https://revistas.udesc.br/index.php/reavi/issue/feed Revista Brasileira de Contabilidade e Gestão 2022-12-06T20:07:29-03:00 Caroline Sulzbach Pletsch caroline.pletsch@udesc.br Open Journal Systems <div align="justify">Periódico Científico publicado pelo Departamento de Ciências Contábeis, do Centro de Educação Superior do Alto Vale do Itajaí, da Universidade do Estado de Santa Cataria (Udesc), nas áreas de Ciências Contábeis, Administração e áreas afins.<br /><strong>Periodicidade</strong>: semestral<br /><strong>Ano de criação</strong>: 2012</div> https://revistas.udesc.br/index.php/reavi/article/view/22975 EDITORIAL 2022-11-28T18:58:18-03:00 Caroline Sulzbach Pletsch caroline.pletsch@udesc.br 2022-12-06T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Caroline Sulzbach Pletsch https://revistas.udesc.br/index.php/reavi/article/view/22493 A PERCEPÇÃO DE GESTORES BANCÁRIOS EM UM MUNICÍPIO DA AMAZÔNIA PARAENSE SOBRE O CONTROLE INTERNO NA GESTÃO DO RISCO SOCIOAMBIENTAL 2022-08-30T19:55:54-03:00 Valdeci Ferreira da Silva Neto valdecif.neto@gmail.com Josué de Lima Carvalho josuecarvalho911@gmail.com Ticiane Lima dos Santos ticiane.ufra@gmail.com Alexandre Gleyson Araújo da Silva alexandre12.ufra@gmail.com <p><strong>Objetivo(s):</strong> Este estudo objetiva analisar a percepção dos gestores das instituições financeiras no município de Tomé-Açu, no Estado do Pará, sobre a interação existente entre o controle interno e o risco socioambiental como uma variável no processo de análise de concessão de crédito. <strong>Método: </strong>Trata-se de uma pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa e quantitativa. Foram aplicados aos gestores das agências bancárias localizadas no município de Tomé-Açu questionários semiestruturados contendo perguntas fechadas e abertas. Os dados coletados foram tabulados e analisados com a utilização dos <em>softwares </em>SPSS, Excel e IRAMUTEQ. <strong>Resultados:</strong> Concluiu-se que o controle interno atua como ferramenta de auxílio aos gestores das instituições quanto ao processo de análise de riscos, com destaque para o risco socioambiental, induzindo a mudanças culturais na organização e na avaliação das políticas de responsabilidade socioambiental. Destaca-se a positiva percepção dos gestores sobre os benefícios de um bom controle interno na gestão de riscos socioambientais atuando como filtro institucional, de modo que os riscos existentes podem ser minimizados e controlados com a utilização consistente dos procedimentos de controle interno. <strong>Contribuições:</strong> Sugere-se que pesquisas futuras sejam realizadas com quantitativo maior de respondentes, com possibilidade de estenderem-se aos tomadores de crédito e a todos os colaboradores internos da instituição financeira.</p> 2022-12-06T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Valdeci Ferreira da Silva Neto, Josue de Lima Carvalho, Ticiane Lima dos Santos, Alexandre Gleyson Araújo da Silva https://revistas.udesc.br/index.php/reavi/article/view/22441 AUTORREGULAÇÃO, MOTIVAÇÃO E QUALIDADE DE VIDA DOS DISCENTES DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS NO ENSINO REMOTO 2022-08-16T12:53:54-03:00 Beatriz Negrelli da Silva beatriznegrelli@hotmail.com Nágila Giovanna Silva Vilela nagilavilela@gmail.com <p class="RBCGRESUMOABSTRATCT"><strong>Objetivo:</strong> Analisar como o uso de práticas de aprendizagem autorregulada, o nível de motivação em aprender e a qualidade de vida estão correlacionados. <strong>Método:</strong> Foi realizada uma pesquisa de abordagem quantitativa e descritiva por meio da aplicação de um questionário com 217 estudantes do curso de Ciências Contábeis de quatro instituições de ensino superior (IES) do Paraná. <strong>Resultados:</strong> As respostas dos estudantes evidenciaram que os respondentes se sentem pouco motivados a estudar no período de ensino remoto devido à Covid-19, além de apresentarem níveis relativamente altos de sentimentos negativos (como mau-humor, ansiedade e/ou depressão). Em relação às estratégias de aprendizagem autorregulada, a mais utilizada é a “autoavaliação”, e a menos utilizada é a “autoconsequência”. Já as correlações estatísticas evidenciam que a motivação dos discentes está fortemente correlacionada aos fatores de qualidade de vida, como “capacidade” e “concentração” para estudar, e esses, por sua vez, foram os itens mais correlacionados com as estratégias de aprendizagem autorregulada. <strong>Contribuições:</strong> Com base nesses resultados, ressalta-se a importância de estimular cada vez mais uma aprendizagem autônoma do discente, atentando-se em utilizar abordagens de ensino que os façam sentir-se mais motivados, reduzindo os níveis de sentimentos negativos.