Corpo político e crítica decolonial: a 1ª Marcha das Mulheres Indígenas

Autores

  • Mariana Wiecko Volkmer de Castilho Universidade de Brasília - UnB
  • Sílvia Guimarães Universidade de Brasília - UnB

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622482021319

Palavras-chave:

Mulheres indígenas, Primeira Marcha das Mulheres Indígenas, Representação, Narrativa decolonial

Resumo

O texto está inscrito no contexto da 1ª Marcha das Mulheres indígenas, ocorrida em agosto de 2019, na cidade de Brasília/DF, e se propõe uma análise crítica decolonial à violência de gênero e étnica que as mulheres indígenas experienciam.  Analisa discursos construídos por mídias tradicionais e alternativas, bem como, entrevistas dadas por mulheres indígenas que participaram desse movimento. A Marcha foi o local que promoveu uma fissura, que está aberta, e revela a fortaleza das mulheres indígenas como um dos principais movimentos sociais que questionam e mantem a crítica, elementos essenciais para a democracia.

Biografia do Autor

Mariana Wiecko Volkmer de Castilho, Universidade de Brasília - UnB

Mestre em Geografia pela Universidade de Brasília – UnB. Doutoranda em Ciências Sociais na Universidade de Brasília - UnB.

Sílvia Guimarães, Universidade de Brasília - UnB

Doutora em Antropologia pela Universidade de Brasília - UnB. Professora da Universidade de Brasília - UnB.

Referências

ANZALDUA, Gloria. La conciencia de la mestiza: rumo a uma nova consciência. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 704-719, dez. 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2005000300015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 15 mar. 2021.

ANZALDUA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Revistas Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 229-236, 1. sem. 2000. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/9880. Acesso em: 15 mar. 2021.

AURORA, Braulina. [Entrevista concedida a] Mariana Wiecko V. de Castilho. 1ª Marcha das Mulheres Indígenas, Brasília, DF, nov. 2019.

BICALHO, Poliene Soares dos Santos. Protagonismo indígena no Brasil: movimento, Cidadania e Direitos (1970-2009). 2010. Tese (Doutorado em História) – Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

BONIN, Iara Tatiana; KIRCHOF, Edgar Roberto; RIPOLL, Daniela. Disputas pela representação do corpo indígena no Twitter. Revista Brasileira Estudos Presença, Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 219-246, abr./jun. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbep/v8n2/2237-2660-rbep-8-02-219.pdf. Acesso em: 01 nov. 2019.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. 1. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CALCAGNO, Luiz. Indígenas e estudantes se unem em protesto contra medidas do governo: faixas com dizeres contra Bolsonaro, pela liberdade do ex-presidente Lula e com manifestações contra a reforma da Previdência se espalham pela Esplanada. Correio Braziliense, [Brasília], 13 ago. 2019. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/brasil/2019/08/13/interna-brasil,776930/indigenas-e-estudantes-se-unem-em-protesto-contra-medidas-do-governo.shtml. Acesso em: 01 set. 2019.

CARNEIRO, Aparecida Sueli. A construção do outro como não-ser como fundamento do ser. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CARVALHO, Joênia Batista de. [Entrevista concedida a] Mariana Wiecko V. de Castilho. 1ª Marcha das Mulheres Indígenas, Brasília/DF, 08 out. 2019.

CERIONI, Clara. Veja fotos da 1ª marcha de mulheres indígenas, em protesto contra governo: com o lema "Território: nosso corpo, nosso espírito", manifestantes saíram em defesa da Amazônia e da demarcação de terras. Revista Exame, [São Paulo], 13 ago. 2019. Disponível em: https://exame.abril.com.br/brasil/fotos-em-1a-marcha-mulheres-indigenas-protestam-contra-governo-bolsonaro/. Acesso em: 01 set. 2019.

COLETIVA DE IMPRENSA / MARCHA DAS MULHERES INDÍGENAS JORNALISTAS LIVRES. [S.l.: s.n.], 2019. 1 vídeo (27 min). Publicado pelo canal Jornalistas Livres. Disponível em: https://youtu.be/Jdtjvr9WQ3Q. Acesso em: 01 out. 2019.

COLLING, Ana Maria. As mulheres e a ditadura militar no Brasil. História em Revista, Pelotas, v. 10, 2004, Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/HistRev/article/view/11605/7457. Acesso em: 18 mar. 2021.

COLORADO, Fernando Navarro. Desoccidentalizar el lenguaje periodístico. In: FORMAS-OTRAS: saber, nombrar, narrar, hacer. Barcelona: CIDOB, 2011. p. 55-65. Disponível em https://www.cidob.org/en/media2/publicacions/monografias/iv_training_seminar/navarro. Acesso em: 01 nov. 2019.

