Entre as (re)existências da cura xamânica na região amazônica e o cientificismo colonial: Um olhar discursivo sobre o silenciamento vivenciado pelos povos originários

Autores

  • Carolina Pinheiro Barros Universidade do Sul de Santa Catarina - Unisul
  • Vanessa Silva Sagica Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622482021261

Palavras-chave:

Ritual xamânico, Análise do discurso, Religião, Memória, Oralidade

Resumo

Este artigo tem como proposta abordar a temática da eficácia simbólica do xamanismo, na buscar da cura de seus sujeitos envolvidos, bem como levantar questões sobre o silenciamento desses sujeitos originários em favor das práticas de cura cientificistas, logo, de poder. Temos como suporte os pressupostos metodológicos da Análise do Discurso, que estuda a língua não só no seu aspecto linguístico, mas também na sua relação com questões sociais, portanto, no extralinguístico. O método envolverá a análise discursiva em entrevistas e das formas de transmissão e práticas do ritual xamânico, este inferido na região amazônica em recortes dos sites de veículos noticiosos (on-line) Portal Mongabay, National Geographic e G1. Buscamos identificar, na contemporaneidade, a resistência dessa prática e como ela é vivenciada, mesmo que subjugada e ignorada em favor das práticas de cura trazidas pelo colonialismo, com seu cientificismo e suas religiões, por serem de fontes empíricas. Os resultados mostram que os indígenas sofrem o silenciamento e o descaso por não terem acesso a hospitais, pois a COVID-19 é uma doença nova e requer cuidados específicos. Seguimos os subsídios teórico-metodológicos da Análise do Discurso para o silenciamento em Orlandi (2009). Especificamente para práticas xamânicas, nos baseamos em Maués (1994, 2007).

Biografia do Autor

Carolina Pinheiro Barros, Universidade do Sul de Santa Catarina - Unisul

Doutoranda em Ciências da Linguagem na Universidade do Sul de Santa Catarina - Unisul. Mestre em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM.

Vanessa Silva Sagica, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC

Doutoranda em Linguística na Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Mestre em Ciências da linguagem pela Universidade do Sul de Santa Catarina – Unisul.

Referências

ALTHUSSER, L. Aparelhos ideológicos de estado. 3. ed. Lisboa: Editoria Presença: Martins, 1974.

ANDRADE, Ugo Maia. Xamanismo e redes de relações interindígenas: Amazônia e Nordeste brasileiro. Revista de Antropologia Vivência, Natal: UFRN, n.54, p. 84-100, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/vivencia/article/view/21542/12889. Acesso em: 20 abril.2020.

AZZI, Riolando. A teologia católica na formação da sociedade colonial brasileira. Petrópolis: Vozes, 2004.

BEATRIZ, Rebeca. Após morte do último índio juma, lideranças associam covid-19 com 'extermínio' de povos indígenas. G1, Manaus, 18 fev. 2021. Disponível em : https://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2021/02/18/apos-morte-do-ultimo-indio-juma-liderancas-associam-covid-19-com-exterminio-de-povos-indigenas.ghtml. Acesso em: 18 mar. 2021.

CASSIRER, Ernst. Linguagem e mito. São Paulo: Editora Perspectiva. 3. ed. 1992.

CESARINO, Pedro de Niemeyer. Virtualidade e equivocidade do ser nos xamanismos ameríndios. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, [São Paulo], n. 69, p. 267-288, abr. 2018.

DI BELLA, Gabi. Indígenas recorrem à medicina tradicional no tratamento contra a covid- 19. National Geographic Brasil, [s.l.], 03 ago. 2020. Disponível em: https://www.nationalgeographicbrasil.com/cultura/2020/07/indigenas-recorrem-a-medicina-tradicional-no-tratamento-contra-a-covid-19. Acesso em: 16 mar. 2021.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. Tradução de Sandra Castello Branco. São Paulo: UNESP, 2005.

FREIRE, José Ribamar Bessa. A canoa do tempo: tradição oral e memória indígena. In: COLÓQUIO UERJ, 4., 1992, Rio de Janeiro. [Trabalho apresentado em evento]. Rio de Janeiro: Imago, 1992. v. 1. p. 138-164. (Tema: América; Descoberta ou Invenção).

FREYRE, GILBERTO. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48. ed. rev. São Paulo: Global, 2003. (Introdução à história da sociedade patriarcal no Brasil; v. 1).

GALVÃO, Eduardo. Santos e Visagens: Um estudo da vida religiosa de Itá, Baixo Amazonas. São Paulo, Editora Nacional. 1955.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL. Covid 19 e os povos indígenas, [s.l.], 2020. Disponível em: https://covid19.socioambiental.org/. Acesso em: 20 mai.2021.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. 1. ed. Tradução Beatriz Perrone-Moises; Prefácio de Eduardo Viveiro de Castro. São Paulo: Companhia das letras, 2015.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Mito e significado. Lisboa: Edições 70, 1985.

MAUÉS, Raimundo. Heraldo. Catolicismo e xamanismo: reflexões sobre pajelança amazônica, renovação carismática e outros movimentos eclesiais. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 4, n.8 p. 11-30, 2007.

MAUÉS, Raimundo. Heraldo. Medicinas populares e pajelança cabocla na Amazônia. In: Paulo César Alves; Maria Cecília S. Minayo. (Org.). SAÚDE E DOENÇA: UM OLHAR ANTROPOLÓGICO. 1ed.RIO DE JANEIRO: FIOCRUZ, 1994, p. 73-81. Disponível em: file:///C:/Users/Caroline/Desktop/coisas/ARTIGOS/Heraldo%20Mau%C3%A9s3.pdf. Acesso em 10mai.2021.

MOURA, Elen Cristina Dias de. Eu te benzo, eu te livro, eu te curo: nas teias do ritual de benzeção. Revista de Humanidades - MNEME, Caicó: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, v. 11, n. 29, p. 340- 367, jan./jul. 2011.

MUNDURUKU, Daniel. Escrita indígena: registro, oralidade e literatura: O reencontro da memória. In: DORRICO, Julie; DANNER, Leno Francisco; CORREIA, Heloisa Helena Siqueira; DANNER, Fernando (orgs.) Literatura indígena brasileira contemporânea: criação, crítica e recepção. Porto Alegre: Editora Fi, 2018.

NASCIMENTO, Felipe Augusto Santana do. Mo(vi)mentos da história e da memória nos caminhos da análise de discurso: os brasiguaios. Revista Entrelinhas (UNISINOS. Online), [São Leopoldo], v. 9, n. 1, p. 29-47, jan./jun. 2015. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:LFYolDb24kwJ:revistas.unisinos.br/index.php/entrelinhas/article/download/9325/4881+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 10mai. 2021.

ORLANDI, Eni de Lourdes Puccinelli. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 4. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997.

ORLANDI, Eni de Lourdes Puccinelli. Análise do discurso: princípios e procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009.

ORLANDI, Eni de Lourdes Puccinelli. Segmentar ou recortar. Estudos, Uberaba, v. 10, p. 09-26, 1984.

PORTAL G1. Pajé faz ritual de cura indígena para tentar salvar garoto de cinco anos. [S.l: s.n.], 2009. Disponível em: http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL1091133-5598,00PAJE+FAZ+RITUAL+DE+CURA+INDIGENA+PARA+TENTAR+SALVAR+GAROTO+DE+CINCO+ANOS.html. Acesso em: 01 out. 2020.

RIBEIRO, Fernanda Maria. Povo Kokama troca hospitais por rituais com ayahuasca para curar indígenas do coronavírus. Portal Mongabay, Tabatinga-AM, 30 jul. 2020 Disponível em: https://brasil.mongabay.com/2020/07/povo-kokama-troca-hospitais-por-rituais-com-ayahuasca-para-curar-indigenas-do-coronavirus/. Acesso em: 01 out. 2020.

SAGICA, Vanessa Silva. [Entrevista cedida a] Carolina Pinheiro Barros, Florianópolis (SC), 09 set. 2020.

SANTOS, Souza de. Boaventura. Pela mão de Alice. São Paulo: Cortez Editora, 1995.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

Barros, C. P., & Sagica, V. S. (2021). Entre as (re)existências da cura xamânica na região amazônica e o cientificismo colonial: Um olhar discursivo sobre o silenciamento vivenciado pelos povos originários. PerCursos, 22(48), 261 - 283. https://doi.org/10.5965/1984724622482021261