance. Urdimento, v. 1, n. 22, p. 15-26, 2004.

BUTLER, Judith. Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do ‘pós-modernismo’. CadernosPagu, n.11, p. 11-42, 1998.

DAVIS, Angela. Blues, Legacies, and Black Feminism: Gertrud “Ma”Rainey, Bessie Smith, and Billie Holiday. New York: Vintage Books, 1998.

______.Mulheres, raça e classe. Tradução: Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

DOMINGUEZ, Maria Eugenia. Irreverência e tradição em uma orquestra de tango: a versão como transgressão. Ilha: Revista de Antropologia. v. 13, n.1-2, 2011.

EIDSHEIM, Nina. Synthesizing Race: Toward an analyses of the performativity of vocal timbre. Revista Transcultural de Música, n.13, 2009. Disponível em: Acesso em: 12 março de 2018.

FELD, Steven; FOX, Aaron A.; PORCELLO, Thomas; SAMUELS, David. Vocal anthopology: from the music language to the language of song. In: DURANTI, Alessandro (Ed.). A companion to linguistic anthopology. Oxford: Blackwell, 2004. p. 321-345.

FINNEGAN, Ruth. O que vem primeiro: o texto, a música ou a performance. In: MATOS, Cláudia Neiva de; TRAVASSOS, Elizabeth; MEDEIROS, Fernanda Teixeira de (Orgs.). Palavra cantada: ensaios sobre poesia, música e voz. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.p. 15-45.

FOUCAULT, Michel. Tecnologias delyo: y otros textos afines. Tradução: Mercedes Allendesalazar. Barcelona: Paidós Ibérica, 1990.

______. Vigiar e Punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1997.

______. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

HALL, Stuart. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz T. da. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

______. Que "negro" é esse na cultura negra. In:SOVIK, Liv (Org.). Da Diáspora: Identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2003.p. 335-349.

______. A identidade cultura na pós-modernidade. 10. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

______.A esperança de Pandora. Bauru: EDUSC, 2001.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: ForenseUniversitária, 2000.

MARTIN, Denis-Constant. The musical heritage of slavery: From creolization to “world music”. In: WHITE, Bob W. (Org.). Music and Globalization: Critical Encounters. Bloomington: Indiana University Press, 2012.

MAUSS, Marcel. As Técnicas corporais. In: _____.Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac &Naify, 2003.

MATOS, Cláudia Neiva de; TRAVASSOS, Elizabeth; MEDEIROS, Fernanda Teixeira de (Orgs.). Palavra cantada: ensaios sobre poesia, música e voz. Rio de Janeiro: 7 letras, 2008.

MIDDLETON, Richard. Studying Popular Music. Buckingham: Open University Press, 1990.

MEYER, Leonard. El estilo em la música. Teoría musical, historia e ideología. Madrid: Piramide, 2000.

MONSMA, Karl. Racialização, racismo e mudança: um ensaio teórico, com exemplos do pós-abolição paulista. XXVII Simpósio Nacional de História, 2013.

SCHAEFFER, Pierre. Tratado dos objetos musicais: ensaio interdisciplinar. Tradução: Ivo Martinazzo.Brasília: Edunb,1966.

SCHUCMAN, LiaVainer. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulista. 2012.Tese (Doutorado em Psicologia Social). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Espetáculo das Raças: cientistas, instituições e questão

racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

______. Racismo no Brasil. São Paulo: Publifolha, 2001.

SEEGER, Anthony et al. A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras. In: OLIVEIRA FILHO, J.P. (Org.). Sociedades indígenas e indigenismo no Brasil.Rio de Janeiro: UFRJ/Marco Zero, 1979.p. 11-29.

TRAVASSOS, Elizabeth. Um objeto fugido: voz e “musicologias”. In: MATOS, Cláudia Neiva de; TRAVASSOS, Elizabeth e MEDEIROS, Fernanda Teixeira de (Orgs.). Palavra cantada: ensaios sobre poesia, música e voz. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008. p. 199-123.

VASSE, Denis. El ombligo y la voz. Buenos Aires: Amorrortu, 2001.

VILAS, Paula Cristina. Vozes entre festas: a performance vocal, da etnografia à cena. In: MATOS, Cláudia Neiva de; TRAVASSOS, Elizabeth; MEDEIROS, Fernanda Teixeira de (Orgs.). Palavra cantada: ensaios sobre poesia, música e voz. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.p. 278-297.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores, diretórios e bases de dados


                   

   

 

Licença Creative Commons

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.