</p> 2022-12-06T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Beatriz Negrelli da Silva, Nágila Giovanna Silva Vilela https://revistas.udesc.br/index.php/reavi/article/view/22073 DETERMINANTES DA GESTÃO DE CUSTOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 2022-05-09T13:05:11-03:00 Ozeana Celestino de Lima ozeanalima@alu.uern.br Wênyka Preston Leite Batista Costa wenykapreston@hotmail.com Sérgio Luiz Pedrosa Silva sergiopedrosa@uern.br Jandeson Dantas Silva jandesondantas@uern.br <p><strong>Objetivo(s): </strong>O objetivo desta pesquisa foi evidenciar os determinantes da gestão de custos nas micro e pequenas empresas (MPE) na cidade de Mossoró (RN). <strong>Método:</strong> As MPE são instituições imprescindíveis para a economia brasileira por sua representatividade em número de empresas e pela geração de emprego e renda. Para atingir o objetivo proposto, foi realizada uma pesquisa com abordagem quantitativa, com aplicação de um questionário aos gestores das MPE. <strong>Resultados:</strong> Os resultados evidenciaram que a gestão de custos oferece subsídios que auxiliam na tomada de decisão, sendo o controle e a avaliação de estoque, assim como o incremento da competitividade, os determinantes para a gestão de custos. Verificou-se que os participantes consideram relevantes as informações de controle de custos para o planejamento e a análise de desempenho da empresa. Constatou-se ainda que o nível de utilização da gestão de custos nesta pesquisa sobrepujou a média do Sebrae, que aponta que 60% das empresas não adotam tal medida, enquanto nesta pesquisa apenas 30% declararam não adotar o controle de custos. <strong>Contribuições:</strong> A pesquisa tem como contribuição mostrar a relevância dos fatores determinantes para as MPE realizarem uma gestão de custos eficaz, apontando um rol de práticas utilizadas nas empresas pesquisadas que pode servir de orientação para outras empresas em suas decisões. Tais resultados foram convergentes em alguns aspectos e divergentes em outros com relação a estudos empíricos pesquisados na literatura.</p> 2022-12-06T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Ozeana Celestino de Lima, Wênyka Preston Leite Batista Costa, Sérgio Luiz Pedrosa Silva, Jandeson Dantas Silva https://revistas.udesc.br/index.php/reavi/article/view/22358 USABILIDADE E FUNÇÕES DO ORÇAMENTO NA PERCEPÇÃO DOS GESTORES DE UMA EMPRESA DO RAMO METALMECÂNICO 2022-08-16T12:53:14-03:00 Silvana Dalmutt Kruger silvana.d@ufms.br Lindomar de Togni togni@unochapeco.edu.br Antonio Zanin zanin.antonio@ufms.br <p><strong>Objetivo(s): </strong>Este estudo tem como objetivo relacionar a utilidade e as funções do orçamento no processo de tomada de decisões com base nas percepções dos gestores de uma empresa do ramo metalmecânico. <strong>Método: </strong>Metodologicamente, a pesquisa é descritiva, realizada a partir de um levantamento com amostra de 33 gestores/supervisores/analistas que atuam em diversas áreas da empresa estudada. <strong>Resultados:</strong> Constatou-se que 78,80% dos gestores utilizam o orçamento anual com acompanhamento mensal (orçado <em>versus</em> realizado) e 84,80% indicam o uso como artefato de planejamento, coordenação, alocação de recursos e determinação dos volumes operacionais. O <em>ranking</em> médio (RM) obtido evidencia que os gestores identificam as funções de planejamento, diálogo e utilidade do orçamento, demonstrando a usabilidade do instrumento no processo de gestão. Identificaram-se como principais funções do orçamento: a coordenação das unidades da empresa (4,82); a análise das projeções mensais e anuais (4,76); o planejamento vinculado às estratégias da empresa (4,73); e a comparação do desempenho planejado com os resultados reais (4,70); os resultados, inclusive, indicam que no contexto da pandemia Covid-19, o orçamento auxiliou no alinhamento de novas estratégias e nos ajustes do planejamento organizacional (4,27). Os achados apontam que o orçamento possui múltiplas funções para os gestores da empresa estudada, confirmando seu reconhecimento pelos gestores como instrumento gerencial, com utilidade relacionada aos processos de planejamento e tomada de decisões. <strong>Contribuições:</strong> Como contribuição, este estudo evidencia as diversas funções e a adaptabilidade do orçamento no contexto organizacional, demonstrando a usabilidade pelos gestores que atuam em distintos setores na empresa.</p> 2022-12-06T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2022 Silvana Dalmutt Kruger, Lindomar de Togni, Antonio Zanin