Por uma história do associativismo torcedor nos anos 1970: dinâmicas de rivalidade, amizade e emulação na formação da ATOESP – Associação das Torcidas Organizadas do Estado de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180313342021e0306

Resumo

O artigo debruça-se sobre o surgimento e os primeiros anos de uma inédita associação de torcidas organizadas do estado de São Paulo, a ATOESP, cuja vigência se deu no decorrer da década de 1970. Com base em entrevistas, em fontes hauridas da imprensa da época e no referencial da historiografia marxista inglesa, notadamente da obra de E. P. Thompson, examinam-se as condições de existência para a criação dessa entidade que emergiu no conjunto do futebol profissional paulista naquele período histórico, em plena ditadura civil-militar brasileira. Mostra-se de que maneira, a despeito da visão de senso-comum acerca das rivalidades inter-torcidas, as lideranças dos agrupamentos reunidos na Associação cultivavam uma proximidade, um diálogo e até relações de amizade que tornaram possível a sua conformação. Neste sentido, destaca-se a vivência social que extrapolava os domínios futebolísticos e se irrigava na participação dos líderes e de seus grupos na sociabilidade dos blocos e das escolas de samba do carnaval paulistano. Em seguida, descreve-se e analisa-se a pauta reivindicativa que, na segunda metade dos anos 1970, ensejou a convocação pela ATOESP de boicotes e de atos contra medidas adotadas pela Federação Paulista de Futebol, no tocante ao calendário esportivo e ao aumento do preço dos ingressos. Por fim, na parte principal do artigo, focam-se tanto as rixas crescentes que acontecem na base dos torcedores organizados, a partir de 1976 – o que inclui o uso de armas brancas nas dependências dos estádios –, quanto a interação conflituosa das torcidas com a Polícia Militar (PM). Se há necessidade de articulação dos representantes dessas agremiações com a PM na logística e na organização das partidas, a escalada de incidentes entre torcedores e policiais no final daquele decênio, tais como reportados pelos meios de comunicação e rememorados por entrevistados, deu a tônica unificadora para as ações coletivas da ATOESP até o início dos anos 1980, quando a redemocratização da vida civil se coloca no horizonte político nacional.

Palavras-chave: história do futebol no Brasil; torcidas organizadas; jornalismo esportivo; associativismo torcedor; São Paulo; anos 1970.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bernardo Borges Buarque de Hollanda, Fundação Getúlio Vargas (FGV)

Doutor em História Social da Cultura pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Professor-adjunto da Escola de Ciências Sociais, da Fundação Getúlio Vargas (FGV/CPDOC)

Vitor dos Santos Canale, Fundação Getúlio Vargas (FGV)

Doutorando em História, Política e Bens Culturaisda na Fundação Getúlio Vargas (FGV)

Referências

ALBERTI, VERENA. Manual de História Oral. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ALMEIDA, Maria Hermínia Tavares de. “Carro-zero e pau-de-arara: o cotidiano da oposição de classe média ao regime militar”. In: SCHWARCZ, Lilia (Org.) História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, vol. 4.

CAPELATO, Maria Helena; PRADO, Maria Lygia. O bravo matutino: imprensa e ideologia no jornal O Estado de São Paulo. São Paulo: Alfa-Ômega, 1980.

CÉSAR, Benedito Tadeu. Os Gaviões da Fiel e a águia do capitalismo: ou o duelo. Campinas. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social da Unicamp, 1981.

COUTO, Euclides de Freitas. Da ditadura à ditadura: uma história política do futebol brasileiro (1930-1978). Niterói: EDUFF, 2014.

DUTRA, Heloísio. Depoimento [jun.2012]. Entrevistador: Vitor Canale. São Paulo, 2012. 1 arquivo digital de 4 horas, material transcrito.

FICO, Carlos. Além do golpe: versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Rio de Janeiro: Record, 2004.

FLORENZANO, José Paulo. “A babel do futebol: atletas intelectuais e torcedores ultras”. In: Revista de História. São Paulo. n. 163. P.149-174. Julho/Dezembro 2010.

FLORENZANO, José Paulo. A república dos torcedores. In: HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque; FLORENZANO, José Paulo. Territórios do torcer – Depoimentos de lideranças das torcidas organizadas de futebol. São Paulo: Educ, 2019.

FREITAS ASSIS, Cosme Damião. Depoimento. Projeto “Territórios do Torcer”. Entrevistador: Bernardo Buarque, Museu do Futebol. São Paulo, 2011, arquivo digital de 3 horas, material transcrito.

GONÇALVES, Lívia Magalhães. Com a taça nas mãos: sociedade, Copa do Mundo e ditadura no Brasil e na Argentina. Rio de Janeiro: Lamparina, 2014.

GONDIM, Nailson. Futebol condena agressões da Polícia Militar. São Paulo, 18/08/1981, p. 26.

GONDIM, Nailson. São-paulinos acusam e a torcida apanha. São Paulo, 12/05/1980, p. 18.

GONDIM, Nailson. Torcidas não divulgam os resultados da assembleia. São Paulo, 14/10/1979, p. 40.

