Etnoconhecimento das plantas indicadoras na paisagem do subsistema faxinalense ‘terras de plantar’, Rio Azul - PR

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622502021376

Palavras-chave:

Faxinal Taquari dos Ribeiros, paisagem, etnoconhecimento, plantas indicadoras, qualidade das terras

Resumo

O presente artigo tem por objetivo compreender o etnoconhecimento das plantas indicadoras em relação com a paisagem das ‘terras de plantar’ do Faxinal Taquari dos Ribeiros, Rio Azul - PR. Metodologicamente, o trabalho teve início com a aplicação de um teste piloto. Em seguida, utilizou-se de entrevistas de caráter aberto, semi-estruturado e não estruturado. Posteriormente, realizou-se uma turnê guiada (etnocaminhada) para a coleta das espécies indicadoras e sua identificação em laboratório. Deste modo, foi possível elencar 42 etnoespécies, sendo 32 relacionadas somente à qualidade das terras e 10 correlacionadas diretamente aos tipos de terras (Branca, Preta e Roxa). A classificação da vegetação espontânea e sua relação com as terras revela que a lógica avaliativa da potencialidade produtiva da paisagem se dá de maneira sintética. Na paisagem se verifica, portanto, uma relação inextricável entre os grupos humanos e a natureza, em que se apresentam as feições, conteúdos e saberes desta interação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliano Strachulski

Doutor em Geografia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa – UEPG.

Nicolas Floriani, Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG

Doutor em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Univ. Federal do Paraná – UFPR. Professor da Univ. Estadual de Ponta Grossa – UEPG.

Referências

ALBUQUERQUE, Ulysses Paulino de; LUCENA, Reinaldo Farias Paiva de; CUNHA, Luiz Vital Fernandes Cruz da. Métodos e técnicas na pesquisa etnobiológica e etnoecológica. 1. ed. Recife: NUPEEA, 2010.

AMOROZO, Maria Christina Mello. Abordagem Etnobotânica na pesquisa de plantas medicinais. In: DI STASI, Luiz Claudio. (org.). Plantas medicinais: arte e ciência – um guia de estudo interdisciplinar. São Paulo: Ed. UNESP, 1996. p. 47-68.

BERQUE, Augustin. Paisagem-marca, paisagem-matriz: elementos da problemática para uma geografia cultural. In: CORREA, Roberto Lobato; ROSENDAHL, Zeny. (org.). Paisagem, tempo e cultura. 2. ed. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998. p. 84-91.

BERTRAND, Georges. Le paysage entre la nature et la société. Revue Géographique des Pyrénées et du Sud-Ouest, Toulouse, v. 49, n. 2, p. 239-258, avr. 1978. Disponível em: https://www.persee.fr/docAsPDF/rgpso_0035-3221_1978_num_49_2_3552.pdf. Acesso em: 15 ago. 2020.

BERTRAND, Georges; BERTRAND, Claude. Uma geografia transversal e de travessias: o meio ambiente através dos territórios e das temporalidades. Maringá: Massoni, 2007.

CLAVAL, Paul. A geografia cultural. 3. ed. Florianópolis: UFSC, 2007.

CRUZ, Lucero Méndez de la. Aproximación al conocimiento etnoedafológico cho’l en Huitiupán, Chiapas y acotalpa, Tabasco, México. 2012. Trabajo de Fin de Grado (Licenciatura en Desarrollo Rural Sustentable) – Universidad Intercultural del Estado de Tabasco, Oxolotán, 2012. Disponível em: http://cuencagrijalva.ecosur.mx/cuenca_grijalva/pdfs/publicaciones/tesis/SP05_Tesis01_Aproximacion_al_conocimiento_etnoedafologico_18042012.pdf. Acesso em: 20 out. 2020.

DIEGUES, Antonio Carlos Sant’Ana. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: HUCITEC, 2001.

FLORIANI, Nicolas. Avaliação das terras pelos agricultores ecológicos de Rio Branco do Sul-PR: uma abordagem geo-socio-agronômica da paisagem rural. 2007. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007. Disponível em: https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/14751/NICOLAS%20FLORIANI_TESE.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 20 nov. 2020.

