Circulação, regiões agroindustriais e a Covid-19: o caso do Oeste Catarinense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724623532022098

Palavras-chave:

desigualdades socioespaciais, especialização regional produtiva, fluxos, agroindústrias, Covid-19

Resumo

Tendo em vista as principais regiões agroindustriais do Brasil, encontra-se instalado no Oeste do estado de Santa Catarina um complexo circuito produtivo de carnes e derivados, voltado para a criação, o abate e o processamento de aves e suínos. Diante desse plano empírico, o objetivo deste trabalho é descrever e analisar as possíveis relações entre a interiorização da recente pandemia da Covid-19 no Brasil e a especificidade da atividade produtiva situada nas regiões agroindustriais, centrando-se no tema da circulação e da mobilidade de pessoas. A metodologia abarcou revisões bibliográficas teóricas e temáticas, dados estatísticos concernentes à proposta e materiais jornalísticos variados. Como síntese dos resultados alcançados, evidenciou-se que como fundamento da sua esfera da produção, a dependência do setor agroindustrial em relação à circulação e à mobilidade de trabalhadores constitui um cenário de potencial vulnerabilidade à região especializada nessa atividade, sobretudo pela dificuldade de se constituírem adaptações diante de um cenário de adversidades, tal como o da pandemia de Covid-19 engendrou.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cássia Regina Segnor, Federal University of Fronteira Sul

Mestra em Geografia pela Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS.

Fabiane Ripplinger, Federal University of Uberlândia

Doutoranda em Geografia na Universidade Federal de Uberlândia - UFU.

João Henrique Zoehler Lemos, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando em Geografia da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES (ANTT). Dados abertos: transporte rodoviário fretado na modalidade contínua. [S.l.], 2020. Disponível em: http://dados.antt.gov.br. Acesso em: 10 dez. 2021.

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES (ANTT). Dados abertos: transporte rodoviário fretado na modalidade contínua. [S.l.], 2021. Disponível em: http://dados.antt.gov.br. Acesso em: 10 dez. 2021.

ALBA, R. S. Espaço urbano: os agentes da produção em Chapecó. 2. ed. Chapecó: Argos, 2013.

APÓS denúncias de aglomeração, prefeitura vai fechar parques e praças em Chapecó. NSC Total, [S.I.], 2021. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/noticias/apos-denuncias-de-aglomeracao-prefeitura-vai-fechar-parques-e-pracas-em-chapeco. Acesso em: 23 out. 2022.

ARROYO, M. M. Dinâmica territorial, circulação e cidades médias. In: SPOSITO, E. S.; SPOSITO, M. E. B.; SOBARZO, O. (org.). Cidades médias: produção do espaço urbano e regional. São Paulo: Expressão Popular, 2006. p. 71-85.

BARATA, R. B. Iniquidade e saúde: a determinação social do processo saúde-doença. Revista USP, São Paulo, n. 51, p. 138-145, set./nov., 2001. DOI: 10.11606/issn.2316-9036.v0i51p138-145. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/35108/37847. Acesso em: 20 nov. 2021.

BATISTA, J. C. Acesso à (des)informação no Brasil no contexto de pandemia - o posicionamento oficial anticiência e as suas consequentes violações aos direitos humanos fundamentais. Revista UFG, Goiânia, v. 20, n. 26, p. 1-26, dez., 2020. DOI: 10.5216/revufg.v20.66629. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revistaufg/article/view/66629/36283. Acesso em: 15 fev. 2022.

BOTELHO, A. Do fordismo à produção flexível: o espaço da indústria num contexto de mudanças das estratégias de acumulação do capital. São Paulo: Annablume, 2008.

BOURNE, L. L.; SINCLAIR, R.; DZIEWONSKI, K. (ed.). Urbanization and settlement systems: international perspectives. Oxford: Oxford University Press, 1984.

