Meu filho é autista, e agora? Estratégias de enfrentamento familiar perante o diagnóstico do autismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984724621472020171

Resumo

O presente artigo tem como tema central a experiência de famílias com filhos diagnosticados com o Transtorno do Espectro Autista (TEA) e as suas estratégias de enfrentamento diante do diagnóstico. O objetivo geral do estudo foi descrever e analisar, através de entrevistas com três mães, a experiência familiar (impressões, reações e emoções) a partir do momento em que os seus filhos receberam o diagnóstico do TEA. Essas três mães se propuseram a representar suas famílias na pesquisa. Dessa forma, foi realizada a análise do conteúdo das entrevistas, através de uma sistematização temática, para a leitura analítica do tema proposto, tendo como base a literatura científica disponível. Os principais resultados apontam para a busca do conhecimento, por parte da família, como principal estratégia de enfrentamento para lidar com as demandas estressoras diante da experiência mencionada. Assim, foi observado que as famílias buscam estratégias práticas e objetivas, mas também procuram apoio social e religioso. Vale ressaltar que a condição socioeconômica e cultural das famílias pode refletir diretamente na forma como enfrentam o diagnóstico, em função da acessibilidade à orientação especializada e a recursos profissionais. Portanto, compreende-se que a presente pesquisa alcançou o seu objetivo ao descrever a experiência familiar após o diagnóstico do TEA, mas não reflete todas as realidades familiares.  

Palavras-chave: Transtorno do Espectro Autista. Família. Estratégias de Enfrentamento.

Biografia do Autor

Ana Suelem Lima Freitas, Centro Universitário Maurício de Nassau - UNINASSAU

Graduada em Psicologia pelo Centro Universitário Maurício de Nassau. Pós- graduanda em Análise do Comportamento Aplicada ao Autismo pelo Instituto de Educação e Pesquisa em Saúde e Inclusão Social - IEPSIS. Psicóloga Clínica no Espaço Permita-se.

Karina Santos de Jesus, Centro Universitário Maurício de Nassau - UNINASSAU

Graduada em Psicologia pelo Centro Universitário Maurício de Nassau. Pós-graduanda em Análise do Comportamento Aplicada ao Autismo pelo Instituto de Educação e Pesquisa em Saúde e Inclusão Social - IEPSIS. Supervisora no Instituto Habilidades Para Vida.

Verônica Gomes Nascimento, Centro Universitario Maurício de Nassau - UNINASSAU

Doutora em Psicologia pela Univ. Federal da Bahia - UFBA e em Ciências da Educação pela Université Paris 8 Vincennes-Saint-Denis. Professora do Centro Universitário Maurício de Nassau - UNINASSAU.

Referências

ALVES, Elaine Gomes dos Reis. A morte do filho idealizado. O Mundo da saúde, São Paulo, v. 36, n. 1, p. 90-97, 2012.

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-5: manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. Porto Alegre: Artmed, 2014.

BATISTA, Cristina Abranches Mota. Autismo, política e instituição. Trivium, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 46-63, 2013.

BEGOSSI, Janaina. O luto do filho perfeito: um estudo psicológico sobre os sentimentos vivenciados por mães com filhos portadores de paralisia cerebral. 2003. 127 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, 2003.

BORBA Letícia de Oliveira; PAES, Marcio Roberto; GUIMARÃES, Andréa Noeremberg; LABRONICI, Liliana Maria; MAFTUM, Mariluci Alves. A família e o portador de transtorno mental: dinâmica e sua relação familiar. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 45, n. 2, p. 442-449, abr. 2011.

BOSA, Cleonice Alves. Autismo: intervenções psicoeducacionais. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 28, p. s47-s53, maio 2006. Suplemento 1.

CAREGNATO, Rita Catalina Aquino; MUTTI, Regina. Pesquisa qualitativa: análise de discurso versus análise de conteúdo. Texto e Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 4, n. 15, p.679-684, out. 2016.

