O historiador com CNPJ: depressão, mercado de trabalho e história pública

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180312302020e0204

Resumo

Historiadoras e historiadores têm enfrentado uma nova série de tensões na tentativa de justificar o trabalho que realizam. Projetos legislativos, discursos políticos, cortes no financiamento de instituições públicas e privadas, todos eles originam uma situação cada vez mais dificultosa para a prática acadêmica. Não por acaso, os casos de depressão e problemas psicológicos na graduação e pós-graduação começaram a ganhar destaque no debate público. Ao mesmo tempo, temos visto também o crescimento da preocupação com a maneira pela qual historiadoras e historiadores podem legitimar perante a sociedade o que fazem. Uma dessas maneiras é a história pública. A partir dessa situação, o objetivo desta contribuição é defender a necessidade de uma discussão mais ampla sobre trabalho e relações trabalhistas no âmbito da história. Assim, propõe-se que os cursos de graduação e pós-graduação em história assumam postura ativa e, até mesmo, propositiva frente ao mercado de trabalho, através da reconfiguração da identidade profissional de historiadoras e historiadores que a história pública oferece. Dessa maneira, considera-se que a história pública tem papel fundamental para encontrar brechas que permitam superar o diagnóstico concomitante do aumento dos casos de depressão e ausência de perspectivas profissionais, de modo a repensar o que as historiadoras e historiadores fazem.

 

Palavras-chave: História Pública. Mercado de Trabalho. Depressão Mental.

Biografia do Autor

Pedro Telles da Silveira, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)

Sou licenciado (2009) e bacharel (2013) em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestre em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (2012) e doutor em História pela UFRGS (2018). Meu trabalho reflete sobre as condições de produção do conhecimento histórico em diferentes contextos. Atualmente, meus interesses principais são a relação entre história e novas tecnologias, assim como a história pública. Também tenho atuação no campo da arte-educação, educação patrimonial e como analista de redes sociais na iniciativa privada.

Referências

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018. E-book.

ARAUJO, Valdei Lopes de. O direito à história: O(a) historiador(a) como curador(a) de uma experiência histórica socialmente distribuída. In: GUIMARÃES, Géssica; BRUNO, Leonardo; PEREZ, Rodrigo. Conversas sobre o Brasil: ensaios de crítica histórica. Rio de Janeiro: Autografia, 2017. p. 191-216.

BROWN, Wendy. Undoing the demos: neoliberalism’s stealth revolution. New York: Zone Books, 2015.

CRARY, Jonathan. 24/7: capitalismo tardio e os fins do sono. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2017.

EHRENBERG, Alain. The weariness of the self: diagnosing the history of depression in the contemporary age. Montreal: McGill-Queen’s University Press, 2010.

HAN, Byung-Chul. Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes, 2019. E-book.

HUWS, Ursula. Labor in the digital economy. New York: Monthly Review Press, 2014.

KEHL, Maria Rita. O tempo e o cão: a atualidade das depressões. São Paulo: Boitempo, 2015.

KOSELLECK, Reinhart. Crítica e crise: uma contribuição à patogênese do mundo burguês. Rio de Janeiro: Contraponto, 1999.

LANGE, Alexandra. The dot-com city: Silicon Valley urbanism. Moscow: Strelka Press, 2012.

LAZZARATO, Maurizio. Signos, máquinas, subjetividades. São Paulo: Edições Sesc São Paulo: n-1 edições, 2014.

LORENZ, Chris. If you’re so smart, then why are you under surveillance? universities, neoliberalism, and new public management. Critical Inquiry, [Chicago], v. 38, n. 3, p. 599-629 Spring 2012.

LUCCHESI, Anita. Digital history e storiografia digitale: estudo comparado sobre a escrita da história no tempo presente (2001-2011). 2014. Dissertação (Mestrado em História Comparada) – Programa de Pós-Graduação em História Comparada, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

MOSSI, Thays Wolfarth. O futuro da humanidade que trabalha: reconfiguração moral das lutas trabalhistas frente à terceirização. 2016. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

NICOLAZZI, Fernando. Muito além das virtudes epistêmicas: o historiador público em um mundo não linear. Revista Maracanan, [Rio de Janeiro], n. 18, p. 18-34, jan./jun. 2018.

NUSSBAUM, Martha C. Not for profit: why democracy needs the humanities. Princeton, NJ: The Princeton University Press, 2016.

PAUL, Herman. Performing history: how storical scholarship is shaped by epistemic virtues. History & Theory, [Middletown], v. 50, p. 1-19, feb. 2011.

PAUL, Herman. What is a scholarly persona? ten theses on virtues, skills, and desires. History & Theory, [Middletown], v. 53, p. 348-371, oct. 2014.

PELBART, Peter Pál. O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. São Paulo: n-1 edições, 2013.

ROUSSEAUX Distance et engagement de l’historien. In: ZELIS, Guy. L’historien dans l’espace public: l’histoire face à la mémoire, à la justice et au politique. Loverval: Editions Labor, 2005. p. 129-137.

SANTHIAGO, Ricardo. História pública e autorreflexividade: da prescrição ao processo. Tempo & Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 23, jan./mar. 2018. p. 295-296.

SCHMIDT, Benito Bisso. Qual a relação entre a história pública e a profissionalização do historiador? In: MAUAD, Ana Maria; SANTHIAGO, Ricardo; BORGES, Viviane Trindade (orgs.). Que história pública queremos? São Paulo: Letra & Voz, 2018. p. 17-22.

SHOPES, Linda. A evolução do relacionamento entre história oral e história pública. In: MAUAD, Ana Maria; SANTHIAGO, Ricardo; BORGES, Viviane Trindade. História pública no Brasil: sentidos e itinerários. São Paulo: Letra & Voz. p. 71-85.

SHORE, Cris; TAITZ, Mira. “Who ‘owns’ the university? Institutional autonomy and academic freedom in an age of knowledge”. Globalisation, Societies and Education, v. 10, issue 2, 2012, p. 201-219.

SOUZA, Jessé. Os batalhadores brasileiros: nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

STANDING, Guy. The Precariat: the new dangerous class. London: Bloomsbury, 2013.

TÉO, Marcelo. Desequilíbrio de histórias, parte I: um problema do campo das humanidades (?). Tempo & Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 23, jan./mar. 2018. p. 361.

TRAVERSO, Enzo. Left-wing melancholia: marxism, history, and memory. New York: Columbia University Press, 2016.

TURIN, Rodrigo. Entre o passado disciplinar e os passados práticos: figurações do historiador na crise das humanidades. Tempo, Niterói, v. 24, n. 2, p. 187-205, maio/ago. 2018.

TURKLE, Sherry. The second self: computers and the human spirit. Cambridge: The MIT Press, 2005.

WHITE, Hayden. El pasado práctico. In: TOZZI, Verónica; LAVAGNINO, Nicolás (eds.). Hayden White, la escritura del pasado y el futuro de la historiografía. Sáenz Peña: Universidad Nacional de Tres de Febrero, 2012. p. 19-39.

ZANDONADI, Viviane. Profissões do futuro: historiadores corporativos. O Estado de São Paulo, São Paulo, 22 jul. 2015. Disponível em: https://educacao.estadao.com.br/ noticias/geral,profissoes-do-futuro-historiadores-corporativos,1730012. Acesso em: 24 jul. 2020.

Downloads

Publicado

2020-08-02

Como Citar

Telles da Silveira, P. (2020). O historiador com CNPJ: depressão, mercado de trabalho e história pública. Revista Tempo E Argumento, 12(30), e0204. https://doi.org/10.5965/2175180312302020e0204