COMISIÓN DE MUJER Y FAMILIA. Encuentro parlamentarias indígenas. Parlamentarias indígenas firman alianza internacional a favor de los derechos de mujeres y comunidades originarias. Congresso de la Republica, Lima, jun. 2019. Disponível em: http://www.congreso.gob.pe/comisiones2018/Mujer/EncuentroPar/. Acesso em: 01 nov. 2019.

FASSIN, Didier. Gobernar por los cuerpos, políticas de reconocimiento hacia los pobres y los inmigrantes en Francia. Cuadernos de Antropología Social, Buenos Aires, n. 17, p. 49-78, 2003.

GOHN, Maria da Glória. Características e especificidades dos movimentos latino-americanos. In: TEORIAS DOS MOVIMENTOS SOCIAIS: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Edições Loyola.

GONZALES, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, São Paulo: Anpocs, p. 223-244, 1984.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, 2016.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, n. 5, p. 7-41, 2009. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773. Acesso em: 15 mar. 2021.

IBGE. Censo 2010. [Rio de Janeiro]: IBGE, 2010. Disponível em: ibge.com.br. Acesso em: 01 nov. 2019.

JULIÃO, Cris. [Entrevista concedida a] Mariana Wiecko V. de Castilho. 1ª Marcha das Mulheres Indígenas, Brasília/DF, out. 2019.

KAXUYANA, Nayra Paye Pereira [Entrevista concedida a] Mariana Wiecko V. de Castilho. 1ª Marcha das Mulheres Indígenas, Brasília/DF, nov. 2019.

LASMAR, Cristiane. Mulheres indígenas: representações. Revista Estudos Feministas, [Florianópolis], v. 7, n. 1-2, 1999. Dossiê Mulheres Indígenas. Número Duplo. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/11989. Acesso em: 01 out. 2019.

LIMA, Juliana D. de. O que querem os movimentos de mulheres indígenas no Brasil: Marcha realizada em agosto de 2019 em Brasília reflete protagonismo que elas têm assumido na defesa dos direitos dos povos originários e o crescimento das pautas de gênero. Nexo Jornal, [São Paulo], 14 ago. 2019. Disponível em: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2019/08/14/O-que-querem-os-movimentos-de-mulheres-ind%C3%ADgenas-no-Brasil. Acesso em: 01 set. 2019.

LOBO, Patrícia Alves de Carvalho. Chicanas em busca de território: A herança de Gloria Anzaldúa. Tese (Doutorado em Estudos de Literatura e de Cultura [Estudos Americanos]) – Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, Lisboa, 2015. Disponível em: https://repositorio.ul.pt/handle/10451/19953. Acesso em: 28 de abril de 2021.

LOPÉZ, Laura Cecília. O Corpo colonial e as políticas e poéticas da diáspora para compreender as mobilizações afro-latino-americano. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, n. 43, p. 301-330, jan./jun. 2015.

LUCIANO, Gersem dos Santos. O Índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade: LACED: Museu Nacional, 2006. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/cfc/livrocolecao.pdf. Acesso em: nov. 2019.

LUCIANO, Gersem dos Santos. A conquista da cidadania indígena e o fantasma da tutela no Brasil contemporâneo. In: RAMOS, Alcida Rita (org.). Constituições nacionais e povos indígenas. Belo Horizonte: UFMG, 2012. p. 206-228.

MARTINS, Ana Paula Antunes. Corporificação e visões de mundo da política feminista e de mulheres na contemporaneidade: diálogos, imagens e discursos sobre marchas de mulheres (2012 – 2017). 2018. Tese (Doutorado em Sociologia) – Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

MATOS, Maria Helena Ortolan. Mulheres no movimento indígena: do espaço de complementariedade ao lugar da especificidade. In: SACCHI, Ângela; GRAMKOW, Márcia Maria (org.). Gênero e povos indígenas. Brasília: Museu do Índio: GIZ: FUNAI, 2012.

MILANO, Leonardo. Vem aí a Primeira Marcha das Mulheres Indígenas. Jornalistas Livres, Brasília, p. 1, 09 jul. 2019. Disponível em: https://jornalistaslivres.org/vem-ai-a-primeira-marcha-das-mulheres-indigenas/

NORONHA, Danielle Parfentieff de. Eu mesmo me represento!: a autorrepresentação em imagens na pesquisa sobre juventudes. Revista Communicare, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 36-51, 2017. Disponível em: https://casperlibero.edu.br/wp-content/uploads/2017/06/Artigo-2.pdf. Acesso em: 01 nov. 2019.