BRANDÃO, C. Mudanças produtivas e econômicas e reconfiguração territorial no Brasil no início do século XXI. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, [Belo Horizonte], v. 21, n. 2, p. 258-279, maio/ago., 2019. DOI: 10.22296/2317-1529.2019v21n2p258. Disponível em: https://rbeur.anpur.org.br/rbeur/article/view/5840/pdf. Acesso em: 10 out. 2022.

BRASIL.IO. Boletins epidemiológicos da COVID-19 por município por dia. [S.l.], 2022. Disponível em: https://brasil.io/dataset/covid19/. Acesso em: 31 jan. 2022.

CAGNINI, L. Cerca de 1,2 mil funcionários da BRF Chapecó testaram positivo para Covid-19. NSC Total, Florianópolis, 23 jun. 2020. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/noticias/cerca-de-12-mil-funcionarios-da-brf-chapeco-testaram-positivo-para-covid-19. Acesso em: 23 out. 2022.

CASTILLO, R. Região competitiva e logística: expressões geográficas da produção e da circulação no período atual. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE DESENVOLVIMENTO REGIONAL, 4., 2008. Santa Cruz do Sul. Anais [...]. Santa Cruz do Sul: UNISC, 2008.

CATELAN, M. J. Heterarquia urbana: interações espaciais interescalares e cidades médias. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2013.

CHAPECÓ. Prefeitura Municipal. Fiscalização autua e interdita estabelecimentos. Prefeitura Municipal de Chapecó. Chapecó, 2021. Disponível em: https://www.chapeco.sc.gov.br/noticia/3472/fiscalizacao-autua-e-interdita-estabelecimentos. Acesso em: 23 out. 2022.

COCCO, R. G.; COLLISCHON, E.; MEURER, M. Relação entre a distribuição espacial da Covid-19 e as dinâmicas das interações espaciais no estado do Rio Grande do Sul. Hygeia: Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, Uberlândia, p. 183-192, jun., 2020. Número especial.

CORRÊA, R. L. Construindo o conceito de cidade média. In: SPOSITO, M. E. B. (org.). Cidades médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 23-34.

COSTA, F.; KONCHINSKI, V. BRF e JBS viram polo de contaminação em região mais afetada de SC, diz MPT. Uol notícias, [São Paulo], 28 maio 2020. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2020/05/28/covid-19-brf-e-jbs-viram-polo-de-contaminacao-em-regiao-mais-afetada-de-sc.htm. Acesso em: 21 fev. 2022.

ESPÍNDOLA, C. J. Configurações socioespaciais das estruturas produtivas catarinenses pós-2000. Entrelugar, Dourados, v. 11, n. 21, p. 159-182, 2020. DOI: 10.30612/el.v11i21.12054. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/entre-lugar/article/view/12054/5735. Acesso em: 10 out. 2022.

FERRARI, T. Fabricalização da cidade e ideologia da circulação. 2. ed. São Paulo: Outras Expressões, 2011.

GUIMARÃES, R. B. et al. O raciocínio geográfico e as chaves de leitura da Covid-19 no território brasileiro. Estudos avançados, São Paulo, v. 34, n. 99, p. 119-139, maio/ago., 2020. DOI: 10.1590/s0103-4014.2020.3499.008. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/173374/162565. Acesso em: 20 fev. 2022.

GUIMARÃES, R. B.; SPOSITO, M. E. B. Por que a circulação de pessoas tem peso na difusão da pandemia. Unesp Notícias, São Paulo, 26 maio 2020. Disponível em: http://www2.unesp.br/portal#!/noticia/35626/por-que-a-circulacao-de-pessoas-tem-peso-na-difusao-na-pandemia. Acesso em: 20 jul. 2020.

HECK, F. M. et al. Os territórios da degradação do trabalho na Região Sul e o arranjo organizado a partir da COVID-19: a centralidade dos frigoríficos na difusão espacial da doença. Metodologias e Aprendizado, Blumenau, v. 3, p. 54-68, 20 jun. 2020. DOI: 10.21166/metapre.v3i0.1332. Disponível em: https://publicacoes.ifc.edu.br/index.php/metapre/article/view/1332/1029. Acesso em: 20 fev. 2022.