COSTA, Daniela Ferreira Cristina da. Intervenção precoce no transtorno do espectro do autismo. 2014. 105 f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Educação) – Escola Superior de Educação João de Deus, Lisboa, 2014.

CRESWELL, John W. Métodos quantitativos. In: CRESWELL, John W. Método de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

FAVERO-NUNES, Maria Angela; SANTOS, Manoel Antônio dos. Itinerário terapêutico percorrido por mães de crianças com transtorno autístico. Psicologia – Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 23, n. 2, p. 208-221, 2010.

GADIA, Carlos A.; TUCHMAN, Roberto; ROTTA, Newra T. Autismo e doenças invasivas de desenvolvimento. Jornal de Pediatria (Rio J.), Porto Alegre, v. 80, n. 2, supl. p. 83-94, 2004.

GERHARDT, Tatiana Engel. RAMOS, Ieda Cristina Alves; RIQUINHO, Deise Lisboa; SANTOS, Daniel Labernarde dos. Unidade 4: estrutura do projeto de pesquisa. In: GERHARDT, Tatiana Engel; SILVEIRA, Denise Tolfo (org.). Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Ufrgs, 2009. p. 65-87.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMES, Romeu. A análise de dados em pesquisa qualitativa. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2002. p. 67-80.

GONÇALVES, Paulo Cesar; BITTAR, Cléria Maria Lobo. Estratégias de enfrentamento no luto. Mudanças – Psicologia da saúde, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 39-44, jan./jul. 2016. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-835048. Acesso em: 13 jun. 2019.

GONCALVES, Amanda Pilosio et al. Transtornos do espectro do autismo e psicanálise: revisitando a literatura. Tempo psicanalítico, Rio de Janeiro, v. 49, n. 2, p. 152-181, 2017.

KLIN, Ami. Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 28, p. s3-s11, 2006. Suplemento 1.

KÜBLER-ROSS, Elisabeth. Sobre a morte e o morrer: o que os doentes terminais têm para ensinar a médicos, enfermeiras, religiosos e aos seus próprios parentes. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1969.

LAMPREIA, Carolina. A perspectiva desenvolvimentista para a intervenção precoce no autismo. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 24, n. 1, p. 105-114, 2007.

LEVIN, Esteban. A infância do outro corpo. In: LEVIN, Esteban. Clínica e educação com as crianças do outro espelho. Petrópolis: Vozes, 2005.

MACEDO, Carina Rugai Moreira de. A função continente e o uso da contratransferência como instrumentos na psicoterapia de grupo com pacientes com severas perturbações no desenvolvimento do psiquismo. Vínculo, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 16-23, 2010.

MAIA, Fernanda Alves; ALMEIDA, Maria Tereza Carvalho; OLIVEIRA, Liliane Marta Mendes de;

OLIVEIRA, Stéffany Lara Nunes; SAEGER, Vanessa Souza de Araújo; OLIVEIRA, Victória Spínola Duarte de; SILVEIRA, Marise Fagundes. Importância do acolhimento de pais que tiveram diagnóstico do transtorno do espectro do autismo de um filho. Cadernos Saúde Coletiva, [s.l.], v. 24, n. 2, p.228-234, jun. 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1414- 462x201600020282. Acesso em: 20 out. 2019.

MANNONI, Maud. A criança retardada e a mãe. São Paulo: Livraria Martins Fontes Editora Ltda, 1985. 164 p.

MARFINATI, Anahi Canguçu; ABRÃO, Jorge Luís Ferreira. Um percurso pela psiquiatria infantil: dos antecedentes históricos à origem do conceito de autismo. Estilos da clínica, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 244-262, 2014.

MONTEIRO, Andréa Freire; PIMENTA, Ricardo de Almeida; PEREIRA, Suzana Matheus;

ROESLER, Helio. Considerações sobre critérios diagnósticos de transtorno do espectro autista, e suas implicações no campo científico. Do Corpo: Ciências e Artes, Caxias do Sul, v. 7, n. 1, p.1-11, jan. 2017.

