Reconhecendo gêneros, desconstruindo poderes: a literatura como transgressão verbal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180312312020e0202

Resumo

Tendo a escritura literária como recurso e fonte, o presente artigo delineia questões sobre gênero e poder, observando o estilo ensaístico e uma abordagem a partir da Teoria Crítica, com foco na produção feminista alemã e norte-americana contemporânea. Dentro de um contexto paradoxal, pensar e produzir expressões que enfatizam a necessária construção de solidariedades e lutas comuns contra o patriarcado, o colonialismo e o capitalismo, tanto o acervo clássico quanto contemporâneo trazem matéria-prima e fontes históricas – escritas – para compreender as ontologias do poder e o reconhecimento da categoria gênero. Desse modo, a metodologia delineada é de caráter qualitativo, com base documental em obras literárias que retrataram formas de transgressão (aos papéis e funções vinculadas às mulheres e à vida privada e doméstico-familiar) e mirada crítico-cultural. A aproximação com epistemologias feministas e produção historiográfica contemporânea permitiram descritivo histórico, mas especialmente fundamentos teóricos de interpretação para uma abordagem ética, inclusiva, justa.

Biografia do Autor

Vanessa Ribeiro Simon Cavalcanti, Universidade Federal da Bahia

Pós-doutorado em Direitos Humanos pela Universidad de Salamanca (CAPES e CNPq). Doutora pela Universidade de Leon, Espanha. Professora e pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Família na Sociedade Contemporânea (PPGFSC/UCSAL) e do Programa de Pós-Graduação em Estudos Interdisciplinares sobre Mulheres, Gênero e Feminismo (PPGNEIM/UFBA). Investigadora associada ao Instituto de Sociologia da Universidade do Porto, Portugal.

Antonio Carlos da Silva, Universidade Católica do Salvador

Doutor em Ciências Sociais pela Universidade de Leon (Espanha) e Universidade Federal da Bahia (UFBA). Estágio pós-doutoral no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Portugal. Docente-investigador do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais e Cidadania (PPGPSC/UCSAL) e coordenador do Núcleo de Estudos em Direitos Humanos (NEDH/UCSAL).

Referências

ARENDT, Hannah. Entre o passado e o futuro: oito exercícios sobre o pensamento político. Lisboa: Relógio D’Água, 2006.

BENJAMIN, Walter. Crítica da violência - crítica do poder. In: Documentos de cultura, documentos de barbárie (escritos escolhidos). São Paulo: Cultrix; Editora da Universidade de São Paulo, 1986. p. 160-175.

BUTLER, Judith. Vida Precária. Contemporânea, Florianópolis, n. 1, p. 13-33, jan./jun. 2011.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembléia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, Judith. El grito de Antígona. Barcelona: El Roure Editorial, 2001.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

CAVALCANTI, Vanessa Ribeiro Simon. Violência(s) sobreposta(s): contextos, tendências e abordagens num cenário de mudanças. In: DIAS, Isabel (org.). Violência doméstica e de gênero: uma abordagem multi-disciplinar. Lisboa: Pactor, 2018. p. 97-122.

COSTA, Iná Camargo. Sérgio Buarque, o “Homem Cordial” e uma crítica inepta. Outras Palavras, 11 maio 2018. Disponível em: https://outraspalavras.net/poeticas/sergio-buarque-o-homem-cordial-e-uma-critica-inepta/. Acesso em: 16 dez. 2019.

CRENSHAW, Kimberlé. Mapping the margins: intersectionality, identity politics, and violence against women of color. Stanford Law Review, Stanford, v. 43, p. 1241-1299, jul. 1991.

HARVEY, David. O enigma do capital e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2011.

KURZ, Robert. Os últimos combates. Petrópolis: Vozes, 1997.

KURZ, Robert. Poder mundial e dinheiro mundial: crônicas do capitalismo em declínio. Rio de Janeiro: Conseqüência, 2015.

LOWY, Michael. Walter Benjamin: Aviso de incêndio: Uma leitura das teses "Sobre o conceito de História". São Paulo: Boitempo, 2005.

MARTÍNEZ QUINTEIRO, Maria Esther. El discurso de los derechos humanos en perspectiva histórica: el síndrome de la torre de Babel. In: PANDO BALLESTEROS, María de la Paz; MUÑOZ RAMÍREZ, Alicia; GARRIDO RODRÍGUEZ, Pedro (eds.). Pasado y presente de los derechos humanos: mirando al futuro. Salamanca: Ediciones de la Universidad de Salamanca, 2018. p. 41-60.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Arte & Ensaios, Revista do PPGAV/EBA/UFRJ, Rio de Janeiro, n. 32, dez. 2016. p. 123-151. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/ae/article/view/8993/7169. Acesso em: 05 jan. 2020.

MELVILLE, Herman. Bartleby, o escriturário. Porto Alaegre: L&PM, 2017

PLATÃO. A república. São Paulo: Martin Claret, 2018.

RANCIÈRE, Jacques. O ódio à democracia. São Paulo: Boitempo, 2014.

SCHOLZ, Roswitha. O valor é o homem: teses sobre a socialização pelo valor e a relação entre os sexos. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 45, p. 15-36, jul. 1996. Disponível em: http://www.obeco-online.org/rst1.htm. Acesso em: 24 nov. 2019.

SCHOLZ, Roswitha. A teoria da cisão de gêneros e a teoria crítica de Adorno. In: CEVASCO, Maria Elisa; OHATA, Milton (org.). Um crítico na periferia do capitalismo: reflexões sobre a obra de Roberto Schwarz. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. p. 168-180. Disponível em: http://obeco.planetaclix.pt/roswitha-scholz9.htm. Acesso em: 24 nov. 2019.

SCHOLZ, Roswitha. Crítica da dissociação-valor e teoria crítica. [Lisboa: Exit!], 2017. Disponível em http://www.obeco-online.org/roswitha_scholz28.htm. Acesso em: 02 dez. 2020.

SÓFOCLES. Antígona. São Paulo: Martin Claret, 2014.

WOLF, Christa. Cassandra. São Paulo: Estação Liberdade, 1990.

Downloads

Publicado

2020-11-16

Como Citar

Cavalcanti, V. R. S., & Silva, A. C. da. (2020). Reconhecendo gêneros, desconstruindo poderes: a literatura como transgressão verbal. Revista Tempo E Argumento, 12(31), e0202. https://doi.org/10.5965/2175180312312020e0202