OLIVEIRA, João P. de. Regime tutelar e globalização: um exercício de sociogênese dos atuais movimentos indígenas no Brasil. In: OLIVEIRA, João P. de. O nascimento do Brasil e outros ensaios: “pacificação”, regime tutelar e formação de alteridades. Rio de Janeiro: Contracapa, 2016. p. 265-288.

PRIMEIRA Marcha das Mulheres Indígenas: em defesa dos territórios e da educação. Portal Catarinas, Florianópolis,14 ago. 2019. Disponível em: https://catarinas.info/1a-marcha-das-mulheres-indigenas-em-defesa-dos-territorios-e-da-educacao/. Acesso em: 01 set. 2019.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgar (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005, p. 107-130. (Perspectivas latino-americanas).

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? 1. ed. Belo Horizonte: Editora Letramento, 2017. (Coleção Feminismos Plurais).

RICHARD, Nelly. Feminismo, experiencia y representación. Revista Iberoamericana, Pittsburgh, v. 62, n. 176-177, p. 733-744, Jul./Dic. 1996. Disponível em: https://revista-iberoamericana.pitt.edu/ojs/index.php/Iberoamericana/article/view/6256. Acesso em: 01 out. 2019.

SACCHI, Ângela; GRAMKOW, Marcia Maria. Gêneros e povos indígenas: coletânea de textos produzidos para o “Fazendo gênero 9” e para a “27ª Reunião brasileira de Antropologia”. Rio de Janeiro: Museu do índio: GIZ: FUNAI, 2012.

SACCHI, Ângela. União, luta, liberdade e resistência: as organizações de mulheres indígenas da Amazônia brasileira. 2006. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

SAMPAIO, Paula Faustino. Silêncios e palavras na rede de significados sobre as mulheres indígenas no Brasil. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 28., 2015. Florianópolis. 2015. Anais [...]. Florianópolis: [s.n.], 2015. p. 1-12.

SEGATO, Rita. Gênero e colonialidade: em busca de chaves de leitura e de um vocabulário estratégico descolonial. E-cadernos CES, [s. l.], v. 18, p. 106-131, 2012. Disponível em: http://www.snh2015.anpuh.org/resources/anais/39/1439861881_ARQUIVO_Silenciosepalavrasmulheresindigenas.pdf. Acesso em: 01 nov. 2019.

SILVA, Flávia Campos. Mulheres Indígenas e os espaços midiáticos: uma reflexão sobre silenciamento, memória e resistência. Revista Latinoamericana de Estudios del Discurso, [s. l. ], v. 18, n. 2, p. 23-41, 2018. ISSN-e 2447-9543. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6747441. Acesso em: 01 nov. 2018.

TATEMOTO, Rafael. Em Brasília, ato contra cortes na educação se soma à Marcha das Mulheres Indígenas: manifestação ocupou Esplanada dos Ministérios na manhã desta terça (13), em que mais de 150 cidades se mobilizam. Brasil de Fato, Brasília, 13 ago. 2019. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2019/08/13/em-brasilia-ato-contra-cortes-na-educacao-se-soma-a-marcha-de-mulheres-indigenas/. Acesso em: 01 setembro de 2019.

TAUREPANG, Telma [Entrevista cedida a] Mídia Ninja, Brasília/DF. Mulheres em luta: as principais pautas da 1ª Marcha das Mulheres Indígenas, 08 ago. 2019. Disponível em: https://cimi.org.br/2019/08/mulheres-em-luta-as-principais-pautas-da-1a-marcha-das-mulheres-indigenas/. Acesso em: 01 nov. 2019.

VERON, Valdelice. Tekombo’e Kunhakoty: modo de viver da mulher Kaiowá. 2018. Dissertação (Mestrado em Sustentabilidade junto a Povos e Terras Tradicionais) – Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

YAWALAPITI, Ana Terra. [Entrevista concedida a] Mariana Wiecko V. de Castilho. 1ª Marcha das Mulheres Indígenas, Brasília/DF, set. 2019.

ZAREMBA, Júlia. Em 1ª marcha, mulheres indígenas protestam contra governo Bolsonaro: O mote é 'Território: nosso corpo, nosso espírito'; Governo autorizou presença da Força Nacional. Folha de S. Paulo, São Paulo, 13 ago. 2019. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/poder/2019/08/em-1a-marcha-mulheres-indigenas-protestam-contra-governo-bolsonaro.shtml. Acesso em: 01 set. 2019.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

Castilho, M. W. V. de, & Guimarães, S. (2021). Corpo político e crítica decolonial: a 1ª Marcha das Mulheres Indígenas. PerCursos, 22(48), 319 - 353. https://doi.org/10.5965/1984724622482021319