O Eugenismo e o Padre José Maurício Nunes Garcia: revisionismo histórico do Beethoven negro

Autores

  • Pedro Razzante Vaccari Unesp Instituto de Artes

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530407022022e0202

Palavras-chave:

Eugenismo, Padre José Maurício Nunes Garcia, Mozart fluminense, Antropologia, Beethoven negro

Resumo

Recentemente têm sido aplicadas ao processo histórico revisões em que personalidades notoriamente conhecidas como brancas ou sob a alcunha de “mulatas”, como Machado de Assis, Mário de Andrade e Antônio Carlos Gomes, têm sido efetivamente reconhecidas como de origem afro-brasileira. Termos pejorativos como “mulato” e “pardo” estiveram associados a conotações oriundas da escravidão, quando o Estado brasileiro necessitava eleger símbolos nacionais embranquecidos para exaltar e se tornar um polo industrializado nos trópicos sem o estigma que relacionava negritude com a pecha discriminatória de correntes como o darwinismo social. Um desses símbolos nacionais, além dos supracitados, foi o padre José Maurício Nunes Garcia – cuja germanização passou à história como o “Mozart fluminense”. Ao desmistificar o seu embranquecimento, o objeto deste estudo foi trazer à tona elementos que comprovem que ele fora realmente negro, utilizando para isso a metodologia antropológica, da mesma forma em que discussões recentes mostram que o compositor alemão Beethoven teria ascendência africana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Razzante Vaccari, Unesp Instituto de Artes

Pós-doutorando em Música pela USP. Integra o Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo desde 2008. Em novembro de 2021 foi solista do Réquiem (1816) do padre José Maurício Nunes Garcia, com o Coral Paulistano do Theatro Municipal de São Paulo, com o qual foi solista também da ópera Café, em 2022, libreto de Mário de Andrade e música de Felipe Senna. Em julho de 2022 apresentou-se no Complexo do Theatro Municipal de São Paulo com o ciclo Dichterliebe de Schumann e Serestas de Heitor Villa-Lobos.

Referências

ALVES, Amanda Palomo; SILVA, Eronildo José da; ARAÚJO, Marivânia Conceição. (org.). Diálogos sobre diversidade, relações raciais e desigualdade no Brasil. Maringá: Eduem, 2018.

ANDRADE, Mário de. A modinha de José Mauricio. Ilustração Musical, Rio de Janeiro, n. 3, p. 78-81, out. 1930.

ANDRADE, Mário de. Aspectos do folclore brasileiro. São Paulo: Global, 2019.

ANDRADE, Mário de. Música, doce música. Belo Horizonte: Itatiaia, 2006b.

ANDRADE, Mário de. Padre Jesuíno do Monte Carmelo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2012.

BLACKING, John. How musical is man? Washington: Washington Press, 1973.

CAMARGO, Oswaldo de. Negro drama: ao redor da cor duvidosa de Mário de Andrade. São Paulo: Ciclo Contínuo, 2018.

DARWIN, Charles. A origem das espécies: esboço de 1842. Tradução: Mario Fondelli. Roma: Newton Compton, 1996.

DESCAMPS, Paul. État social des peuples sauvages. Paris: Payot, 1930.

DOMINGUES, Petrônio. A nova abolição. São Paulo: Selo Negro, 2008.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes. São Paulo: Globo, 2008. v. 2.

FIGUEIREDO, Carlos Alberto. GARCIA, José Maurício Nunes (Rio de Janeiro, 22/9/1767 – Rio de Janeiro 18/4/1830). In: PACHECO, Alberto (coord.). Dicionário biográfico caravelas. Lisboa: CESEM/ Nova FCSH, 2012. n. 6, p. 1-51. Disponível em: https://dicionario-biografico.caravelas.fcsh.unl.pt/node/82. Acesso em: 20 set. 2020.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande e senzala. São Paulo: Global, 2016.

GOMES, Nilda Lino. Afirmando direitos: acesso e permanência de jovens negros na universidade. São Paulo: Autêntica, 2004.