GONDIM, Nailson. Corinthians vence na volta sem festa. São Paulo, 24/10/1977, p. 12.

GONDIM, Nailson. ERASMO pune policiais que agridem a torcida. São Paulo, 25/10/1977, p. 24.

GONDIM, Nailson. FIEL, mas não tanto. São Paulo, 25/10/1977, p. 24.

HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque. O clube como vontade e representação: jornalismo esportivo e a formação das torcidas organizadas de futebol no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro. Editora 7 Letras. 2009.

Jornal do Guarani. Torcidas unidas formam os Guerreiros da Tribo. n. 6, nov.-dez. 1976, p. 4.

Jornal O Estado de São Paulo. Torcidas apontam o caminho contra a violência. São Paulo, 07/09/1977, p. 23.

Jornal O Estado de São Paulo. Dirigentes erram, público paga. São Paulo, 05/04/1973, p. 34.

Jornal O Estado de São Paulo. Festa. São Paulo, 28/06/1977, p. 31.

Jornal O Estado de São Paulo. Jogos podem ser boicotados. São Paulo, 18/08/1981, p. 24.

Jornal O Estado de São Paulo. Santos também faz protesto. São Paulo, 18/08/1981, p. 24.

Jornal O Estado de São Paulo. Secretário promete punição aos policiais. São Paulo, 18/08/1981, p. 24.

LA SELVA, Wanda. O escudeiro de São Jorge – Flávio La Selva e a Gaviões da Fiel. São Paulo: Observador Legal, 2020.

LUCCA, Tânia Regina de. “História nos, dos e por meios dos periódicos”. In: Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2005.

MENDES, A. “Linha de ataque – Camisa 12”. São Paulo, 05/08/1970, p.15.

MOTA, Carlos Guilherme; CAPELATO, Maria Helena. História da Folha de S. Paulo (1921-1981). São Paulo: Impress, 1981.

NAPOLITANO, Marcos. “Recordar é vencer: as dinâmicas e vicissitudes da construção da memória sobre o regime militar brasileiro”. In: Revista Antíteses. Vol. 8, n. 5, nov. 2015, p. 09-44.

NARCISO, James. “A torcida reclama; a polícia explica”. São Paulo, 03/08/1975, p. 16.

NARCISO, James. “Corinthians vence na volta sem festa”. São Paulo, 24/10/1977, p. 12.

NARCISO, James. “Estádio vazio, a única solução”. São Paulo, 04/10/1979, p. 34.

NARCISO, James. “Gaviões querem a unanimidade”. São Paulo, 04/10/1979, p.34.

NARCISO, James. “Jogo não acaba e a Vila pode ser interditada”. São Paulo, 04/10/1979 p. 34.

NARCISO, James. APOIO ao time só na decisão. São Paulo, 04/10/1979, p. 34.

NARCISO, James. TUP começou sua campanha. São Paulo, 04/10/1979, p. 34.

PAMPLONA, Marco Antônio. “A historiografia sobre o protesto popular: uma contribuição para o estudo das revoltas urbanas”. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996, n.º 17.

PEREIRA, Leonardo Affonso de Miranda. Footballmania: uma história social do Rio de Janeiro (1902-1938). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

QUADRAT, Samantha Viz (Org.). História e memória das ditaduras do século XX. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2015.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura, esquerdas e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

Revista Placar. “Calendário ou greve”. São Paulo: Editora Abril, 1979, p. 48, n. 495.

Revista Placar. “O futebol bota o bloco na rua”. São Paulo, 23/02/1919, n.461. p.13

Revista Placar. “Portuguesa X Santos – um caso de polícia”. São Paulo, 21/08/1981, n.588, p. 6.

SKIDMORE, Thomas. Brasil, de Castelo a Tancredo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

SOUZA, Denaldo Alchorne de. Pra frente, Brasil!. São Paulo: Editora Intrínseca/Fapesp, 2018.

TEIXEIRA, Alfredo. “A torcida já pensa em fazer boicote”. São Paulo, 04/10/1979, p. 34.

THOMPSON, E. P. A formação da classe trabalhadora na Inglaterra. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981, vol. 1.

THOMPSON, E. P. “A economia moral da multidão”. In: Costumes em comum. São Paulo: Companhia das Letras.

THOMPSON, Paul. A voz do passado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

TOLEDO, Luiz Henrique. “Identidades e conflitos em campo: a guerra do Pacaembu”. In: Revista USP. São Paulo, 1996, n..

TOLEDO, Luiz Henrique. Lógicas no futebol. Editora Hucitec/Fapesp. São Paulo. 2002.

TOLEDO, Luiz Henrique. Torcidas organizadas de futebol. Campinas. Autores Associados. 1996.

Downloads

Publicado

2021-12-09

Como Citar

HOLLANDA, B. B. B. de; CANALE, V. dos S. Por uma história do associativismo torcedor nos anos 1970: dinâmicas de rivalidade, amizade e emulação na formação da ATOESP – Associação das Torcidas Organizadas do Estado de São Paulo. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 13, n. 34, p. e0306, 2021. DOI: 10.5965/2175180313342021e0306. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180313342021e0306. Acesso em: 19 ago. 2022.