Ditadura militar brasileira: aproximações teóricas e historiográficas

Autores

  • Carlos Fico UFRJ

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180309202017005

Resumo

Como é comum na História do Tempo Presente, há um grande entrelaçamento entre política e pesquisa acadêmica no caso da história da ditadura militar brasileira. Consequentemente, é fundamental que a pesquisa arquivística seja conduzida por formulações teóricas bem assentadas. Este artigo discute o suposto revisionismo da historiografia sobre a ditadura militar brasileira; sustenta que o recrutamento de jovens simpatizantes para a luta armada gerou uma memória traumática; mostra o vício nominalista do debate sobre o caráter civil-militar da ditadura; argumenta que a moldura institucional do estado de exceção ainda estava ativa em 1985 e demonstra que a saída da ditadura foi controlada pelos militares.

 

Palavras-chave: Ditadura Militar. Historiografia. Revisionismo. Memória. Trauma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Fico, UFRJ

Professor Titular de História do Brasil da UFRJ

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. Tradução de Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo, 2004.

ALEIXO, José Carlos Brandi. Pedro Aleixo, organizador e relator da reforma constitucional. In: SENADO FEDERAL. A constituição que não foi: história da Emenda Constitucional n. 1, de 1969. Brasília; Senado Federal, 2002.

ALMEIDA, Guilherme Bacha de. O Conselho de Segurança Nacional e a ditadura (1964-1969). In: MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Org.). Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Belo Horizonte: UFMG, 2015.

ARAUJO, Maria Paula. A luta democrática contra o regime militar na década de 1970. In: REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Orgs.). O golpe e a ditadura militar: 40 anos depois (1964-2004). Bauru: Edusc, 2004.

BERSTEIN, Serge. Culturas políticas e historiografia. In: AZEVEDO, Cecília e outros. Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

BRASIL. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Governos da República: 15.11.1889 a 15.03.1996. Presidência da República, Casa Civil, Biblioteca. 3ª ed. rev. e atual. Brasília, 1996.

CARDOSO, Ciro Flamarion Santana. Epistemologia pós-moderna, texto e conhecimento: a visão de um historiador. Diálogos. Maringá, v. 3, n. 3, p. 1-28, 1999.

CHARTIER, Roger. Le monde comme représentation. Annales E.S.C. Paris, nov./dec./ 1989 n. 6 p. 1505-1520.

CARDOSO, Fernando Henrique. O modelo político brasileiro e outros ensaios. São Paulo: Difel, 1972.

CHAUÍ, Marilena. Apontamentos para uma crítica da Ação Integralista Brasileira. In: CHAUÍ, Marilena; FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Ideologia e mobilização popular. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

CODATO, Adriano Nervo. O golpe de 1964 e o regime de 1968: aspectos conjunturais e variáveis históricas. História: Questões & Debates. Curitiba, n. 40, p. 11-36, 2004.

D’ARAUJO, Maria Celina. Sindicatos, carisma e poder: o PTB de 1945-65. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

DANIEL, Herbert. Passagem para o próximo sonho. Rio de Janeiro: Codecri, 1982.

DIAS, Luiz Antonio. Entre letras e números: uma análise do jornal Folha de S. Paulo e de pesquisas de opinião do Ibope (1963-1964). In: FERNANDES, Carla M.; CHAGAS, Genira. (Orgs.). Mídia e governos autoritários: 60 anos do suicídio de Getúlio Vargas e 50 anos do golpe civil-militar no Brasil. João Pessoa: Idea, 2014.

FERREIRA, Jorge. O governo Goulart e o golpe civil-militar de 1964. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.). O Brasil republicano: o tempo da experiência democrática – da democratização de 1945 ao golpe civil-militar de 1964 (Livro 3). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

FERREIRA, Jorge. Entre o comício e a mensagem: o presidente Goulart, as esquerdas e a crise política de março de 1964. In: AZEVEDO, Cecília e outros. Cultura política, memória e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

FICO, Carlos. Reinventando o otimismo: ditadura, propaganda e imaginário social no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 1997.

FICO, Carlos. Como eles agiam. Os subterrâneos da ditadura militar: espionagem e polícia política. Rio de Janeiro: Record, 2001.

