Memória, gênero e repressão política no Cone Sul (1984-1991)

Autores

  • Mariana Joffily Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

ditadura militar, gênero, repressão, tortura, Cone Sul

Resumo

Esse artigo analisa, sob uma perspectiva de gênero, os informes de violações aos Direitos Humanos conhecidos como Nunca más, redigidos no momento de transição das ditaduras militares para a democracia na Argentina (1984), no Brasil (1985), no Uruguai (1989) e no Chile (1991). Os Nunca más, a despeito da diferença das condições em que foram elaborados, permaneceram em seus respectivos países como marcos interpretativos do passado ditatorial, uma “memória emblemática”, extensamente documentada e assentada sobre uma preocupação de veracidade. A análise dos desses informes é efetuada tendo como foco as possíveis diferenciações de gênero da repressão política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Joffily, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestre pela Universidade Paris IV- Sorbonne, doutora em História Social pela USP, pós-doutoranda pela UFSC.

Referências

ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. Projeto Brasil: Nunca Mais (BNM). Projeto A, t. 6 v. 12, 1985.

AQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. Brasil: nunca mais. 17. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1986.

ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. Perfil dos atingidos. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

BRASIL: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Direito à verdade e à memória. 2007.Comissão Especial Sobre Mortos E Desaparecidos Políticos (CEMDP).

COMISIÓN NACIONAL DE VERDAD Y RECONCILIACIÓN. Informe de la Comissión Nacional de verdad y reconciliación. 2. ed. Santiago do Chile, 1996.

COMISIÓN NACIONAL SOBRE LA DESAPARICIÓN DE PERSONAS (CONADEP). Nunca más. Informe de la Comisión Nacional sobre la desaparición de personas. 8. ed. Buenos Aires: Eudeba, 2007.

COMISIÓN NACIONAL SOBRE PRISIÓN POLÍTICA Y TORTURA (Comissión Valech). Informe de la Comisión Nacional sobre Prisión Política y Tortura. Santiago del Chile: Chile, 2005. Disponível em: http://www.comisiontortura.cl/listado_informes.html Acesso em: jul. 2009.

PRESIDENCIA DE LA REPÚBLICA ORIENTAL DEL URUGUAY. Investigación Histórica sobre los detenidos desaparecidos. Montevidéu: 2006. Disponível em: http://www.presidencia.gub.uy/_Web/noticias/2007/06/2007060509.htm. Acesso em: out. 2009.

SERVICIO PAZ Y JUSTICIA. Uruguay: nunca más. Informe sobre la violación de los Derechos Humanos (1972-1985). Montevideo: SERPAJ, 1989.

ANDDÚJAR, Andrea; D’ANTONIO, Débora; LOZANO, Fernanda Gil; GRAMMÁTICDO, Karin e ROSA, Maria Laura (Orgs.). De minifaldas, militancias y revoluciones: exploraciones sobres los 70 en la Argentina. Buenos Aires: Luxemburg, 2009.

AQUINO, Maria Aparecida de. A especificidade do regime militar brasileiro: abordagem teórica e exercício empírico. In: REIS FILHO, Daniel Aarão (Org.). Intelectuais, história e política: séculos XIX e XX. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2000, p. 271 a 289.

ARAUJO, Ana Maria. Tupamaras: des femmes de l ́Uruguay. Paris: Des femmes, 1980.

BAUER, Caroline Silveira. A produção de relatórios Nunca Mais na Argentina e no Brasil, aspectos das transições políticas e da constituição da memória sobre a repressão. Revista de História Comparada. v. 3, n. 3, jun./2008. p. 1-18.

CAMACHO, Fernando. Memorias enfrentadas: las reacciones a los informes Nunca Más de Argentina y Chile. In: Persona y Sociedad. Universidad Alberto Hurtado, v. XXII, n. 2, 2008. p. 67-99.

CAMARGO, Ana Maria de Almeida. Os arquivos e o acesso à verdade. In: SANTOS, Cecília Macdowell, TELES, Edson e TELES, Janaína de Almeida (orgs.). Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil. v. 2. São Paulo: Hucitec, 2009. p. 424-439.

CARRERA, Carolina. Un secreto a voces. In: ZAVALA, Ximena (org.). Memorias de ocupación: violencia sexual contra mujeres detenidas durante la dictadura. Santiago: Fundacion Instituto de la Mujer/Humanas, 2005, p. 51-72.

CARVALHO, Luiz Maklouf. Mulheres que foram à luta armada. São Paulo: Globo, 1998.

COLLING, Ana Maria. A resistência da mulher à ditadura militar no Brasil. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos tempos, 1997.

COSTA, Albertina de Oliveira. "Memórias do Cárcere de uma feminista ex post". In: Colóquio Internacional Gênero, Feminismos e Ditaduras no Cone Sul. Florianópolis. Anais eletrônicos.Florianópolis, 2008. p. 1-7. Disponível em <http://www.coloquioconesul.ufsc.br/albertina_de_oliveira_costa.pdf>. Acesso em: nov. 2009.

CRENZEL, Emílio. La historia política del Nunca más: la memoria de las desapariciones en la Argentina. Buenos Aires: Siglo XXI, 2008.

CUYA, Esteban. Las Comisiones de la Verdad en América Latina. KO'AGA ROÑE'ETA se. iii (1996) – Disponível em: <http://www.derechos.org/koaga/iii/1/cuya.html. Acesso em: 15 mar. 2008.