HOLLAND, C. Justiça libera reabertura de frigorífico da JBS em Ipumirim. G1 SC, [Florianópolis], 30 maio 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/sc/santa-catarina/noticia/2020/05/30/justica-libera-reabertura-de-frigorifico-da-jbs-em-ipumirim.ghtml. Acesso em: 21 fev. 2022.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Regiões de influência das cidades 2018. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Rio de Janeiro: [IBGE], 2022a. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br. Acesso em: 27 set. 2022.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema IBGE de recuperação automática (SIDRA): tabela 992: empresas e outras organizações, pessoal ocupado total e assalariado, salários e outras remunerações, salário médio mensal e pessoal assalariado médio, por seção, divisão e grupo da classificação de atividades (CNAE 2.0), faixas de pessoal ocupado total e natureza jurídica: cadastro central de empresas. [Rio de Janeiro]: IBGE, 2022b. SIDRA. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/Tabela/992. Acesso em: 23 out. 2022.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Sistema IBGE de recuperação automática (SIDRA): tabela 6887: número de estabelecimentos agropecuários com pessoal ocupado e Pessoal ocupado em estabelecimentos agropecuários, por tipologia, tipo de pessoal ocupado e grupos e classes de atividade: censo agropecuário. [Rio de Janeiro]: IBGE, 2022c. SIDRA. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/6887. Acesso em: 22 fev. 2022.

LEWIS, D. What scientists have learn from COVID lockdowns: restrictions on social contact stemmed disease spread, but weighing up the ultimate costs and benefits of lockdown measures is a challenge. Nature, [s.l.], 07 sep. 2022. Disponível em: https://www.nature.com/articles/d41586-022-02823-4. Acesso em: 20 set. 2022.

LIMONAD, E. Urbanização e organização do espaço na era dos fluxos. In: SANTOS, M. et al. Território, territórios: ensaios sobre o ordenamento territorial. 3. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011. p. 145-170.

MARX, K. O capital: crítica da economia política: livro II: o processo de circulação do capital. São Paulo: Boitempo, 2014. v. 2.

MOTTER, C. O agronegócio de carnes de aves e suínos e a especialização regional do Oeste Catarinense. 2020. 234 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2020.

PARAIZO, L. Avanço do coronavírus em frigoríficos no Oeste de SC preocupa autoridades. NSC Total, [s.I.] 2020. Disponível em: https://www.nsctotal.com.br/noticias/avanco-do-coronavirus-em-frigorificos-no-oeste-de-sc-preocupa-autoridades. Acesso em: 23 out. 2022.

PERTILE, N. Formação do espaço agroindustrial em Santa Catarina: o processo de produção de carnes no Oeste Catarinense. 2008. 322 f. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

POZZO, R. G.; VILLELA, A. L. V.; KOS, J. R. A dinâmica regional do contágio da Covid-19 em Santa Catarina e o surto nos frigoríficos: segurança alimentar, estratégias de gestão de risco e proteção à vida dos trabalhadores. Rede Urbanismo contra o Corona/SC: nota Técnica, n.1. Florianópolis, 2020. Disponível em: https://www.causc.gov.br/noticias/rede-urbanismo-contra-o-corona-analisa-disseminacao-da-covid-19-no-territorio-catarinense. Acesso em: 23 out. 2022

RAMOS, T. T. A geografia dos conflitos sociais da América Latina e Caribe: informe final del concurso: movimientos sociales y nuevos conflictos en América Latina y el Caribe: programa regional de Beca. Buenos Aires: CLACSO, 2003. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/becas/2002/mov/tramon.pdf. Acesso em: 08 mar. 2021.

RIPPLINGER, F.; DALMORA, T. W. R.; SCHERMA, R. A. Geografia da Covid-19 em Santa Catarina: notas sobre o trabalho na criação e na indústria de abates de animais. Revista Pegada, Presidente Prudente, v. 21, n. 2, p. 463-492, maio/out., 2020. DOI: 10.33026/peg.v21i2.7816. Disponível em: https://revista.fct.unesp.br/index.php/pegada/article/view/7816/pdf. Acesso em: 19 fev. 2022.