FICO, Carlos. Espionagem, polícia política, censura e propaganda: os pilares básicos da repressão. In Ferreira, Jorge, Neves, Lucilia de Almeida (Orgs.). O Brasil republicano. Livro 4: O tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX. Rio de Janeiro: Record, 2003.

FICO, Carlos. Além do golpe: versões e controvérsias sobre 1964 e a ditadura militar. Rio de Janeiro: Record, 2004.

FICO, Carlos. O grande irmão. Da Operação Brother Sam aos anos de chumbo: o governo dos Estados Unidos e a ditadura militar brasileira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

FICO, Carlos. A ditadura documentada. Acervo. Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 67-78, jul./dez. 2008a.

FICO, Carlos. 1968: o ano que terminou mal. In: FICO, Carlos; ARAÚJO, Maria Paula (Orgs.). 1968, 40 anos depois: história e memória. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

FICO, Carlos. Les régimes autoritaires au Brésil durant l’ére républicaine. Brésil(s). Sciences humaines et sociales. Paris, v. 1, Ouverture, p. 30-40, 2011.

FICO, Carlos. História que temos vivido. In: VARELLA, Flávia e outros (Orgs.). Tempo presente & usos do passado. Rio de Janeiro: FGV, 2012.

FICO, Carlos. Violência, trauma e frustração no Brasil e na Argentina: o papel do historiador. Topoi. Revista de História. Rio de Janeiro, v. 14, n. 27, p. 239-284, jul./dez. 2013.

FICO, Carlos. História do Brasil contemporâneo: da morte de Vargas aos dias atuais. São Paulo: Contexto, 2015.

FIGUEIREDO, Argelina Cheibub. Democracia ou Reformas? Alternativas democráticas à crise política: 1961-1964. Tradução de Carlos Roberto Aguiar. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

FONTES, Virgínia. Nas lutas. In: MELO, Demian Bezerra de (Org.) A miséria da historiografia: uma crítica ao revisionismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

GARCIA, Miliandre. “Ou vocês mudam ou acabam”: teatro e censura na ditadura militar (1964-1985). Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História Social da UFRJ. Rio de Janeiro, 2008.

GASPARI, Elio. A ditadura encurralada. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

GORENDER, Jacob. Combate nas trevas. A esquerda brasileira: das ilusões perdidas à luta armada. 2. ed. São Paulo: Ática, 1987.

GORENDER, Jacob. A escravidão reabilitada. LPH – Revista de História. Mariana, v. 3, n. 1, p. 245-266, 1992.

HEMPEL, Carl G. The Function of General Laws in History. The Journal of Philosophy. New York, v. 39, n. 2, p. 35-48, Jan. 1942.

HOBSBAWM, Eric. Não basta a história da identidade. In: __________. Sobre história: ensaios. Tradução de Cid Knipel Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

LACAPRA, Dominick. Writing History, Writing Trauma. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 2001.

LARA, Silvia Hunold. Escravidão no Brasil: balanço historiográfico. LPH – Revista de História. Mariana, v. 3, n. 1, p. 215-244, 1992.

LEWANDOWSKI, Enrique Ricardo. As salvaguardas do Estado no Brasil. Revista da Faculdade de Direito. São Paulo, v. 79, p. 140-160, jan. 1984.

MARTINS FILHO, João Roberto. Movimento estudantil e ditadura militar: 1964-1968. Campinas: Papirus, 1987.

MARTINS, Franklin. Prefácio. In: GURGEL, Antonio de Padua. A rebelião dos estudantes: Brasília, 1968. Brasília: UnB, 2002.

MARTINS, William de Souza Nunes. Produzindo no escuro: políticas para a indústria cinematográfica brasileira e o papel da censura (1964-1988). 2009. Tese (doutorado em História Social ) – UFRJ, Programa de Pós-graduação em História Social, Rio de Janeiro, 2009.

MATHIAS, Suzeley Kalil. Distensão no Brasil: o projeto militar (1973-1979). Campinas: Papirus, 1995.

MATTOS, Marcelo Badaró. O governo João Goulart: novos rumos da produção historiográfica. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 28, n. 55, p. 245-263, 2008.