DIANA, Marta. Mujeres Guerrilleras:la militância de los setenta em el testimonio de sus protagonistas femininas. 2. ed. Buenos Aires: Planeta (Espejo de la Argentina), 1997.

FERREIRA, Elisabeth Fernandes Xavier. Mulheres, Militância e Memória. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

FIGUEIREDO, Lucas. Olho por olho: os livros secretos da ditadura. Rio de Janeiro: Record, 2009.

FILC, Judith. Entre el parentesco y la política. Familia y dictadura. 1976-1983. Buenos Aires: Biblos, 1997.FRANK, Robert. Questões para as fontes do presente. In: CHAUVEAU, Agnès e TÉTART Philippe. Questões para a história do presente. Bauru, SP: EDUSC, 1999.

FUNES, Patricia. Nunca Más. Memorias de las dictaduras en America Latina. In: GROPPO, Bruno; FLIER, Patricia (orgs.). La impossibilidad del olvido. La Plata: Al Margen, 2001.

GUTIÉRREZ, Paulina. La obstinada presencia del horror. In: ZAVALA, Ximena (org.). Memorias de ocupación: violencia sexual contra mujeres detenidas durante la dictadura. Santiago: Fundacion Instituto de la Mujer/Humanas, 2005, p. 73-99.

IGLESIAS, Margarita. Los desafíos del Cono Sur desde las perspectivas de las mujeres. La democratización de la democracia o la reinvención de una democracia latino-americana. In: PEDRO, Joana Maria; WOLFF, Cristina Scheibe (org.). Gênero, feminismos e ditadura no Cone Sul. Florianópolis: Mulheres, 2010, p. 52-73.

JELIN, Elizabeth. “La justicia después del juicio: legados y desafíos en la Argentina post dicatorial.” In: FICO, Carlos et alii. (Orgs.) Ditadura e democracia na América Latina. Rio de Janeiro: FGV, 2008, p. 341-360.

JELIN, Elizabeth. Los trabajos de la memória. Madrid/Buenos Aires: Siglo XXI, 2001. JOFFILY, Mariana. A diferença na igualdade. Gênero e repressão política nas ditaduras militares do Brasil e da Argentina. In: Espaço Plural. n. 21, 2. sem. 2009 (no prelo).

LIMA, Samarone. Clamor: a vitória de uma conspiração brasileira. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003.

MARCHESI, Alberto Aldo. “Las lecciones del pasado”, memoria y ciudadanía en los informes “nuncamas”. Informe final del concurso: Culturas e identidades en América Latina y el Caribe. Programa Regional de Becas CLACSO. 2001. Disponível em: <http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/becas/2000/marchesi.pdf Acesso em: mai. 2009.

PADRÓS, Enrique Serra. A ditadura cívico-militar no Uruguai (1973-1984): terror de Estrado e Segurança Nacional. In: Ditaduras militares na América Latina. Porto Alegre: UFRGS, 2004, p. 45-77.

PADRÓS, Enrique Serra. Como el Uruguay no hay... Terror de Estado e segurança nacional: Uruguai (1968-1985): do Pachecato à Ditadura civil-militar. 2005. Tese (Doutorado em História) – Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

PEDRO, Joana Maria; WOLFF, Cristina Scheibe (org.). Gênero, feminismos e ditadura no Cone Sul. Florianópolis: Mulheres, 2010.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. In: Estudos Históricos. v. 2, n. 3. Rio de Janeiro, 1989. p. 3-15.

RIDENTI, Marcelo. “As mulheres na política brasileira: os anos de chumbo”. In. Tempo Social. USP, S. Paulo, 2 (2), 2. sem. 1990. p. 113-128.

SAPRIZA, Graciela. Memorias del cuerpo. In: ANDÚJAR, Andrea; DOMÍNGUEZ, Nora; RODRÍGUEZ, María Inés. Historia, género y política en los ’70. Buenos Aires, Feminaria, 2005. Disponível em: <http://www.feminaria.com.ar/colecciones/temascontemporaneos/temascontemporaneos.asp#007>. Acesso em: jun. 2008.

SESTINI, Dharana Pérola Ricardo. A “mulher brasileira”em ação: motivações e imperativos para o golpe militar de 1964. 2008. Dissertação (Mestrado em História) – Pós-Graduação em História Social, Universidade de São Paulo, São Paulo.

STEPAN, Alfred. Os militares: da abertura à Nova República. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

STERN, Steve J. De la memoria suelta a la memoria emblemática: hacia el recordar y el olvidar como processo histórico (Chile, 1973-1998). In: GARCÉS, Mario et alii (orgs.). Memoria para un nuevo siglo: Chile miradas a la segunda mitad del siglo XX. Santiago: LOM, 2000, pp. 11-33.

WESCHLER, Lawrence. Um milagre, um universo: o acerto de conta com os torturadores. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

WOLFF, Cristina Scheibe. Feminismo e configurações de gênero na guerrilha: perspectivas comparativas no Cone Sul, 1968-1985. In: Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 27, nº 54, 2007. p. 10-38.

WOLFF, Cristina Scheibe. O gênero da esquerda em tempos de ditadura. In: PEDRO, Joana Maria; WOLFF, Cristina Scheibe (org.). Gênero, feminismos e ditadura no Cone Sul. Florianópolis: Mulheres, 2010, p. 138-155.

Downloads

Publicado

2010-05-04

Como Citar

JOFFILY, Mariana. Memória, gênero e repressão política no Cone Sul (1984-1991). Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 111–135, 2010. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/1861. Acesso em: 24 fev. 2024.