ROSA, V. Um terço dos casos de covid-19 no RS é de trabalhadores de frigoríficos, mostra estudo do MPT. GZH, [s.I.], 2020. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/coronavirus-servico/noticia/2020/06/um-terco-dos-casos-de-covid-19-no-rs-e-de-trabalhadores-de-frigorificos-mostra-estudo-do-mpt-ckayaelqq004b015n4plbwb12.html. Acesso em: 23 out. 2022.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade. Dados estatísticos do transporte rodoviário intermunicipal de passageiros. Florianópolis, 2020. Banco de dados.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade. Dados estatísticos do transporte rodoviário intermunicipal de passageiros. Florianópolis, 2021. Banco de dados.

SANTOS, M. Uma ordem espacial: a economia política do território. GeoInova: revista do Departamento de Geografia e Planeamento Regional, Lisboa, n. 3, p. 33-48, 2001.

SANTOS, M. Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica. 6. ed. São Paulo: 2012.

SANTOS, M. Técnica, espaço, tempo: globalização e meio técnico-científico-informacional. 5. ed. São Paulo: Edusp, 2013.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2014a.

SANTOS, M. Espaço e método. 5. ed. São Paulo: Edusp, 2014b.

SILVEIRA, M. R. Transportes e a logística frente à reestruturação econômica no Brasil. Mercator, Fortaleza, v. 17, e17008, 2018. DOI: 10.4215/rm2018.e17008. Disponível em: http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/e17008. Acesso em: 05 out. 2022.

SILVEIRA, M. R. et al. Novo coronavírus (Sars-CoV-2): difusão espacial e outro patamar para a socialização dos investimentos no Brasil. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, [Belo Horizonte], v. 22, p. 1-36, 2020. DOI: 10.22296/2317-1529.rbeur.202024pt. Disponível em: https://rbeur.anpur.org.br/rbeur/article/view/6403/5316. Acesso em: 12 fev. 2022.

SOJA, E. Geografias pós-modernas: a reafirmação do espaço na teoria social crítica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

SPOSITO, M. E. B. Cidades médias: reestruturação das cidades e reestruturação urbana. In:

SPOSITO, M. E. B. (org.). Cidades médias: espaços em transição. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 233-253.

SPOSITO, M. E. B. A produção do espaço urbano: escalas, diferenças e desigualdades socioespaciais. In: CARLOS, A. F.A.; SOUZA, M. L.; SPOSITO, M. E. B. (org.). A produção do espaço urbano: agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2011. p. 123-145.

VASCONCELLOS, H. SC registra ao menos 20 mortes de pacientes com covid à espera de leitos. UOL, [s.I.], 2021. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2021/03/02/sc-ao-menos-19-pacientes-morrem-a-espera-de-leitos-covid.htm. Acesso em: 23 out. 2022.

VERCEZI, J. T.; LIZ, T. M. A disseminação da Covid-19, rede urbana e metropolização. In: TÖWS, R. L.; MALYSZ, S. T.; ENDLICH, A. M. (org.). Pandemia, espaço e tempo: reflexões geográficas. Maringá: UEM: PGE – Programa de Pós-Graduação em Geografia, 2020. p. 63-85.

VILLELA, A. L. V.; FUJITA, C.; ALBA, R. S. Centralidade no Oeste Catarinense: o papel de Chapecó. In: OLIVEIRA, H. M.; CALIXTO, M. J. M. S.; SOARES, B. R. Cidades médias e região. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2017. p. 101-138.

Downloads

Publicado

2022-12-29

Como Citar

SEGNOR, C. R.; RIPPLINGER, F.; LEMOS, J. H. Z. . Circulação, regiões agroindustriais e a Covid-19: o caso do Oeste Catarinense. PerCursos, Florianópolis, v. 23, n. 53, p. 098 - 128, 2022. DOI: 10.5965/1984724623532022098. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/21876. Acesso em: 31 maio. 2023.