MATTOS, Marcelo Badaró. As bases teóricas do revisionismo: o culturalismo e a historiografia brasileira contemporânea. In: MELO, Demian Bezerra de (Org.) A miséria da historiografia: uma crítica ao revisionismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

MÉDICI, Roberto Nogueira. Médici, o depoimento. Rio de Janeiro: Mauad. 1995.

MELO, Demian Bezerra de (Org.) A miséria da historiografia: uma crítica ao revisionismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

MELO, Demian Bezerra de. A miséria da historiografia. Outubro. n. 14, p. 111-130, 2º. sem. 2006.

MELO, Demian Bezerra de. O golpe de 1964 e meio século de controvérsias: o estado atual da questão. In: MELO, Demian Bezerra de (Org.) A miséria da historiografia: uma crítica ao revisionismo contemporâneo. Rio de Janeiro: Consequência, 2014.

MOORE JR. Barrington. As origens sociais da ditadura e da democracia. Tradução de Maria Ludovina F. Couto. São Paulo: Martins Fontes, 1983.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá. As universidades e o regime militar: cultura política brasileira e modernização autoritária. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

NAGEL, Ernest. Some issues in the Logic of the Historical Analysis. The Scientific Monthly. New York, v. 74, n. 3, p. 162-169, March, 1952.

NAPOLITANO, Marcos. A “resistência cultural” durante o regime militar brasileiro: um novo olhar historiográfico. In: MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Org.). Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Belo Horizonte: UFMG, 2015.

NAPOLITANO, Marcos. 1964: história do regime militar brasileiro. São Paulo: Contexto. 2016.

OLIVEIRA, Eliézer Rizzo de. As Forças Armadas: política e ideologia no Brasil (1964-1969). Petrópolis: Vozes, 1976.

OLIVEIRA, Gil Vicente Vaz. Fotojornalismo subversivo: 1968 revisto pelas lentes do Correio da Manhã. Acervo, Rio de Janeiro, v. 11, nº 1-2, p. 117-136, jan./dez., 1998.

PALMEIRA, Vladimir. Vladimir Palmeira [entrevista concedida por]. In: REIS FILHO, Daniel Aarão; MORAES, Pedro de. 1968: a paixão de uma utopia. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura militar, esquerdas e sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura e sociedade: as reconstruções da memória. In: REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo; MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Orgs.). O golpe e a ditadura militar: 40 anos depois (1964-2004). Bauru: Edusc, 2004.

REIS, Daniel Aarão. Trinta anos depois. In: REIS FILHO, Daniel Aarão; MORAES, Pedro de. 1968: a paixão de uma utopia. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura, anistia e reconciliação. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 23, n. 45, p. 171-186, jan./jun. 2010.

REIS, Daniel Aarão. Ditadura e democracia no Brasil: do golpe de 1964 à Constituição de 1988. Rio de Janeiro: Zahar, 2014

REIS, Daniel Aarão; ROLLAND, Denis. Apresentação. In: REIS, Daniel Aarão; ROLLAND, Denis (Orgs.). Modernidades alternativas. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

REIS FILHO, Daniel Aarão. A revolução faltou ao encontro: os comunistas no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1980.

REIS FILHO, Daniel Aarão e outros. Versões e ficções: o sequestro da história. São Paulo: Perseu Abramo, 1997.

REIS FILHO, Daniel Aarão. 1968, o curto ano de todos os desejos. Tempo Social. São Paulo, v. 10, n. 2, p. 25-35, out. 1998.

REIS FILHO, Daniel Aarão. Ditadura no Brasil: entre memória e história. In: MOTTA, Rodrigo Patto Sá (Org.). Ditaduras militares: Brasil, Argentina, Chile e Uruguai. Belo Horizonte: UFMG, 2015.

REIS FILHO, Daniel Aarão; MORAES, Pedro de. 1968: a paixão de uma utopia. 3. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

RIDENTI, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: UNESP, 1993.

RIDENTI, Marcelo. Que história é essa? In: REIS FILHO, Daniel Aarão e outros. Versões e ficções: o sequestro da história. São Paulo: Perseu Abramo, 1997.

