Mulheres e(m) quadrinhos: caminhos e perspectivas historiográficas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180312312020e0107

Resumo

Nos primeiros anos do século XXI, observa-se a força do movimento feminista e de reinvindicações políticas comprometidas em estabelecer o protagonismo das mulheres na esfera pública. No mesmo contexto, ocorre um aumento no interesse sobre as histórias em quadrinhos (HQs) enquanto linguagem dotada de procedimentos bastante específicos, em que a narrativa visual possibilita representar outras perspectivas sobre a experiência humana no tempo. Não por acaso, as HQs permitem dar visibilidade e abordar de maneira única as lutas feministas do tempo presente, o que se expressa, por sua vez, numa crescente produção acadêmica que busca rever o lugar das mulheres no mundo das HQs. O presente artigo é uma aproximação sobre este vasto corpus bibliográfico, focando a análise em alguns trabalhos importantes dedicados a investigar a atuação das mulheres nas HQs, incluindo uma análise de pesquisas acadêmicas sobre HQs desenvolvidas mais recentemente no Brasil. A conclusão sinaliza para algumas das possibilidades de investigação futura, destacando as especificidades da linguagem das HQs para narrar e representar graficamente a condição feminina no mundo contemporâneo.

Palavras-chave: Histórias em Quadrinhos. História das Mulheres. Feminismo.

Biografia do Autor

Ivan Lima Gomes, Universidade Federal de Goiás

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense (bolsa CNPq). Professor de História Moderna e Contemporânea pela Universidade Federal de Goiás. Desenvolve pesquisa sobre quadrinhos nas Américas, articulando cultura visual e história editorial.

Referências

BAETENS, Jan; FREY, Hugo. The graphic novel: an introduction. New York: Cambridge University Press, 2015.

BERLATSKY, Noah. Wonder woman: bondage and feminism in the Marston/Peter Comics, 1941-1958. New Brunswick: Rutgers University Press, 2015.

BOFF, Ediliane. De Maria a Madalena: representações femininas nas histórias em quadrinhos. 2014. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

BOLTANSKI, Luc. La constitution du champ de la bande dessinée. Actes de la recherche en sciences sociales, [S.l.], v. 1, n. 1, p. 37-59, jan. 1975.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. São Paulo; Porto Alegre: Edusp: Zouk, 2007.

BUCCHIONI, Tulio Heleno. Laerte “vestido de mulher”: uma investigação sobre representações de gênero e sexualidade na mídia. 2016. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2016.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CAVALCANTE, Laís. Quero deixar de ser um menino dependente para ser uma mulher autônoma: os casos transgêneros nas tirinhas de Laerte Coutinho. 2014. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2014.

CHARTIER, Roger. A história cultural entre práticas e representações. 2. ed. Lisboa: Difel, 2002.

CHUTE, Hillary. Disaster drawn: visual witness, comics, and documentary form. Cambridge: Harvard University Press, 2016.

CORBIN, Alain; VIDAL, Laurent. Alain Corbin o prazer do historiador. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 25, n. 49, p. 11-31, jan./jun. 2005.

CRESCÊNCIO, Cintia Lima. As mulheres ou os silêncios do humor: uma análise da presença de mulheres no humor gráfico brasileiro (1968-2011). Ártemis, João Pessoa, v. 26, n. 1, p. 53-75, jul./dez. 2018.

CUNHA, Jaqueline dos Santos. A representação feminina em Mulher Pantera e Mulher Maravilha. 2016. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Federal de Goiás, Catalão, 2016.

DANTAS, Daiany Ferreira. Sexo, mentiras e HQ: representação e autorrepresentação das mulheres nas histórias em quadrinhos. 2006. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

EUGÊNIO, Jéssica Daminelli. Elas fazem HQ!: mulheres brasileiras no campo das histórias em quadrinhos independentes. 2017. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

FRISCH, Michael. A shared authority: essays on the craft and meaning of oral and public history. New York: New York University Press, 1990.

GABILLIET, Jean-Paul. Of comics and men: a cultural history of american comic books. Jackson: University Press of Mississipi, 2010.

GOODRUM, Michael; PRESCOTT, Tara; SMITH, Philip (orgs.). Gender and the superhero narrative. Jackson: University Press of Mississipi, 2018.

HATFIELD, Charles. Indiscipline, or, the condition of Comics Studies. Transatlantica, [Paris], n. 1, sept. 2010. Disponível em: http://journals.openedition.org/transatlantica/4933. Acesso em: 27 fev. 2020.

HATFIELD, Charles. Alternative comics: an emerging literature. Jackson: University Press of Mississipi, 2005.

HATFIELD, Charles; HEER, Jeet; WORCESTER, Ketn (orgs.). The superhero reader. Jackson: University Press of Mississipi, 2013.

HEER, Jeet; WORCESTER, Kent (orgs.) A comics studies reader. Jackson: University Press of Mississipi, 2009.

JENKINS, Henry. Should we discipline the study of comics? In: DUNCAN, Randy; SMITH, Matthew (orgs.). Critical approaches to comics: theories and methods. New York/London: Routledge, 2012. p. 01-14.