GUIMARÃES, Elione Silva. Múltiplos viveres de afrodescendentes na escravidão e no pós-emancipação: família, trabalho, terra e conflito (Juiz de Fora-MG, 1828-1928). São Paulo: Annablume, 2006.

HAZAN, Marcelo Campos. José Maurício, Marcos Portugal e a Sonata de Haydn: Desconstruindo o Mito. Brasiliana: revista semanal da Academia Brasileira de Música, n.28, p. 2-11, dez. 2008.

HAZAN, Marcelo Campos. Raça, Nação e José Maurício Nunes Garcia. Resonancias: revista de investigación musical. Santiago do Chile, v. 13, n. 24, p. 23-40, 2009.

HEITOR, Luiz. O espírito religioso na obra de José Maurício. Ilustração Musical, Rio de Janeiro, n.3, p. 75-8, 1930.

HERTZMAN, Marc A. Making Samba: a new history of race and music in Brazil. Durham; Londres: Duke University, 2013.

HOFBAUER, Andreas. Uma história de branqueamento ou o negro em questão. São Paulo: Unesp, 2006.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Visão do paraíso. São Paulo: Brasiliense, 2000.

IKEDA, Alberto T. Música política: imanência do social. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1995. Tese [Doutorado].

JUNG, Carl Gustav. A vida simbólica: escritos diversos. Tradução: Edgar Orth. Petrópolis: Vozes, 2012.

KARNAL, Leandro. Tão longe de mim distante. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 16 set. de 2018. Disponível em: https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral,tao-longe-de-mim-distante,70002503885. Acesso em: 06 nov. 2020.

KRAUSE, Gustavo Bernardo. A reação do cético à violência: o caso Machado de Assis. In: FANTINI, Marli (org.). Crônicas da antiga corte: literatura e memória em Machado de Assis. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. Tradução: Rosa Freire D´Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

LOPES, Nei (org.). Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. 4. ed. São Paulo: Selo Negro, 2011.

MATTOS, Cleofe Person de. Catálogo temático: José Maurício Nunes Garcia. Brasília: MEC, 1970.

MATTOS, Cleofe Person de. José Maurício Nunes Garcia: Biografia. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1997.

MATTOS, Cláudia Valadão de. Lasar Segall. São Paulo: Edusp, 1997.

MEDAGLIA, Júlio. A contribuição do negro na cultura do Brasil. Revista Concerto, São Paulo, n. 242, p. 8, 2017.

MERRIAM, Alan P. The Anthropology of Music. Michigan: Northwestern University, 1964.

O PIMPÃO. Rio de Janeiro: Alfredo Ribeiro, n. 171, 1876.

OLIVEIRA PINTO, Tiago de. Questões de antropologia sonora. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 44, n. 1, p. 221-86, 2001.

PORTO-ALEGRE, Manuel de Araújo. Ideias sobre música. Revista Nitheroy, Paris, n.1, p.160- 183, 1836.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. São Paulo: Global, 2015.

RODRIGUES, Raymundo Nina. As raças humanas e a responsabilidade penal no Brasil. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisa Social, 2011.

SANTOS, Ynaê Lopes dos. História da África e do Brasil afrodescendente. Rio de Janeiro: FAPERJ, 2018.

SCHWARCZ, Lilia. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

TAUNAY, Visconde de. Dous artistas maximos: José Maurício e Carlos Gomes. São Paulo: Melhoramentos, 1930a.

TAUNAY, Visconde de. Uma grande glória brasileira José Maurício Nunes Garcia. São Paulo: Melhoramentos, 1930b.

Downloads

Publicado

2022-08-11

Como Citar

VACCARI, P. R. O Eugenismo e o Padre José Maurício Nunes Garcia: revisionismo histórico do Beethoven negro. Orfeu, Florianópolis, v. 7, n. 2, p. e0202, 2022. DOI: 10.5965/2525530407022022e0202. Disponível em: https://revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/21896. Acesso em: 6 out. 2022.