MOYSÉS, Maria Aparecida Affonso; COLLARES, Cecília Azevedo Lima. Inteligência Abstraída, Crianças Silenciadas: as Avaliações de Inteligência. Psicologia Usp, [s.l.], v. 8, n. 1, p.63-89, 1997.

OLIVEIRA, Isaura Gisele de; POLETTO, Michele. Vivências emocionais de mães e pais de filhos com deficiência. Revista SPAGESP, Ribeirão Preto, v. 16, n. 2, p. 102-119, 2015.

PANZINI, Raquel Gehrke; BANDEIRA, Denise Ruschel. Coping (enfrentamento) religioso/espiritual. Revista de psiquiatria clínica, São Paulo, v. 34, p. 126-135, 2007. Suplemento 1.

PAULA, Cristiane Silvestre; BELISASIO FILHO, José Ferreira; TEIXEIRA, Maria Cristina Triguero Veloz. Estudantes de psicologia concluem a graduação com uma boa formação em autismo? Psicologia – teoria e prática, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 206-221, abr. 2016.

PINTO, Rayssa Naftaly Muniz et al. Autismo infantil: impacto do diagnóstico e repercussões nas relações familiares. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v. 37, n. 3, 2016.

RAMOS, Laísa Wendland. A (des)construção da idealização de um filho. 2015. 28 f. TCC (Graduação em Psicologia) – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí, 2015.

ROCHA, Fúlvio Holanda. Questões sobre a alteridade no autismo infantil. Estilos da clínica, São Paulo, v. 14, n. 27, p. 150-171, 2009.

SANTOS, Manoel Antonio dos; PEREIRA-MARTINS, Maria Laura de Paula Lopes. Estratégias de enfrentamento adotadas por pais de crianças com deficiência intelectual. Ciência & Saúde Coletiva, [s.l.], v. 21, n. 10, p.3233-3244, out. 2016.

SCHMIDT, Carlo; DELL'AGLIO, Débora Dalbosco; BOSA, Cleonice Alves. Estratégias de coping de mães de portadores de autismo: lidando com dificuldades e com a emoção. Psicologia – Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 124-131, 2007.

SEIBEL, Bruna Larissa et al. Rede de apoio social e funcionamento familiar: estudo longitudinal sobre famílias em vulnerabilidade social. Pensando famílias, Porto Alegre, v. 21, n.1, p.120-136, jul.2017.

SILVA, Micheline; MULICK, James A. Diagnosticando o transtorno autista: aspectos fundamentais e considerações práticas. Psicologia, ciência e profissão, Brasília, v. 29, n. 1, p. 116-131, 2009.

SOUSA, Sônia M. Gomes; PERES, Vannúzia Leal Andrade. Famílias de camadas populares: um lugar legítimo para a educação/formação dos filhos. O social em questão, Rio de Janeiro, v. 6, n. 7, p. 63-74, 2002.

VIÉGAS, Lygia de Sousa. Progressão Continuada e patologização da educação: um debate necessário. Psicologia Escolar e Educacional, [s.l.], v. 19, n. 1, p.153-161, abr. 2015.

VILLARES, Cátia; LAGE, Yeda. Melancolia materna: entre o filho idealizado e o filho da realidade. 2017. 22 f. TCC (Graduação em Psicologia) – Faculdade Ciências da Vida - Fcv, Sete Lagoas, 2017.

WILLIAMS, Chris; WRIGHT, Barry. Convivendo com autismo e síndrome de Asperger: estratégias práticas para pais e profissionais. São Paulo: M. Books do Brasil, 2008.

Downloads

Publicado

2021-01-28

Como Citar

Suelem Lima Freitas, A., Santos de Jesus, K., & Gomes Nascimento, V. (2021). Meu filho é autista, e agora? Estratégias de enfrentamento familiar perante o diagnóstico do autismo. PerCursos, 21(47), 171 - 196. https://doi.org/10.5965/1984724621472020171

Edição

Seção

Artigos Demanda Contínua