JIMÉNEZ, Carla et al. Mulheres quebram o jejum das ruas no Brasil com manifestações contra Bolsonaro. El Pais, São Paulo, 30 set. 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/09/30/politica/1538270819_523141.html. Acesso em: 28 fev. 2020.

LEPORE, Jill. The secret history of Wonder Woman. New York: Alfred A. Knopf, 2014.

LIMA, Savio Queiroz. Vestígios e práticas de discursos feministas nos quadrinhos da Mulher-Maravilha: as ocultas mulheres de Bana-Mighdall. 2017. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Salgado de Oliveira, Niterói, 2017.

MAIGRET, Éric, Strange grew up with me: sentimentality and masculinity in readers of superhero comics. Réseaux, The French journal of communication, v. 7, n. 1, p. 05-27, 1999.

MCCLOUD, Scott. Raising readers. In: MCCLOUD, Scott (org.). The best America comics 2014. Boston: Houghton Mifflin Harcourt, 2014. p. 75-77.

MESSIAS, Carolina Ito. Um panorama da produção feminina de quadrinhos publicados na internet no Brasil. 2018. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

MILLER, Ann; BEATY, Bart (orgs.). The french comics theory reader. Leuven: Leuven University Press, 2014.

MITCHELL, William John Thomas. Comics and media: afterwords. Critical inquiry, [Chicago], n. 40, p. 255-265, mar./jun. 2014.

MOULY, Françoise. Découpage. In: MOULY, Françoise (org.). The best America comics 2012. Boston: Houghton Mifflin Harcourt, 2012. p. XIII-XVII.

NÓBREGA FILHO, Emanoel. História das multiplicidades travestis em Muriel Total, de Laerte Coutinho: cartografias discursivas da estética de si por um devir transgênero. 2016. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016.

NOGUEIRA, Natânia. As representações femininas nas histórias em quadrinhos norte-americanas: June Tarpé Mills e sua Miss Fury (1941-1952). 2015. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Salgado de Oliveira, Niterói, 2015.

NYBERG, Amy. Seal of approval: a history of the comics code. Jackson: University Press of Mississipi, 1998.

OGI, Fusami et al. Women’s manga in Asia and beyond: uniting different cultures and identities. Londres: Palgrave Macmillan, 2019.

OKSMAN, Tahneer. How come boys come to keep their noses: women and jewish american identity in contemporary graphic memoirs. New York: Columbia University Press, 2016.

OLIVEIRA, Francine. Queer em quadrinhos: representações brasileiras contemporâneas. 2014. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, 2014.

OLIVEIRA, Cláudio José. Sindicalismo, piratas e cabelo Chanel: leituras de reciclagem cultural em obras de Laerte. 2014. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

PARSON, Sean; LEESON-SCHATZ, Joseph. (orgs.). Superheroes and masculinity: unmasking the gender performance of heroism. Lanham: Lexington Books, 2020.

PEREZ, Olívia; RICOLDI, Arlene. A quarta onda feminista: interseccional, digital e coletiva. In: CONGRESSO LATINO-AMERICANO DE CIÊNCIA POLÍTICA (ALACIP), 10., 2019. Monterrey. Anais [...]. Monterrey: ALACIP, 2019. Disponível em: https://alacip.org/cong19/25-perez-19.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

PIRES, Maria Francisca da Conceição Pires. Outras mulheres, outras condutas: feminismos e humor gráfico nos quadrinhos produzidos por mulheres. ArtCultura, Uberlândia, v. 21, n. 39, p. 71-87, jul./dez. 2019a.

PIRES, Maria Francisca da Conceição Pires. Mulheres desregradas: autorretratos e o corpo grotesco nos cartuns de Chiquinha. Topoi, Rio de Janeiro, v. 20, n. 41, p. 302-316, maio/ago. 2019b.

ROBBINS, Trina. The great women superheroes. Northampton: Kitchen Sink, 1997.

ROBBINS, Trina. Pretty in ink: north american women cartoonists, 1896-2013. Seattle: Fantagraphics, 2013.

ROBBINS, Trina. Babes in arms: women in comics during the Second World War. New Castle: Hermes Press, 2017.

SCOTT, Joan. História das mulheres. In: BURKE, Peter (org). A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992. v.1. p. 75-85.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, 1995.

THEODORO, Hadriel. Transgeneridade, mídia e consumo: um estudo de caso das visibilidades midiáticas de Laerte Coutinho. 2016. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Práticas de Consumo) – Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, 2016.

WHALEY, Deborah Elizabeth. Black women in sequence: re-inking comics, graphic novels and anime. Seattle e Londres: University of Washington Press, 2016.

WROBEL, Jasmin. História(s) redesenhada(s): visualizando analogias entre hoje e o passado – periferias urbanas, resistência negra e vozes femininas na obra de Marcelo D’Salete. Artcultura, Uberlândia, v. 21, n. 39, p. 99-116, jul./dez. 2019.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

Gomes, I. L. (2020). Mulheres e(m) quadrinhos: caminhos e perspectivas historiográficas. Revista Tempo E Argumento, 12(31), e0107. https://doi.org/10.5965/2175180312312020e0107