A “luta” e as (in)verdades de conjuntura, a independência de São Tomé e Príncipe e a amputação das liberdades dos são-tomenses

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180313342021e0105

Resumo

Este texto tenta abordar o modo como a “luta” pela independência de São Tomé e Príncipe se constituiu numa narrativa inquestionada – aliás, não foi narrada por ter pouco que contar e por convir calar o que era sabido por alguns e intuído pelos ilhéus entrementes desapossados de voz –, mas com implicações políticas, entre elas, a aceitação do domínio de uns tantos sobre a maioria. A aliciante disrupção da “luta” a destempo após o 25 de Abril turvou a racionalidade, eliminou as possibilidades de escolha e, na circunstância, contribuiu para a gestação de novas dominações, independentemente da alegria do momento da independência e da certeza da mais que provável vitória do MLSTP se tivesse havido um referendo ou eleições sobre o rumo do arquipélago.

Palavras-chave: São Tomé e Príncipe; colonialismo; independência; conhecimento histórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Augusto Nascimento, Universidade de Lisboa (ULisboa)

Doutor em Sociologia e com Agregação em História Contemporânea pela Universidade Nova de Lisboa (NOVA). 
Investigador no Centro de História da Universidade de Lisboa (ULisboa).

Referências

CEITA, João Guadalupe Viegas de. O memórias e sonhos perdidos de um combatente pela libertação e progresso de São Tomé e Príncipe. [S. l.: s. n.], 2012.

CHAVES, Rita. Autobiografias em Moçambique: a escrita como monumento (2001-2013). Revista de História, São Paulo, n.178, a03118, 2019.

COOPER, Frederic. Histórias de África: capitalismo, modernidade e globalização. Lisboa: Edições 70, 2016.

COSTA Manuel Pinto. Discursos. São Tomé: AHSTP, 1978. v. 1.

COSTA Manuel Pinto. Terra firme. Porto: Afrontamento, 2011.

DARCH, Colin. Um olhar de fora: a história da luta armada em Moçambique e os desafios da comunicação científica. [S.l.], 2015. Disponível em: https://www.academia.edu/36754829/A_Hist%C3%B3ria_da_Luta_Armada_de_Liberta%C3%A7%C3%A3o_de_Mo%C3%A7ambique_e_os_Desafios_da_Comunica%C3%A7%C3%A3o_Cient%C3%ADfica. Acesso em: 16 abr. 2021.

ESBOÇO histórico das ilhas de S. Tomé e Príncipe. S. Tomé: Imprensa Nacional, 1975.

FALOLA, Toyin. Nationalism and african intellectuals. Rochester: University of Rochester Press, 2004.

GRAÇA, Carlos. Memórias políticas de um nacionalista santomense sui generis. Lisboa: UNEAS, 2011.

INDEPENDÊNCIA dos territórios ultramarinos. Semana ilustrada, [s.l.], n. 372, p.23-24, 7 ago. 1974.

LABAN, Michel. São Tomé e Príncipe: encontro com escritores. Porto: Fundação Eng. António de Almeida, 2002.

MBEMBE, Achille. África insubmissa: cristianismo, poder e estado na sociedade pós-colonial. Mangualde: Edições Pedago, 2013

MEDEIROS, Tomás. Quando os cucumbas cantam. Lisboa: Althum.com, 2016.

NASCIMENTO, Augusto. Escravatura, trabalho forçado e contrato em S. Tomé e Príncipe nos séculos XIX-XX: sujeição e ética laboral. Africana Studia, Porto, 7, p. 183-217, 2004.

NASCIMENTO, Augusto. Ciências sociais em S. Tomé e Príncipe: a independência e o estado da arte. Porto: CEAUP, 2008.

NASCIMENTO, Augusto. As pulsões na política em São Tomé e Príncipe. Africana Studia, Porto, n. 20, p. 135-152, 2013a.

NASCIMENTO, Augusto. Os dividendos do autoritarismo colonial: o impacto e a manipulação do legado colonial na configuração do pós-independência em São Tomé e Príncipe. In: PIMENTEL, Irene; REZOLA, Maria Inácia (org.). Democracia, ditadura. memória e justiça política. Lisboa: Tinta-da-China, 2013b. p. 259-282.

NASCIMENTO, Augusto. São Tomé e Príncipe: pelo trabalho, o homem novo e o socialismo contra os costumes da terra. Anuário Antropológico, Brasília, v. 40, n. 1, p. 133-163, 2014.

NASCIMENTO, Augusto. A inelutável independência ou os (in)esperados ventos de mudança em São Tomé e Príncipe. In: ROSAS, Fernando; MACHAQUEIRO, Mário; OLIVEIRA, Pedro (org.). O adeus ao Império. Lisboa: Nova Vega, 2015. p.175-190.

NASCIMENTO, Augusto. São Tomé e Príncipe: as tramas da política e a emancipação do saber histórico. São Tomé: BISTP, 2019.

NEVES, Fernando. Negritude, independência, revolução. Paris: Edições etc., 1975.

SANTOS, Carlos Oliveira. Patrice Trovoada: uma voz africana. Lisboa: Âncora Editora, 2014.

SEIBERT, Gerhard. Camaradas, clientes e compadres: colonialismo, socialismo e democratização em São Tomé e Príncipe. Lisboa: Vega, 2002.

Downloads

Publicado

2021-11-04

Como Citar

NASCIMENTO, A. A “luta” e as (in)verdades de conjuntura, a independência de São Tomé e Príncipe e a amputação das liberdades dos são-tomenses. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 13, n. 34, p. e0105, 2021. DOI: 10.5965/2175180313342021e0105. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180313342021e0105. Acesso em: 29 nov. 2021.