FLORIANI, Nicolas; CARVALHO, Silvia Méri; FLORIANI, Dimas; SILVA, Andréa Aparecida Inácio da.; STRACHULSKI, Juliano. Modelos híbridos de agricultura em um Faxinal Paranaense: confluência de imaginários e de saberes sobre paisagens. Geografia, Rio Claro, v. 36, n. 2, p. 221-236, maio/ago. 2011. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/ageteo/article/view/3962/5120. Acesso em: 08 out. 2020.

FLORIANI, Nicolas; RÍOS, Francisco Ther; FLORIANI, Dimas. Territorialidades alternativas e hibridismos no mundo rural: resiliência e reproduçao da sociobiodiversidade em comunidades tradicionais do Brasil e Chile meridionais. Polis, Santiago, v. 12, n. 34, p. 73-94, 2013. Disponível em: https://journals.openedition.org/polis/8759. Acesso em: 10 set. 2020.

FONSECA-KRUEL, Viviane Stern da; PEIXOTO, Ariane Luna. Etnobotânica na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. Acta Botanica Brasilica, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 177-190, jan./mar. 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/abb/v18n1/v18n1a15.pdf. Acesso em: 12 out. 2012.

HECHT, Susanna B. La evolución del pensamiento agroecológico. In: ALTIERI, Miguel Angel. (org.). Agroecología: bases científicas para una agricultura sustentable. Montevideo: Nordan–Comunidad, 1999. p. 15-30.

IGM – INSTITUTO GIRAMUNDO MUTUANDO. A cartilha agroecológica. Botucatu: Editora Criação Ltda, 2005.

LARCHER, Walter. Ecofisiologia vegetal. 2. ed. São Carlos: Ed. Rima, 2000.

MACEDO, Roberto Sidnei. Etnopesquisa crítica e etnopesquisa-formação. 2. ed. Brasília: Ed. Liber Livro, 2010.

MOURA, Anna Caroline dos Santos, GENTIL, Daniel Felipe de Oliveira. Plantas indicadoras de qualidade ambiental em agroecossistemas familiares de comunidade do Alto Solimões, Amazonas. Educação Ambiental em Ação, Novo Hamburgo, v. 19, n. 72, n.p., set./nov. 2020. Disponível em: https://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=4022. Acesso em: 12 fev. 2021.

OKA-FIORI, Chisato; SANTOS, Leonardo José Cordeiro; CANALI, Naldy Emerson; FIORI, Alberto Pio; SILVEIRA, Claudinei Taborda da, SILVA, J.M.F.; BRISKI, Sandro José; FELIPE, Rogério da Silva; ROSS, Jurandir. Atlas geomorfológico do Estado do Paraná. Curitiba: MINEROPAR; UFPR, 2006. Disponível em: http://www.iat.pr.gov.br/sites/agua-terra/arquivos_restritos/files/documento/2020-04/atlas_geomorforlogico_parana_2006.pdf. Acesso em: 05 out. 2021.

PARANÁ. Lei n. 15.673, de 13 de novembro de 2007. Dispõe que o Estado do Paraná reconhece os Faxinais e sua territorialidade, conforme especifica. Diário Oficial do Estado: Curitiba, 13 nov. 2007. Disponível em: https://direito.mppr.mp.br/arquivos/File/LEI_FAXINAIS_15673_2007.pdf. Acesso em: 05 out. 2021.

PARANÁ. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Resolução SEMA n. 070 de 3 de dezembro de 2010. [Curitiba]: SEMA, 2010. Disponível em: https://www.legislacao.pr.gov.br/legislacao/pesquisarAto.do?action=exibir&codAto=59956&indice=1&totalRegistros=17&dt=23.8.2021.11.36.29.793. Acesso em: 04 out. 2021.

