“O Brasileiro”: sociabilidade, categorização social e estatuto transnacionais oitocentistas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180314352022e0103

Resumo

Já desde o período anterior à independência do Brasil que a figura do “brasileiro” ocupa um lugar importante na literatura portuguesa, ficcional e não ficcional. E desde sempre a qualificação acarretou a ideia de uma natureza intermediária entre dois mundos. No espaço da monarquia atlântica não havia portugueses e brasileiros, mas havia territórios bem distintos e o “brasileiro” era o português que ia residir para o território do Brasil e depois voltava, ou não, para o reino. No século XIX, a manutenção e renovação deste circuito migratório consolidou-se já num contexto internacional pós-colonial entre dois países independentes. Sobretudo na segunda metade do século, o significativo aumento do fluxo de circulação de pessoas reflectiu-se no incremento da presença do “brasileiro” nas representações literárias, nos debates da opinião pública e mesmo nas agendas políticas. Mas neste contexto, e considerando o passado colonial que unia Portugal e Brasil, o “brasileiro” não foi visto como um mero emigrante. Mas, de facto, como uma figura que continuava a fazer a mediação entre dois mundos, entre duas entidades nacionais, sem nunca corresponder à integridade da origem nem do destino: uma categoria social híbrida e, veremos, transnacional.

Palavras-chave: Portugal; Brasil; transnacionalismo; emigração; identidade nacional; categorização social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabel Corrêa da Silva, Universidade de Lisboa (ULisboa)

Doutora em História pela Universidade de Lisboa (ULisboa). Investigadora Auxiliar no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS/Ulisboa)

Referências

AAVV. Assistência Pública e Privada no Rio de Janeiro (Brasil): História e Estatística. Comemoração do Centenário da Independência. Rio de Janeiro: Typ. "Anuário do Brasil", 1922.

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. Proletários e escravos: imigrantes portugueses e cativos africanos no Rio de Janeiro, 1850-1872. Novos Estudos, n. 21, p. 30-57, Julho 1988.

ALMEIDA, Pedro Tavares de. A construção do estado liberal: Elite política e burocracia na "Regeneração" (1851-1890). Tese de doutoramento. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, 1995.

ALVES, Jorge Fernandes. Os Brasileiros: Emigração e Retorno no Porto Oitocentista. Porto: s.n., 1994.

ARAÚJO, Maria Marta Lobo de, ESTEVES, Alexandra, COELHO, José Abílio, FRANCO, Renato. (Coord.). Os “Brasileiros” enquanto agentes da mudança: poder e assistência. Braga/Rio de Janeiro: CITCEM - Universidade do Minho/Fundação Getúlio Vargas, 2013.

BARBOSA, José. As relações luso-brasileiras: a imigração e a “desnacionalização” do Brasil. Lisboa: José Barbosa, 1909.

CASTRO, Zília Osório de, SILVA, Júlio Rodrigues da, SARMENTO, Cristina Montalvão Sarmento. (Org.). Tratados do Atlântico Sul: Portugal-Brasil, 1825-2000. Lisboa: Ministério dos Negócios Estrangeiros, 2006.

CAVALHEIRO, Rodrigues. Dom Carlos I e o Brasil. Lisboa: Separata de Diário da Manhã, 1957.

CRUZ, Maria Antonieta. Os Burgueses do Porto na Segunda Metade do Século XIX. Porto: Fundação Eng. António de Almeida, 1999.

FONSECA, Fernando Taveira da. Elites e classes médias. In: José Matoso. (Dir.). História de Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores, 1993, vol. 5 (O Liberalismo).

FONSECA, Helder Adegar e REIS, Jaime. José Maria Eugénio de Almeida, um capitalista da Regeneração. Análise Social, Lisboa, v. XXIII, n. 9, p. 865-904, 1987.

FONSECA, Vítor Marques da. Beneficência e auxílio mútuo no associativismo português: Rio de Janeiro, 1903-1916. Revista Migrações, n. 5, p. 221-237, Outubro de 2009.

FONTANA, Josep. Cambio económico y atitudes politicas en la España del siglo XIX. 2ed. Barcelona: Ariel, 1975.

FORJAZ, Jorge. Mercês Honoríficas do século XX (1900-1910). Lisboa: Guarda-Mor, 2012.

GAY, Peter. Une culture bourgeoise: Londres, Paris, Berlin: biographie d'une classe sociale, 1815-1914. Paris: Éditions Autrement, 2005.

GODINHO, Vitorino Magalhães. Estrutura da Antiga Sociedade Portuguesa. Lisboa: Arcádia, 1971.

LAINS, Pedro. Os Progressos do Atraso: Uma Nova História Económica de Portugal, 1842-1992. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2003.

LESSA, Carlos. Nação e Nacionalismo a partir da experiência brasileira. Estudos Avançados, São Paulo, v. 22, n. 62, p. 237-256, 2008.

MAGEE, Gary B. e THOMPSON, Andrew S. The Global and Local: Explaining Migrant Remittance Flows in the English-Speaking World, 1880-1914. The Journal of Economic History, v. 66, n. 1, p. 177-202, Fevereiro 2006.

