Epistemologia insubmissa feminista negra decolonial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180312292020e0102

Resumo

Neste texto, propomos uma revisão/análise das abordagens teórico-metodológicas do feminismo nos últimos anos. Destacamos que a epistemologia feminista negra articula teoria, metodologia e prática política com vistas à transformação social. A análise realizada revela um diálogo constante entre o feminismo negro brasileiro e o feminismo afro-americano, ainda que as editoras brasileiras só tenham traduzido a contribuição feminista negra e descoberto este filão comercial nos últimos cinco anos. A popularização do conceito de interseccionalidade no Brasil é relativamente recente para um conceito que fez 30 anos, sendo atualmente o mais utilizado aqui para analisar as relações e as interconexões possíveis entre as categorias de gênero, raça, classe, sexualidade, geração etc. É importante destacar o significativo crescimento das pesquisas, livros e artigos acadêmicos produzidos por mulheres negras, bem como a divulgação de ideias e reflexões políticas através do uso das plataformas digitais, tais como sites, blogs, facebook, Instagram e YouTube. Este movimento, que algumas autoras têm definido como a quarta onda feminista, mas que algumas mulheres negras preferem chamar de maré feminista negra, ampliou o referencial teórico, incluindo as contribuições de autoras africanas e afrodiaspóricas, como por exemplo, Oyèrónkẹ́ Oyěwùmí (2017) e Grada Kilomba (2019), e recuperou contribuições negras, notadamente femininas negras que foram historicamente silenciadas, através de práticas epistemicidas, construindo desse modo uma nova epistemologia feminista negra.

Palavras-chave: Epistemologia. Movimento social. Feminismo negro. Empoderamento. Descolonização

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Angela Figueiredo, UFRB

Doutora em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ). Professora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS) e Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Gênero, Raça e Subalternidade (Coletivo Angela Davis) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). Professora do Programa de Pós-Graduação em Estudos Étnicos e Africanos da Universidade Federal da Bahia (POSAFRO/UFBA) e do (PPGNEIM/UFBA)

Referências

AGUIAR, Thais Rodrigues de. Cabelo além da estética: transições capilares e identitárias pelas negras. 2018. 148 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de Pelotas, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, Pelotas, 2018.

BAIRROS, Luiza. Nossos feminismos revisitados. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, ano 3, 2. sem. 1995.

BISPO, Silvana de. Feminismo em debate: reflexão sobre as organizações de mulheres negras em Salvador (1978-1979). 2011. 198 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Interdisciplinares sobre Mulher, Gênero e Feminismo) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2011.

CARNEIRO, Sueli. Construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005, 339 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de São Paulo, 2005.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América latina a partir de uma perspectiva de gênero. [S.l.: Unifem], 2011. Disponível em: http://www.unifem.org.br/sites/700/710/00000690.pdf. Acesso em: 18 jan. 2016.

COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. Nova York: Routledge, 1990.

COLLINS, Patricia Hill. The black feminist thought. Londres: Routledge, 2000.

COLLINS, Patrícia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 99-127, jan./abr. 2016.

COLLINS, Patrícia Hill. O que é um nome?: mulherismo, feminismo negro e além disso. Cadernos Pagu, Campinas, n. 51, 2017.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-189, 2002.

CURIEL, Ochy. Rumo à construção de um feminismo descolonizado. [Ciudad de Guatemala: s.n.], 2011. Disponível em: https://mujeresixchel.wordpress.com/ 2011/10/12/hacia-la-construccion-de-un-feminismo-descolonizado/. Acesso em: 10 out. 2019.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DAVIS, Angela. Mulheres, Cultura e Política. São Paulo, Boitempo, 2017.

DAVIS, Angela. A liberdade é uma luta constante. São Pauo, Editora Boitempo, 2018

DAVIS, Angela. A democracia da abolição. Rio de Janeiro: Difel, 2019.

FIGUEIREDO, Angela. Condições e contradições do trabalho doméstico em Salvador. In: MORI, Natália; FLEISCHER, Soraya; FIGUEIREDO, Angela; BERNARDINO-COSTA, Joaze; CRUZ, Tãnia. (org.). Tensões e experiências: um retrato das trabalhadoras domésticas de Brasília e Salvador. Centro Feminista de Estudos e Assessoria, Brasília, 2011. p. 89-131.

Figueiredo Angela; GOMES, Patrícia Godinho. Para além dos feminismos: uma experiência comparada entre Guiné-Bissau e Brasil. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 24, n. 3, p. 909-927, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/ 10.1590/1806-9584-2016v24n3p909. Acesso em: 2 abr. 2018.

