Religião, tempo e memória: interfaces para o estudo da História do Tempo Presente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/21751803ne2021e0107

Resumo

O

Este artigo reflete sobre as religiões e religiosidades como problemáticas concernentes aos estudos históricos a partir de conceitos e categorias da História do Tempo Presente. Para tanto, parte da constatação da presença da religião em nosso presente e da ampliação dessa presença, particularmente, no campo político contemporâneo. Apresenta, a título introdutório, um breve panorama dos estudos sobre as religiões e religiosidades, ressaltando elementos etimológicos e epistemológicos que demarcam o campo em questão. Além disso, disserta sobre o lugar da memória na conformação das religiões – mais especificamente, das denominações de cunho cristão – a partir das ferramentas analíticas propostas por Danièle Hervieu-Léger. E, por fim, problematiza a reflexão sobre a memória mediante uma breve análise de dados referentes à conversão religiosa no Brasil, referentes igualmente às denominações de cunho cristão, durante os últimos 20 anos.

Palavras-chave: religião; memória; história do tempo presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Jaques Cubas, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Doutora em História pela Universidade Federal de Santa Cataina (UFSC). 
Professora do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Referências

ALBUQUERQUE, Eduardo Basto de. Historiografia e religião. Revista Nures, São Paulo, 5, p. 1-10, jan./abr. 2007.

ALMEIDA, Ronaldo de. Os pentecostais serão maioria no Brasil? REVER, [São Paulo], Ano 8, p. 48-58, dez. 2008.

ALMEIDA, Ronaldo de. A onda quebrada: evangélicos e conservadorismo. Cadernos Pagu, [Campinas], v. 50, p. 1-27, 2017.

ANDRADE, Solange Ramos de. Apresentação. Revista Brasileira de História das Religiões, Maringá, v. 1, n. 1, p. 1, maio 2008.

AZEVEDO, Cristiane A. de. A procura do conceito de Religio: entre o relegere e o religare. RELIGARE, [s.l.], v. 7, n. 1, p. 90-96, mar. 2010.

BÉDARIDA, François. Tempo presente e presença da história. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, 219-229.

BETTO, Frei. Relação entre fé e política. Cult, São Paulo, v. 252, n. 22, p. 20-23, dez. 2019.

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício de historiador. Trad. André Telles. Rio de Janeiro: Jorge Zahar ed., 2001.

BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2011.

CATROGA. Fernando. Memória, história, historiografia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2002.

DERRIDA, Jacques; VATTIMO, Gianni (orgs.). A religião: o seminário de Capri. São Paulo: Estação Liberdade, 2000.

FILHO, Silvio Fausto Gil. Igreja católica romana: fronteiras do discurso e territorialidade do sagrado. 2002. Tese (Doutorado em História) – Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2002.

GOMES, Francisco José Silva. A religião como objeto da história. In: LIMA, Lana Lange Gomes; HONORATO, Cezar Teixeira; CIRIBELLI, Marilda Corrêa; SILVA, Francisco Carlos Teixeira da (orgs.). História e religião. Rio de Janeiro: Faperj: Mauad, 2002. p. 13-23.

GUADALUPE, José Luiz Perez; CARRANZA, Brenda. Novo ativismo político no Brasil: os evangélicos do século XXI. Rio de Janeiro: Konrad Adenauer Stiftung, 2020.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiências do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

HERMANN, Jacqueline. História das religiões e religiosidades. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (orgs.). Domínios da história: ensaios de teoria e metodologia. Rio de Janeiro: Campus, 1997. p. 474-535.

HERVIEU-LÉGER, Danièle. O peregrino e o convertido: a religiosidade em movimento. Petrópolis: Vozes, 2015.

HERVIEU-LÉGER, Danièle. La religion, hilo de la memoria. Barceloda: Herder, 2005.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto: Editora da PUC, 2006.

MATTA, Sergio da. História e religião. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

MONTERO, Paula. Controvérsias religiosas e esfera pública: repensando as religiões como discurso. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 32, n. 1, p. 167-183, 2012.

OAKESHOTT, Michael. Sobre a história e outros ensaios. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003.

PRANDI, Reginaldo. Caminhos do fiel: fé ano 2000. Folha de São Paulo, São Paulo, 26 dez. 1999. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/especial/fe/fe06.htm. Acesso em: 05 mar. 2021.

ROUSSO, Henry. A memória não é mais o que era. In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

ROUSSO, Henry. A última catástrofe: a história, o presente, o contemporâneo. Rio de Janeiro: FGV, 2016.

SANTOS, Ivanir dos. Marchar não é caminhar: interfaces políticas e sociais das religiões de matriz africana no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Pallas, 2019.

SARLO, Beatriz. Tempo presente: notas sobre a mudança de uma cultura. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005.

WILLIAM, Rodney. Apropriação cultural. São Paulo: Pólen, 2019.

Publicado

2021-10-06

Como Citar

CUBAS, C. J. Religião, tempo e memória: interfaces para o estudo da História do Tempo Presente. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, p. e0107, 2021. DOI: 10.5965/21751803ne2021e0107. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/21751803ne2021e0107. Acesso em: 26 out. 2021.