MARTINS, Conceição Andrade. Opções económicas e influência política de uma família burguesa oitocentista: o caso de São Romão e José Maria dos Santos. Análise Social, Lisboa, v. XXVII, n. 116-117, p. 367-404, 1992.

MAYER, Arno J. The Persistence of the Old Regime: Europe to the Great War. Nova Iorque: Pantheon Books, 1981.

MENEZES, Lená Medeiros de. Os Indesejáveis: Desclassificados da Modernidade: protesto, crime e expulsão na Capital Federal (1890-1930). Rio de Janeiro: EdUERJ, 1996.

MÓNICA, Maria Filomena Mónica. Capitalistas e industriais (1870-1914). Análise Social, Lisboa, v. XXIII, n. 99, p. 819-863, 1987.

MONTEIRO, Miguel. Marcas arquitectónicas do brasileiro na paisagem do Minho. In: Portugal. Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses. Os Brasileiros de torna-viagem no noroeste de Portugal. Lisboa: Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses, 2000.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Estado da Questão. Aristocracias europeias oitocentistas. Apresentação. Penélope, Lisboa, n. 12, p. 83-85, 1993.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Elites e Poder: Entre o Antigo Regime e o Liberalismo. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2007.

NÚÑEZ SEIXAS, Xosé M. Migrant associations: the Spanish transatlantic experience, 1870–1970. Social History, v. 41, n. 2, p. 136-154, 2006.

OLIVEIRA, Alberto de. Na Outra Banda de Portugal: Quatro Anos no Rio de Janeiro. Lisboa: Portugal-Brasil, 1919.

ØSTERGAARD-NIELSEN, Eva. The Politics of Migrants' Transnational Political Practices. International Migration Review, v. 37, n. 3, p. 760−786, 2003.

PEREIRA, Miriam Halpern. Livre-Câmbio e Desenvolvimento Económico. Lisboa: Sá da Costa Editora, 1983.

PEREIRA, Miriam Halpern. A Política Portuguesa de Emigração. São Paulo: EDUSC e Instituto Camões, 2002.

PEYROU, Florencia. The role of Spain and the Spanish in the creation of Europe's transnational democratic political culture, 1840-70. Social History, v. 40, n. 4, p. 497−517, 2015.

PILOTO, Adelina. O concelho de Vila do Conde e o Brasil: emigração e retorno (1865-1913). Vila do Conde: Câmara Municipal de Vila do Conde, 2014.

QUEIRÓS, Eça de. Uma Campanha Alegre: de "As Farpas". Lisboa: Livros do Brasil, 2001 [1890].

RAMOS, Rui. Desmoronamento e reconstrução da economia. In: António Reis. (Dir.). Portugal Contemporâneo. Lisboa: Alfa, 1990, v. 1.

RIBEIRO, Gladys Sabina. Mata Galegos: Os portugueses e os conflitos de trabalho na República Velha. São Paulo: Brasiliense, 1990.

RIBEIRO, Gladys Sabina. A liberdade em construção: identidade nacional e conflitos antilusitanos no Primeiro Reinado. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002

RUIZ TORRES, Pedro. Aristocracia e revolução liberal em Espanha. Penélope, Lisboa, n. 12, p. 101-118, 1993.

SANTOS, Maria de Lurdes Lima dos. Para uma Sociologia da Cultura Burguesa no Século XIX. Lisboa: Presença, 1983.

SERRÃO, Joel. Temas Oitocentistas: II. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

SERRÃO, Joel. (Dir.). Dicionário de História de Portugal. Porto: Figueirinhas, 1984, v. IV.

SILVA, Isabel Corrêa da. Espelho Fraterno: o Brasil e o republicanismo português na transição para o século XX. Lisboa: Divina Comédia, 2013.

SILVA, Isabel Corrêa da. The monarchical engagement of Portuguese immigrants in Brazil: a case of nineteenth-century transnational politics. Atlantic Studies, v. 15, n. 4, p. 539-558, 2018. Publicado on-line: 13 Dezembro 2017.

SILVA, Isabel Corrêa da, RAMOS, Rui e CARVALHO, José Murilo de. (Coord.). Dois Países, Um Sistema: a Monarquia Constitucional dos Braganças em Portugal e no Brasil (1822-1910). Alfragide: Dom Quixote, 2018.

SILVA, Isabel Corrêa da. The “Brasileiro”: a 19th century transnational social category. In: Sofia Aboim, Paulo Granjo, Alice Ramos. (Ed.). Changing societies: legacies and challenges. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2018, vol. 1 (Ambiguous inclusions: inside out, outside in), p. 221-240.

VASCONCELOS, Francisco de. A nobreza do século XIX em Portugal. Porto: Centro de Estudos de Genealogia, Heráldica e História da Família da Universidade Moderna do Porto, 2003.

WESTWOOD, Sallie e PHIZACKLEA, Annie. Trans-Nationalism and the Politics of Belonging. Londres: Routledge, 2000.

Downloads

Publicado

2022-04-30

Como Citar

SILVA, I. C. da. “O Brasileiro”: sociabilidade, categorização social e estatuto transnacionais oitocentistas. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 14, n. 35, p. e0103, 2022. DOI: 10.5965/2175180314352022e0103. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180314352022e0103. Acesso em: 28 jun. 2022.