FIGUEIREDO, Angela. Descolonização do conhecimento no século XX. In: SANTIAGO, Ana Rita et al (orgs.). Descolonização do conhecimento no contexto afro-brasileiro. Cruz das Almas: UFRB, 2017a. p. 79-106.

FIGUEIREDO, Angela. Somente um ponto de vista. Cadernos Pagu, Campinas, n. 51, 2017b. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n51/1809-4449-cpa-18094449201700510017.pdf. Acesso em: 2 jan. 2018.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, [S.l.]: Anpocs, p. 223-244, 1983.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino. Caderno de formação política do círculo Palmarino, [S. l.]: Batalha de ideias, n. 1., p. 12-21, 2011. Disponível em: https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/271077/mod_resource/content/1/Por%20um%20feminismo%20Afro-latino-americano.pdf. Acesso em: 1 out. 2019.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, n. 5, p. 7-42, 1995.

HARDING, Sandra. Feminism & methodology. Bloomington: Indiana University Press, 1987.

HOLANDA, Heloísa Buarque de. O Grifo é meu. In: HOLANDA, Heloísa Buarque de (org). Explosão feminista: arte, cultura e política. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LOPES, Dailza Araújo. Ciberativismo como estratégia política: um estudo sobre grupos de mulheres negras crespas e cacheadas no facebook e em Salvador/BA. Salvador: POSAFRO/UFBA, 2017. 161 f. Mimeografado.

LUGONES, Maria. Hacia metodologías de la decolonialide: conocimientos y prácticas políticas: reflexiones desde nuestras prácticas de conocimiento situado. Chiapas: CIESAS: UNICACH: PDTG-UNMSM, 2011. p. 790-813. Tomo II.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF, Niterói, n. 34, p. 287-324, 2008. Disponível em: http://www.cadernosdeletras.uff.br/joomla/images/stories/ edicoes/34/traducao.pdf. Acesso em: 28 ago. 2019. Dossiê: Literatura, língua e identidade

NAIME, Roberto. Epistemologia ambiental. [Mangaratiba: ecodebate], 2018. Disponível em: https://www.ecodebate.com.br/2018/12/06/epistemologia-ambiental-artigo-de-roberto-naime/. Acesso em: 20 set. 2019.

OLIVEIRA, Luiz Fernandes de; CANDAU, Vera Maria Ferrão. Pedagogia decolonial y educación anti-racista e intercultural en Brasil. In: WALSH, Catherine. Pedagogías decoloniales: prácticas insurgents de resistir (re) existir e (re) viver. Equador: Edições Abya-Yala Quito, 2013. p. 275-305. Tomo I. (Série Pensamento Decolonial).

OYĚWÙMÍ, Oyeronké. La invención de las mujeres: una perspectiva africana sobre los discursos occidentales de género. Bogotá: Editorial en la Frontera, 2017.

PONS, Claudia. Outras falas: feminismos na perspectiva de mulheres negras brasileiras. 2012. 383 f. Tese (Doutorado em Estudos de Gênero, Mulher e Feminismo) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidad-racionalidad. In: BONILLO, Heraclio (org.). Los conquistados. Bogotá: Tercer Mundo: Flacso, 1992. p. 437-449.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: LANDER, Edgardo (comp.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales: perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, Conselho Latino-americano de Ciências Sociais, Jul. 2000. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/lander/quijano.rtf. Acesso em: 20 jan. 2019.

RIBEIRO, Djamila. Lugar de fala: feminismos plurais. São Paulo: Polén, 2017.

SANTOS, Boaventura de Souza. Ciência e senso comum. In: SANTOS, Boaventura de Souza. Introdução a uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1989. p. 31-45.

SARDENBERG, Cecília M.B. Conceituando “Empoderamento” na Perspectiva Feminista. Transcrição revisada da comunicação oral apresentada no I Seminário Internacional: Trilhas do Empoderamento de Mulheres – Projeto TEMPO, promovido pelo NEIM/UFBA, em Salvador-Ba, de 5-10 de junho de 2006.

SOJOUNER Truth. E não sou uma mulher? Tradução de Osmundo Pinho, GELEDES, 8 de janeiro de 2014. Disponível em https://www.geledes.org.br/e-nao-sou-uma-mulher-sojourner-truth. Acesso em 30 de novembro de 2019.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

Downloads

Publicado

2020-05-01

Como Citar

FIGUEIREDO, A. Epistemologia insubmissa feminista negra decolonial. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 12, n. 29, p. e0102, 2020. DOI: 10.5965/2175180312292020e0102. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180312292020e0102. Acesso em: 15 ago. 2022.