RIDENTI, Marcelo. Cultura e política: os anos 1960-1970 e sua herança. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.). O Brasil republicano: o tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX (Livro 4). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

RIDENTI, Marcelo. Canetas e fuzis: intelectuais e artistas brasileiros nos anos 1960/70. In: REIS, Daniel Aarão; ROLLAND, Denis (Orgs.). Modernidades alternativas. Rio de Janeiro: FGV, 2008.

ROLLEMBERG, Denise. O apoio de Cuba à luta armada no Brasil: o treinamento guerrilheiro. Rio de janeiro: Mauad, 2001.

ROLLEMBERG, Denise. Esquerdas revolucionárias e luta armada. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.). O Brasil republicano: o tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX (Livro 4). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

ROLLEMBERG, Denise. Memória, opinião e cultura política. A Ordem dos Advogados do Brasil sob a ditadura (1964-1974). In: REIS, Daniel Aarão; ROLLAND, Denis. (Orgs.). Modernidades alternativas. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 2008, p. 57-96.

ROLLEMBERG, Denise. As trincheiras da memória. A Associação Brasileira de Imprensa e a ditadura (1964-1974). In: ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha Viz. (Orgs.). A construção social dos regimes autoritários. Legitimidade, consenso e consentimento no Século XX: Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, vol. 2, p. 97-144.

ROLLEMBERG, Denise; QUADRAT, Samantha Viz. (Orgs.). A construção social dos regimes autoritários. Legitimidade, consenso e consentimento no Século XX: Brasil e América Latina. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010, vol. 2.

SAES, Décio. Classe média e política no Brasil (1930-1964). In: FAUSTO, Boris (Dir.). História geral da civilização brasileira. Tomo III: O Brasil republicano, 3º volume: Sociedade e política (1930-1964). São Paulo: Difel, 1981.

SCARTEZINI, Antonio Carlos. Segredos de Medici. São Paulo: Marco Zero, 1985.

SCHMITTER, Philippe C. Interest conflict and political change in Brazil. California: Stanford University Press, 1971.

SCHNEIDER, Ronald M. The political system of Brazil: emergence of a “modernizing” authoritarian regime, 1964-1970. New York: Columbia University Press, 1971.

SERRA, Jose´. Cinquenta anos esta noite: o golpe, a ditadura e o exílio. Rio de Janeiro: Record, 2014.

SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. Crise da ditadura militar e o processo de abertura política no Brasil, 1974-1985. In: FERREIRA, Jorge; DELGADO, Lucília de Almeida Neves (Orgs.). O Brasil republicano: o tempo da ditadura – regime militar e movimentos sociais em fins do século XX (Livro 4). Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

SILVA, Izabel Priscila Pimentel da. Os filhos rebeldes de um velho camarada: a dissidência comunista da Guanabara (1964-1969). 2009. Dissertação (Mestrado em História) - UFF, Programa de Pós-graduação em História, Niterói, 2009.

SIRKIS, Alfredo. Os carbonários. Rio de Janeiro: Record, 1998.

SOUZA, Jessé. A tolice da inteligência brasileira. São Paulo: LeYa, 2015.

STACCHINI, José. Março 64: mobilização da audácia. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1965.

STEPAN, Alfred. The military in politics: changing patterns in Brazil. Princeton University Press, 1971.

TOLEDO, Caio N. de. 1964: golpismo e democracia. As falácias do revisionismo. Crítica Marxista. Campinas, n. 19, p. 27-48, 2004.

VIEIRA, Fabrício de Assis C. Vieira; HOLLAND, Márcio Holland. Crescimento econômico secular no Brasil, modelo de Thirlwall e termos de troca. Economia e Sociedade. Campinas, v. 17, n. 2 (33), p. 17-46, ago. 2008.

VILLA, Marco Antonio. Jango: um perfil (1945-1964). São Paulo: Globo, 2004.

VILLA, Marco Antonio. Ditadura à brasileira – 1964-1985: a democracia golpeada à esquerda e à direita. São Paulo: LeYa, 2014.

Downloads

Publicado

2017-05-31

Como Citar

FICO, C. Ditadura militar brasileira: aproximações teóricas e historiográficas. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 9, n. 20, p. 05 - 74, 2017. DOI: 10.5965/2175180309202017005. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180309202017005. Acesso em: 29 nov. 2021.