A solidão na contemporaneidade: uma reflexão sobre as relações sociais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724622492021316

Palavras-chave:

solidão, solitude, contemporaneidade, relações sociais, afeto

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir a respeito dos afetos na sociedade contemporânea, em especial a solidão, entendida como sintoma social. Foi desenvolvido por meio da metodologia de escrita ensaio crítico, que não segue a lógica formal estabelecida por um método tradicional, mas se dá pela busca de reflexões profundas, por meio da articulação de pensamentos de diversos autores. Discute a respeito dos afetos e da solidão, no contexto de suas manifestações sociais, do consumismo, individualismo, vida virtual e da solidão positiva. Através dessa reflexão, compreende-se que o fenômeno da solidão se constitui por meio de diversas transformações sociais, e que não necessariamente deve ser sinônimo de adoecimento ou isolamento, mas, está presente em situações de transformações e estruturação do desenvolvimento humano, auxiliando no processo de socialização e promovendo espaço para o aprendizado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joyce Duailibe Laignier Barbosa Santos, Universidade Federal do Tocantins - UFT

Mestre em Ensino em Ciência e Saúde pela Universidade Federal do Tocantins - UFT.

Stéfanie Rhoden Gregório, Universidade Federal do Tocantins - UFT

Mestranda em Ensino em Ciência e Saúde na Universidade Federal do Tocantins – UFT.

Carlos Mendes Rosa, Universidade Federal do Tocantins – UFT

Doutor em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio. Professor da Universidade Federal do Tocantins – UFT.

Referências

ALMEIDA, Alexandre Patrício; NAFFAH NETO, Alfredo. O sentimento de solidão na contemporaneidade: revisitando Melanie Klein. Psic. Rev., São Paulo, v. 28, n. 2, p. 421-442, 2019.

ALVES, Rubem. As melhores crônicas de Rubem Alves. Campinas: Papirus, 2008.

ANDRADE, Celana Cardoso. A solidão na contemporaneidade. Revista da Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies, Goiânia: Instituto de Treinamento e Pesquisa em Gestalt Terapia de Goiânia, v. 12, n. 1, p. 83-91, jun. 2006.

ANGERAMI-CAMON, Valdemar A. Solidão: a ausência do outro. São Paulo: Pioneira, 1990.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

BÔAS, Regina Vera Villas; SANTOS, Leyde Aparecida Rodrigues. A felicidade em consumir, o hiperconsumo e os direitos humanos fundamentais. In: SEMIDI – SEMINÁRIO DE DIREITOS HUMANOS E DEMOCRACIA, 3., 2014, São Paulo: Unisal. Anais [...]. São Paulo, 2014. p. 01-15.

CACIOPPO, John T.; PATRICK, William. Solidão. Rio de Janeiro: Record, 2010.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: a era da informação: economia, sociedade e cultura. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2002. v. 1.

DOLTO, Françoise. Solidão. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FERRAZ, Kátia D’armas. A solidão do sujeito contemporâneo: um olhar clínico. Gravataí: ULBRA, 2006.

FLECHA, Renata Dumont. Modernidade, contemporaneidade e subjetividade. Rev. Sapere Aude, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 28-43, 2011.

FREUD, Sigmund. Moisés e o monoteísmo, esboço da psicanálise e outros trabalhos (1937-1939). Rio de Janeiro: Imago, 2006. (Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, v. 33).

FREUD, Sigmund. O Futuro de uma Ilusão, O mal-estar na civilização e outros trabalhos (1927-1931). Rio de Janeiro: Imago, 1996. (Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud, v. 21).

GUEDES, Dilsio; ASSUNÇÃO, Larissa. Relações amorosas na contemporaneidade e indícios do colapso do amor romântico (solidão cibernética?). Revista Mal-Estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 6, n. 2, p. 396-425, set. 2006.

KATZ, Chaim Samuel. O coração distante: ensaios sobre a solidão positiva. Rio de Janeiro: Revan, 1996.

LIMA, Júlia Coutinho Costa. Solidão e contemporaneidade no contexto das classes trabalhadoras. Revista Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, v. 20, n. 5, p. 52–65, 2001.

LIPOVETSKY, Gilles. A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo. São Paulo: Manole, 2005.

LIPOVETSKY, Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. 402 p. São Paulo: Companhia das letras, 2007.

MACHADO, Maysa Maria Napolitano et al. Culpa e vergonha na constituição da subjetividade: ensaio de psicanálise aplicada sobre o filme "Shame". Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro, v. 16, p. 1288-1309, 2016. Número Especial. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-42812016000400014&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 07 fev. 2020.

MANNO, Maria Vittoria Maffei; ROSA, Carlos Mendes. Dependência da internet: sinal de solidão e inadequação social? Revista Polêmica, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 119-132, maio/jul. 2018.

MANSUR, Luci Helena Baraldo. Solitude: virando a solidão pelo avesso. Psicanálise e cultura, São Paulo, v. 31, n. 46, p. 38-45, 2008.

MENEGHETTI, F. K. O que é um ensaio-teórico? RAC - Revista de Administração Contemporânea, Maringá, v. 15, n. 2, p. 320-332, mar./abr. 2011.

PINHEIRO, Ângela de Alencar Araripe; TAMAYO Álvaro. Conceituação e definição de solidão. Rev. de Psicologia, Fortaleza, v. 2, n. 1, p. 29-37, jan./jun. 1984.

PINTO, Fátima Irene. Palavras para entorpecer o coração. Recife: Soler, 2004.

QUINODOZ, Jean-Michel. A solidão domesticada: a angústia de separação em psicanálise. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

RAMOS, Edith. Um exame da tipologia do caráter de Riesman. Arq. Bras. Psic. Aplic. Rio de janeiro, v. 27, n. 4, p. 40-46, 1975.

RIESMAN, David. A multidão solitária. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1995.

RODRIGUES, Frederico Gonçalves et al. Relações amorosas na contemporaneidade: impasses e avanços na constituição dos laços afetivos. Revista Esfera Acadêmica de Humanas, Vitória: Multivix, v. 3, n. 1, p. 39-54, 2018.

SANTOS, Mário Beja. A era do vazio: reedição de um ensaio seminal de Gilles Lipovetsky. Artciencia.com, Lisboa, Ano 9, n. 19, jul./dez. 2015.

SONDERBY, Lars. C. Loneliness: an integrative approach. Journal of integrated social sciences, Califórnia, v. 3, n. 1, p. 1-29, 2013.

TATIT, Isabel. Do discurso de isolamento a uma experiência de solidão. 2012. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2012.

TATIT, Isabel; ROSA, Miriam Debieux. Pra não dizer que Freud e Lacan não falaram da solidão. Revista Psicologia e Saúde, Campo Grande, v. 5, n. 2, p. 136-143, jul./dez. 2013.

WINNICOTT, Donald Woods. O ambiente e os processos de maturação. Porto Alegre: Artmed, 1983.

ZANONI, Anna Paula. Imagens da solidão na contemporaneidade: a contribuição do filme Her em uma perspectiva junguiana. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

Downloads

Publicado

2021-09-10

Como Citar

SANTOS, J. D. L. B.; GREGÓRIO, S. R.; ROSA, C. M. A solidão na contemporaneidade: uma reflexão sobre as relações sociais. PerCursos, Florianópolis, v. 22, n. 49, p. 316 - 339, 2021. DOI: 10.5965/1984724622492021316. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/percursos/article/view/17453. Acesso em: 30 nov. 2021.