PEREIRA, João Antenor; NETO, João Fert; CIPRANDI, Olivio. Conhecimento local, uso e manejo de solo: um estudo de etnopedologia no planalto sul catarinense. Cadernos de Agroecologia, Recife, v. 1, n. 1, p. 1713-1716, nov. 2006. Disponível em: http://revistas.aba-agroecologia.org.br/index.php/cad/article/view/1833. Acesso em: 25 ago. 2011.

PIANKA, Eric Rodger. On r and k selection. The American Naturalist, Chicago, v. 104, n. 940, p. 592-597, Nov./Dec. 1970. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/2459020?seq=1. Acesso em: 10 ago. 2011.

RICCI, Marta dos Santos Freire; NEVES, Maria Cristina Prata. Cultivo do café orgânico. Seropédica: Embrapa Agrobiologia, 2004.

SAQUET, Marcos Aurélio. Abordagens e concepções de território. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2007.

SILVA, Nivia Regina da. Etnopedologia e qualidade do solo no assentamento Roseli Nunes, Piraí-RJ. 2010. Dissertação (Mestrado Profissional em Agroecossistemas) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/94009/289911.pdf?sequence=1. Acesso em: 25 maio 2013.

SOUZA, Roberto Martins de. Mapeamento Social dos Faxinais do Paraná. In: ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de; SOUZA, Roberto Martins de (org.). Terras de Faxinais. Manaus: Edições da Universidade do Estado do Amazonas-UEA, 2009. p. 29-88. Disponível em: https://direito.mppr.mp.br/arquivos/File/Livro_TERRAS_DE_FAXINAIS.pdf. Acesso em: 03 out. 2021.

STRACHULSKI, Juliano. Abordagem etnoecológica da relação solos-plantas em propriedades do subsistema 'terra de plantar' no Faxinal Taquari dos Ribeiros, Rio Azul – PR. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Geografia Bacharelado) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2011.

STRACHULSKI, Juliano. Os saberes ecológicos tradicionais de agricultores da comunidade rural Linha Criciumal e sua relação com a paisagem rural – Cândido de Abreu, PR. 2014. Dissertação (Mestrado em Gestão do Território) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2014. Disponível em: https://tede2.uepg.br/jspui/bitstream/prefix/624/1/Juliano%20Strachulski.pdf. Acesso em: 08 nov. 2020.

STRACHULSKI, Juliano. Comunidade rural Faxinal Taquari dos Ribeiros, Rio Azul (PR): hibridação e ressignificação de práticas produtivas e sociais. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, v. 14, n. 168, p. 115-125, maio 2015. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/26161/14618. Acesso em: 10 out. 2021.

STRACHULSKI, Juliano; FLORIANI, Nicolas. Saber ecológico tradicional da comunidade rural Linha Criciumal, Cândido de Abreu – PR: práticas e representações da fertilidade das terras. Revista da ANPEGE, Dourados, v. 12, n. 17, p. 219-256, jan./jul. 2016. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/anpege/article/view/6420/3373. Acesso em: 22 nov. 2020.

TOLEDO, Victor Manuel Manzur; BARRERA-BASSOLS, Narciso. A etnoecologia: uma ciência pós-normal que estuda as sabedorias tradicionais. Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, n. 20, p. 31-45, jul./dez. 2009. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/made/article/viewFile/14519/10948. Acesso em: 3 jul. 2010.

TROPPMAIR, Helmut. Biogeografia e meio ambiente. 8. ed. Rio Claro: Divisa, 2008.

VELOSO, Henrique Pimenta; RANGEL FILHO, Antonio Lourenço Rosa; LIMA, Jorge Carlos Alves. Classificação da vegetação brasileira adaptada a um sistema universal. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, 1991.

VERDEJO, Miguel Expósito. Diagnóstico rural participativo. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, Secretaria da Agricultura Familiar, 2006.

Downloads

Publicado

2021-12-22

Como Citar

STRACHULSKI , J.; FLORIANI, N. Etnoconhecimento das plantas indicadoras na paisagem do subsistema faxinalense ‘terras de plantar’, Rio Azul - PR. PerCursos, Florianópolis, v. 22, n. 50, p. 408 - 441, 2021. DOI: 10.5965/1984724622502021376. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/19591. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua