Urbanismo crianceiro: uma experiência cartográfica que reivindica a dimensão estética das cidades

Autores

  • Carolina Clasen Universidade Federal de Pelotas - UFPEL
  • Eduardo Rocha Universidade Federal de Pelotas – UFPEL

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622482021484

Palavras-chave:

Infâncias urbanas, Cartografia sensível, Urbanismo contemporâneo

Resumo

Neste ensaio serão relatados experimentos metodológicos e suas contribuições para a apreensão de aspectos estéticos da paisagem urbana, o que oferece aproximação com uma perspectiva paisagística crianceira. O urbanismo visto a partir das suas contradições e à altura dos olhos das crianças, permite experimentar articulações gestuais e manejos teóricos que se defrontam com as convicções hegemônicas presentes nas discussões das cidades. Tendo a cartografia sensível como aporte metodológico, os experimentos foram praticados com grupos de crianças durante caminhadas pelo espaço público, por meio de três diferentes dispositivos. A fim de trazer tratamento contemporâneo para as observações destes percursos, a perspectiva crianceira da paisagem subsidia proposições emergentes para refletir novas articulações com a vida urbana.

Biografia do Autor

Carolina Clasen, Universidade Federal de Pelotas - UFPEL

Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Pelotas - UFPEL.

Eduardo Rocha, Universidade Federal de Pelotas – UFPEL

Doutor em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul -UFRGS. Pós-Doutor pela Universitá Roma Tre. Professor da Universidade Federal de Pelotas – UFPEL.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Ideia da prosa. Lisboa: Cotovia, 1999.

AGAMBEN, Giorgio. A potência do pensamento, Revista do Departamento de Psicologia da Universidade Federal Fluminense, Niterói, v. 18, n. 1, jan./jun. 2006.

AGAMBEN, Giorgio. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005.

AGAMBEN, Giorgio. O que é o contemporâneo?: e outros ensaios. Tradução de Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos - editora da Unochapecó, 2009.

CARERI, Francesco. Walkscapes: o caminhar como prática estética. Tradução. São Paulo: Gustavo Gilli, 2002.

DELEUZE, Gilles. O que as crianças dizem? In: DELEUZE, Gilles (org.). Crítica e clínica. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1997. p. 73-79.

DELEUZE, Gilles. O mistério de Ariana. Lisboa: Ed. Vega – Passagens, 1996.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. 1 ed. Rio de janeiro: Ed. 34, 1995a. v.1, 94 p. (Coleção TRANS).

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. Rio de janeiro: Ed. 34, 1995b. v.2, 96 p. (Coleção TRANS).

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Suely Rolnik. São Paulo: Ed.34, 1997. v.4.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-Édipo. Rio de Janeiro: Imago Editora, 1976.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? Tradução de Bento Prado Jr. e Alberto Alonzo Muñoz. Rio de Janeiro: Ed.34, 1992.

DELEUZE, G.; PARNET, C. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998.

FAVARETTO, Celso Fernando. A Invenção de Hélio Oiticica. 2. ed. rev. São Paulo: EdUSP, 2002.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1986.

JACQUES, Paola; ABREU, Estela dos Santos. Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

KASTRUP, Virginia; PASSOS, Eduardo; ESCÓSSIA, Liliana. Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Editora Sulina, 2009.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

MARICATO, Erminia. As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias. In: ARANTES, Otília. et al. (orgs.). A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000.

VILLAÇA, Flávio. Espaço intra-urbano no Brasil. São Paulo: Studio Nobel: Fapesp, 1998.

PELBART, Peter Pál. Vertigem por um fio: políticas da subjetividade contemporânea. São Paulo: Iluminuras, 2000.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

Downloads

Publicado

2021-05-21

Como Citar

Clasen, C., & Rocha, E. (2021). Urbanismo crianceiro: uma experiência cartográfica que reivindica a dimensão estética das cidades. PerCursos, 22(48), 484 - 503. https://doi.org/10.5965/1984724622482021484