Utopia balneária no Rio Grande do Sul: o mar como refúgio na modernidade

Autores

  • Joana Carolina Schossler Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622482021430

Palavras-chave:

Mar, Litoral gaúcho, Utopia, Modernidade, Balneários marítimos

Resumo

Nas últimas décadas do século XIX, o surgimento de balneários na costa atlântica do Rio Grande do Sul favoreceu a prática do veraneio, cujas finalidades terapêuticas eram prescritas pela medicina à época. Contudo, tal prática ganhou outros significados durante as primeiras décadas do século XX, quando a industrialização e a urbanização pautaram um novo “viver nas cidades”. De modo concomitante, o planejamento de balneários marítimos significava a projeção de um espaço social livre dos problemas urbanos, representando, assim, uma utopia em pequena escala e por um curto período como o verão.  Por meio da análise da bibliografia especializada, de fotografias, da revista impressa A Gaivota e de outras fontes sobre a história do litoral, esse artigo pretende mostrar como as praias do Rio Grande do Sul constituíram um refúgio na modernidade, quando, entre as décadas de 1920 e 1950, a vida junto ao mar representava para o imaginário social uma utopia balneária, por seu ideal de uma vida melhor.

Biografia do Autor

Joana Carolina Schossler, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP

Doutora em História pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP. Professora substituta no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo – IFSP, campus Capivari.

Referências

A GAIVOTA: revista das praias balneárias do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 1929. Acervo: Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

A GAIVOTA: revista das praias balneárias do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 1930. Acervo: Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

ANDERSON, Benedict. Comunidades imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BERTRAND, Frédéric. As relações Homem-Natureza no quadro dos litorais Atlânticos. Revista RA’EGA, Curitiba, n. 4, p. 7-21, 2000.

CONDIÇÕES SANITÁRIAS DE NOSSAS PRAIAS. A Gaivota, revista das praias balneárias do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, p. 32, 1930.

CORBIN, Alain. Território do vazio: a praia e o imaginário ocidental. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

CHERSO, Francesco Patrizi da. A cidade Feliz. Campinas: Editora UNICAMP, 2011.

DE PORTO ALEGRE ÀS PRAIAS. A Gaivota, revista das praias balneárias do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, p. 39, 1929.

ELIAS, Norbert. L’Utopie. Paris: La Découverte, 2014.

ENKE, Rebecca Guimarães. Balneário Villa Sequeira: a invenção de um novo lazer (1890-1905). 2005. Dissertação (Mestrado em História) – UNISINOS, 2005.

FERREIRA, Felipe Nóbrega. Ao sul do sul o mar também é pampa: sensibilidades de verão na Villa Sequeira, Rio Grande/RS (1884-1892). 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

FIRPO, Luigi. Para uma definição da “Utopia”. Revista Morus, Campinas, n. 2, p. 227-237, 2005. Dossiê: Utopia como gênero literário.

FOIGNY, Gabriel de. A terra austral conhecida. Campinas: Editora UNICAMP, 2011.

IGREJINHA CATITA DE NOSSA SENHORA DA SAÚDE, VILLA CRUZ E MAIS ALGUNS CHALETS, DIAS ANTES DO INÍCIO DA TEMPORADA BALNEÁRIA DE 1928-1929. A Gaivota, revista das praias balneárias do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 1929, p.28.

JORNADA VITORIOSA. A Gaivota, revista das praias balneárias do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 1940.

LAURENCE, Nicolas. Beauduc l’utopie des gratte-plage: ethographie d’une communauté de cabaniers sur le litoral camarguais. Marseille: Monouvreus Editions, 2008.

LÖWITH, Karl. Max Weber e Karl Marx. In: GERTZ, René (org.) Max Weber e Karl Marx. São Paulo: Editora Hucitec, 1997. p. 17-31.

MORUS, Thomas. Utopia. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

NONOHAY, Ulysses. As férias. A Gaivota, revista das praias balneárias do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, p. 22, 1929.

PINHEIRO, Maria Terezinha Gama. A fundação do balneário Cassino ao final do século XIX e sua expansão e transformação no decorrer do século XX. 1999. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1999.

PISTORELLO, Daniela. Comunidade, nação e nacionalismo numa perspectiva cultural. Resenhas Online, São Paulo, ano 10, n. 11103, mar. 2011. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/resenhasonline/10.111/3899. Acesso em: 30 mar. 2021.

RIO GRANDE DO SUL. Relatório apresentado ao Dr. A. A. Borges de Medeiros, Presidente do Estado do Rio Grande do Sul. Engenheiro Ildefonso Soares Pinto, Secretário do Estado dos Negócios das Obras Públicas em 6 de agosto de 1920. Porto Alegre: Memorial do Legislativo do Rio Grande do Sul, 1920.

RIO GRANDE DO SUL. Relatório de Obras Públicas apresentado ao Dr. A. A. Borges de Medeiros, Presidente do Estado do Rio Grande do Sul. Engenheiro Ildefonso Soares Pinto, Secretário do Estado dos Negócios das Obras Públicas em 16 de agosto de 1921. Porto Alegre: Memorial do Legislativo do Rio Grande do Sul, 1921.

RIO GRANDE DO SUL. Relatório de Obras Públicas apresentado ao Dr. A. A. Borges de Medeiros, Presidente do Estado do Rio Grande do Sul. Engenheiro Ildefonso Soares Pinto, Secretário do Estado dos Negócios das Obras Públicas em 15 de agosto de 1922. Porto Alegre: Memorial do Legislativo do Rio Grande do Sul, 1922.

RIO GRANDE DO SUL. Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Dr. Getúlio Vargas- Presidente do Estado do Rio Grande do Sul pelo Engenheiro Civil J. Fernandes Moreira- Secretário de Estado dos Negócios das Obras Públicas em julho de 1930. Porto Alegre: Oficinas Graphicas da Federação, 1930. v. 2.

RIO GRANDE DO SUL. Relatório do Estado do Rio Grande do Sul. Mensagem enviada à Assembleia Legislativa pelo Dr. Darcy Azambuja- Secretário dos Negócios do Interior, no exercício do cargo de Governador do Estado, em 1º de Junho de 1936. Porto Alegre: Imprensa Oficial, 1936.

ROULLIARD, Dominique. La site balnéaire. Paris: Pierre Mardaga éditeur, 1984.

RUSCHEL, NILO. ATLANTICO. A Gaivota, revista das praias balneárias do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 1939.

SARGENT, Lyman Tower. Traditions utopiques: thèmes et varations. In: SCHAERER, Roland;

SARGENT, Lyman Tower (dir.). Utopie: la quête de la société idéale en Occident. Paris: Bibliothèque Nationale de France: Fayard, 2000.

SCHOSSLER, Joana C. História do veraneio no Rio Grande do Sul. Jundiaí: Paco Editorial, 2013.

SCHOSSLER, JOANA C. Utopias marítimas no Atlântico Sul: imaginário e tipologias no litoral do Uruguai e do Rio Grande do Sul ( 1860-1950). 2016. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

SCHOSSLER, Joana C.; TOULIER, Bernard. L’influence du modèle européen sur les stations balnéaires d’Amérique du Sud : l’exemple du Brésil méridional et de l’Uruguay. Revista Mondes du Tourisme [En ligne], n. 17, 01 juin. 2020. Disponível em: http://journals.openedition.org/tourisme/2763. Acesso em: 13 abr. 2021.

SILVA, Manoel d'Azevedo. Banhos de mar nas costas do Brazil. Rio de Janeiro: [s.n.], 1893.

TOULIER, Bernard. Les réseaux de la villégiature en France. In Situ [En ligne], Paris, n. 4, 01 mars 2004. Disponível em: http://insitu.revues.org/1348. Acesso em: 14 fev. 2014.

TOURAINE, Alain. La societé comme utopie. In: SCHAERER, Roland; SARGENT, Lyman Tower (dir.). Utopie: la quête de la société idéale en Occident. Paris: Bibliothèque Nationale de France, Fayard, 2000.

URBAIN, Jean-Didier. Sur la Plage: moeurs et coutumes balnéaires, XIX–XX siècles. Paris: Petite Bibliothèque Payot, 2007.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

Schossler, J. C. (2021). Utopia balneária no Rio Grande do Sul: o mar como refúgio na modernidade. PerCursos, 22(48), 430 - 455. https://doi.org/10.5965/1984724622482021430