As ciências por controvérsias

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724623522022472

Palavras-chave:

sujeito, cientista, sociedade, história das ciências, sociologia das ciência

Resumo

As Ciências emergiram e se consolidaram ao longo dos últimos séculos como um conhecimento que operacionalizou a vida cotidiana, mudando o nosso modo de existência no mundo. Isto não ocorreu de forma tranquila para os cientistas, por que as Ciências se desenvolveram como conhecimento hegemônico na Modernidade por meio de conflitos e controvérsias. Um dos pontos nodais deste desenvolvimento ocorreu a partir da década de 1960, em que as Ciências ganharam novas feições pela multiplicidade de perspectivas, propostas e teorias. Isto ocorreu, dentre muitos motivos, devido à inclusão, mesmo que marginal, de alguns sujeitos e de certos segmentos sociais que até então eram somente pesquisados pelos cientistas, mas não tinham sua própria voz dentro da Academia. Somado a isto, as redes sociais virtuais possibilitaram aos sujeitos novas formas de acesso as informações, dentre estas, as propostas científicas. Paradoxalmente, o mesmo fenômeno que possibilitou o maior acesso às informações e às propostas científicas, amparou as contestações quanto a legitimidade das Ciências por parte de alguns sujeitos e segmentos sociais organizados. Desse modo, nosso principal objetivo desse manuscrito é enveredar-se por estas controvérsias para interpretar como elas constituem as Ciências na contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Bernardes, Universidade Federal Fluminense - UFF

Doutor em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP. Docente da Universidade Federal Fluminense - UFF.

 

Referências

BERNARDES, Antonio. Das perspectivas ontológicas à natureza do internauta: contribuição à epistemologia em Geografia. 2012. 264 f. il. Tese (Doutorado em Geografia) — Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2012.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

DUSSEL, Henrique. Filosofia da libertação. São Paulo: Edições Loyola, 2007.

FEYERABEND, Paul. Contra o método. São Paulo: Editora UNESP, 2007.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. São Paulo: Graal, 2012.

GERALDINO, Carlos Francisco Gerencsez. A questão da geografia na “Origem das Espécies” de Charles Darwin. Tese (Doutorado em Geografia) — Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. In: Cadernos pagu, n. 5, Campinas, p. 07-41, 1995.

HEGEL, Georg W. F. Fenomenologia do espírito. Petrópolis: Vozes, 2005.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Petrópolis: Vozes, 2015.

KELLER, Evelyn Fox. Qual foi o impacto do feminismo na ciência? In: In: Cadernos pagu, n. 27, Campinas, p.13-34, 2006.

KUHN, Tomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2006.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: Ed. UNESP, 2000.

LUKÁCS, György. Ontologia do ser social. Os princípios ontológicos fundamentais em Marx. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1968.

MARANDOLA JR., Eduardo. Lugar Enquanto Circunstancialidade. In: MARANDOLA JR., Eduardo; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Livia de (org.). Qual o espaço do lugar? Geografia, epistemologia, fenomenologia. São Paulo, SP: Perspectiva, p.227-248, 2014.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada. Ensaio de Ontologia Fenomenológica. Petrópolis: Vozes, 1997.

SCHIENBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? Bauru: EDUSC, 2001.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

MONTEIRO, Carlos Augusto de Figueiredo. A Geografia no Brasil (1934-1977): avaliação e tendências. São Paulo: USP, Instituto de Geografia, 1980.

POPPER, Karl R. A lógica da pesquisa científica. São Paulo: Cultrix, 2008.

RIBEIRO, Djamila. O que é o lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento, 2017.

STENGERS, Isabelle. A invenção das Ciências Modernas. São Paulo: 34, 2002.

Downloads

Publicado

2022-08-31

Como Citar

BERNARDES, A. As ciências por controvérsias. PerCursos, Florianópolis, v. 23, n. 52, p. 472 - 494, 2022. DOI: 10.5965/1984724623522022472. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/20491. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua